Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 17 Outubro de 2017

Negativa pelo TJRS de vigência a dispositivo de lei federal



Porto Alegre, 04 de setembro de 2014.

Ao

Espaço Vital

Ref.: Não-aplicação da Lei do Inquilinato.

Sou advogada e admiradora do Espaço Vital e estou indignada com decisões de nosso Judiciário gaúcho no que se refere a negar vigência ao inciso IX do § 1º do artigo 59 da Lei nº 8245/91.

O citado dispositivo facilita a locação sem garantia, pois o inciso garante a liminar de desocupação do imóvel em 15 dias com prestação de caução em caso de, entre outros, a falta de pagamento de aluguel e encargos.

Provado por contrato que não há garantia e juntados aos autos os recibos de alugueis não pagos, o Judiciário gaúcho está exigindo os requisitos do 273 do CPC e os julgadores não comentam o artigo 59, § 1º inciso IX da Lei do Inquilinato.

Terei, doravante, de orientar meus clientes a não fazerem contratos de locação sem garantia, pois aqui no RS não se aplica a Lei do Inquilinato que visou facilitar a vida dos inquilinos que não contam com recursos para seguro-fiança e não dispõem de fiadores para a locação.

O processo a que estou me referindo é o agravo de instrumento nº 70058908948, com tramitação na 15ª Câmara Cível do tribunal gaúcho.

Entendo importante o Espaço Vital abordar esse assunto, pois é de interesse público pelo reflexo que este tipo de decisão ocasionará no mercado imobiliário de locações do RS e em prejuízo aos locatários mais necessitados.

Grata pela oportunidade. Atenciosamente,

Marli Dilce Mrás, advogada, OAB/RS nº 16.765.

marlidm@brturbo.com.br


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Acreditem! Honorários sucumbenciais de R$ 1,99 !

Candidato a ser o mais ´pão-duro´ do ano (ou do século?...), o valor foi atribuído pela Turma Recursal dos Juizados Civeis Federais, a uma advogada de Porto Alegre.

"A mais nova manobra do STJ para deixar de receber recursos"

Um jeitinho jurídico para complicar quem pensa que tem gratuidade judiciária. A advogada gaúcha Camille Abreu alerta os colegas que, ao recorrerem ao tribunal superior, as partes já beneficiárias da justiça gratuita têm que renovar o pedido. Senão...bailam!

Os deuses-juízes veem os advogados como inimigos!

Advogada comenta, em carta, que está difícil exercer a profissão: magistrados não consideram profissionais da advocacia como operadores do Direito, nem como figuras essenciais à justiça.