Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 20 de julho de 2018.

Perda ao direito do seguro de vida porque apólice não estava paga



Impedimento.org

Imagem da Matéria

Em decisão unânime, a 3ª Turma do STJ negou provimento a agravo regimental interposto pelo Sport Clube Internacional e pelo espólio do jogador Mahicon Librelato, em ação de cobrança de valor de seguro de vida feito em nome do atleta, morto em acidente de trânsito.

O acidente aconteceu em Florianópolis (SC) em 28 de novembro de 2002.

O clube colorado havia feito um seguro de vida para o atleta em 21 de março daquele ano, com vigência de 12 meses, mas quando aconteceu o sinistro, havia quatro prestações do seguro em atraso. A importância segurada era de R$ 4,6 milhões - cifra a ser rateada, em caso de evento infortunístico, entre o Inter, o Criciuma Esporte Clube e o atleta.

No dia seguinte ao acidente, o clube pagou as parcelas atrasadas e solicitou o resgate da indenização, mas as seguradoras Metropolitan Life Seguros e Soma Seguros já tinham cancelado a apólice, conforme disposição contratual.

Movida ação de cobrança, o Inter alegou que a seguradora não enviara as notificações necessárias, mas a seguradora conseguiu comprovar que houve o envio das correspondências. A sentença, confirmada no acórdão de apelação, negou o pedido.

No STJ, o relator, ministro Sidnei Beneti, reconheceu que há o entendimento jurisprudencial de que o cancelamento automático da apólice por falta de pagamento, mesmo autorizado por disposição contratual, é considerado abusivo. Mas no caso em julgamento, a seguradora cumprira com a obrigação de alertar o contratante das consequências do inadimplemento.

Tendo em vista o não pagamento do prêmio, e o correto cancelamento da apólice, não há falar em obrigação de pagamento da indenização, nos termos do artigo 763 do Código Civil”, concluiu o relator.

Os advogados Carlos Josias Menna de Oliveira, Marcio Malfatti e Maria Izabel Indrusiak atuaram em nome das seguradoras.

Há possibilidade agora, em tese, de o espólio tentar, em nova ação, cobrar o valor indenizatória do seguro de vida diretamente do clube colorado. (AREsp nº 422.024).

Esclarecimento enviado por HGM - Advogados Associados

"Na matéria ´Perda ao direito do seguro de vida porque apólice não estava paga´ veiculada neste respeitável saite jurídico, constam como procuradores que atuaram pelas seguradoras apenas os advogados Carlos Josias Menna de Oliveira, Marcio Malfatti e Maria Izabel Indrusiak.

Os referidos advogados atuaram apenas em nome da Seguradora Metropolitan Life Seguros e Previdência S.A.

Os procuradores que atuaram em nome da Brasil Resseguros S.A, foram Heron Guido de Moura e Fernando Nicola Machado.

Importante salientar que a tese acatada pelo Poder Judiciário foi a lançada na defesa do Brasil Resseguros S.A., tanto que em julgados anteriores (sentença e acórdão proferidos pelo Judiciário Gaúcho) ao ingresso do IRB no feito - os quais foram anulados pelo STJ por força da não inclusão do Resseguro no pólo passivo - o entendimento foi pela total procedência dos pedidos.

Atenciosamente,

HGM - Advogados Associados".

Leia a íntegra da sentença


Julgado decidiu três ações distintas que tramitaram em conjunto.pdf

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Sobrevida gaúcha até os 94 de idade

Decisão do TJRS em caso de idoso (85 anos) - que morreu vítima de atropelamento – condenou a seguradora a pagar à viúva (idade atual: 90) o pensionamento até a data em que o falecido esposo completaria 94 de idade. A média de vida mais alta no Brasil, atualmente, é em Santa Catarina.

Arte de Camila Adamoli

A suprema tartaruga e as amigas da Corte

 

A suprema tartaruga e as amigas da Corte

Oriundo do TJRS, chegou ao STF em outubro de 2010 um recurso extraordinário que se transformou em paradigma para milhares de processos sobrestados, país afora: o aumento abusivo das mensalidades dos planos de saúde dos idosos. Veja o que aconteceu em sete anos.