Ir para o conteúdo principal

Terça Feira, 18 Julho de 2017

Bicota em moçoila...



Pérolas
Chegaram ao juiz de uma vara criminal os autos de uma ação penal contra um homem acusado de tentar roubar um beijo de uma mulher dentro de um ônibus..
 
Ao criticar o tempo e os recursos utilizados para chegar até o momento de julgar o caso - que envolveu cerca de 20 servidores - o magistrado discorriu crítico: “Tal estimativa serve para evidenciar o tamanho do disparate em direcionar toda essa estrutura para apurar a prática de uma ‘bicota’, aliás, uma tentativa de ‘bicota’, levada a efeito pelo infeliz acusado”.

O magistrado reconhece que “a moçoila ofendida foi surpreendida pelo inopinado beijoqueiro, que, não resistindo aos encantos da donzela, direcionou-lhe a beiçola”, escreveu o juiz na sentença.
 
Durante o processo, o Ministério Público chegou a pedir a aplicação do princípio da insignificância, mas a Câmara decidiu que não era o caso.
 
Ao absolver o acórdão, o relator disse esperar que não surgisse um “iluminado” com a “estupenda” ideia de prorrogar a discussão e “sangria de recursos públicos financeiros e humanos”.
 


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

O “jus sperniandi

Expressão de falso latinismo alude ao espernear de uma criança, inconformada com uma ordem de seus pais. E juiz gaúcho não manda tarjar palavras inconvenientes em petição porque , “no processo eletrônico é inviável riscar uma expressão dos autos”.

A importância da caneta

Ao cumprir diligência citatória, oficial de justiça deixa de colher a assinatura do réu porque “ninguém tinha caneta na hora”.

"In tontum"

Equívoco advocatício. Petição para que a ação seja julgada procedente"IN TONTUM"...