Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 19 de Dezembro de 2017


Caem as árvores, avançam as obras da Copa



Imagem da Matéria

A 22ª Câmara Cível do TJRS revogou ontem (16) a suspensão do corte de árvores na Av. Edvaldo Pereira Paiva - mais conhecida como Av. Beira Rio - em Porto Alegre, autorizando o corte imediato. O mérito do recurso de agravo de instrumento interposto pelo Município contra a suspensão dos cortes foi julgado e provido.

O relator do recurso, desembargador Carlos Eduardo Zietlow Duro, explicou que inicialmente suspendeu o corte, que havia sido autorizado no primeiro grau, "para evitar a irreversibilidade da medida". Porém, após minuciosa análise, entendeu por revogar sua decisão anterior, mantendo integralmente a liminar de primeiro grau que permitiu o corte das árvores no trecho.

O voto considerou que das 115 árvores a serem derrubadas, 73% são da espécie exóticas e invasoras, extremamente comuns, não sendo raras ou ameaçadas de extinção. Além disso, há previsão do transplante de duas árvores, uma figueira e um jerivá, para o Parque Maurício Sirotsky Sobrinho, e compensação mediante o plantio de 401 árvores e mudas em lugares determinados.

"Há um ponto, contudo, que é o mais relevante para a solução do presente recurso e que não foi devidamente observado pelo Ministério Público ao propor a ação e que fulmina, por completo, o recurso interposto" - analisou o voto.

O colegiado observou que a área em questão onde estão as árvores é decorrente de aterro do Guaíba, onde tudo foi construído e plantado pela ação humana. "Assim, como as árvores foram plantadas pelo homem, lógico que podem ser suprimidas permitindo o desenvolvimento da cidade, que necessita do aumento da via em questão para possibilitar o trânsito no local e em toda a cidade, concedendo maior qualidade de vida aos cidadãos" - diz o julgado.

Acompanharam o relator o juiz-convocado Eduardo Kraemer e a desembargadora Maria Isabel de Azevedo Souza, presidente da 22ª Câmara.

Três procuradores municipais (João Batista Linck Figueira, João Francisco Mattana Ramos e Filipe Costa Ramos atuaram em nome do Município de Porto Alegre. (Proc. n° 70054203187).

Para entender o caso

* No dia 19 de abril, o desembargador Carlos Eduardo Zietlow Duro havia suspendido a liminar que permitia o corte de árvores localizadas no traçado da Avenida Edvaldo Pereira Paiva. A área integra a obra de implantação do Corredor Parque do Gasômetro, previsto no Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano e Ambiental.

* O Ministério Público, sustenta em ação civil pública que tramita na 10ª Vara da Fazenda Pública do Foro da Tristeza, que o processo de licenciamento ambiental da duplicação da Av. Edvaldo Pereira Paiva ignorou a presença do Corredor Parque do Gasômetro previsto no PDDUA.

* O MP entende que este fato produz danos irreparáveis à qualidade de vida da população de Porto Alegre, que ficará privada de um local tradicional de dedicação à cultura, ao esporte e ao lazer, junto à Usina do Gasômetro.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Conselho de Direitos Humanos pede que FEPAM negue licença para projeto da Votorantim no RS

 

Conselho de Direitos Humanos pede que FEPAM negue licença para projeto da Votorantim no RS

Projeto em parceria com a multinacional Iamgold afetaria Caçapava do Sul e municípios vizinhos. Advogados
da região temem que grande extensão possa sofrer degradação semelhante à de Minas Gerais. E especulam que -  além do interesse de políticos - o solo da região guarda ouro e não apenas chumbo, cobre e zinco, que são formalmente os três minérios declarados.

Cães pitbull em fúria !

Eles invadiram terreno vizinho e mataram gansos, perus, patos, angolistas, galinhas, um casal de pavão e três casais de faisões.

Judiaria com arara vermelha e com a idosa que a cuidava

O TRF da 2ª Região condenou a União a indenizar uma idosa que, durante 40 anos, tratou com desvelo uma ave que o Ibama mandou recolher a um centro de triagem de animais silvestres. Um dia depois, a arara morreu.