Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 17 Outubro de 2017

"A tesoura que assombra a RBS"



O foco da RBS não está mais no jornalismo, revela o jornalista Luiz Claudio Cunha, em matéria publicada no saite do Jornal Já. Num longo texto, ele aponta que, após dezenas de demissões na área de jornais, a organização da RBS vai se concentrando na holding e.Bricks, voltada a negócios no meio digital

Suas constatações, na reportagem "A tesoura que assombra a RBS" são de que enquanto o jornalismo gera cada vez mais despesas e menos receita para a corporação dos Sirotsky, ela começa a mudar seu perfil, com maior investimento em tecnologias.

O texto também aponta que Cláudio Galeazzi - que já trabalhou para Grupo Vulcabrás/Azaleia e na Brasil Foods - é o consultor contratado para reestruturar a empresa, após a constatação das primeiras baixas na receita da área de jornais.

A matéria do Jornal Já analisa o desempenho da empresa, entrevistas e discursos feitos por executivos da RBS e pretende demonstrar que o mercado digital, com potencial de faturamento estimado em R$ 66 bilhões até 2015, é o novo rumo do grupo.

Gaúcho de Caxias do Sul (*15.04.1951), o jornalista Luiz Cláudio Cunha já trabalhou para diferentes órgãos de imprensa e para a própria RBS: também esteve em O Estado de São Paulo, Jornal do Brasil, O Globo, Correio Braziliense, Diário da Indústria e Comércio, Veja, IstoÉ e Afinal. Foi também editor-contribuinte da revista Playboy.

Comandou a redação da sucursal da revista Veja em Porto Alegre (1973-1980) e em Brasília (1981-1983). Sua carreira jornalística está marcada pela reportagem investigativa e pelo jornalismo político.

Ganhador de vários prêmios jornalísticos, Cunha cobriu episódios políticos marcantes da história recente do Brasil e escreveu sobre crimes contra os direitos humanos realizados pelas ditaduras militares do Cone Sul. Dentre seus trabalhos importantes, está a série de reportagens (1978 a 1980), sobre o “Sequestro dos Uruguaios”, que foi uma tentativa ilegal de militares e policiais brasileiros e uruguaios para a prisão de ativistas do vizinho país, no âmbito da clandestina Operação Condor.

Os tópicos da longa matéria sobre a RBS

* A carta bomba
* O Marinho do Sul
* O rumor pelo terror
* Tesoura e Tesourinha
* Caindo na tabela
* Turbilhão digital
* A jóia da coroa
* O amigo dicionário
* Paradigmas sem jornalistas
* Lecca-lecca e chupa-chups
* Marco do pensamento
* Perpétua de pai para filho
* A cor da pele
* O branco 100%.

Leia a íntegra de "A tesoura que assombra a RBS" no saite do Jornal Já


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Amarildo – www.amarildo.com.br

Cerco aos tribunais

 

Cerco aos tribunais

Revista IstoÉ registra que “contrariando um princípio fundamental da democracia - a autonomia dos Poderes - a presidente Dilma pressiona sem cerimônias ministros do STF, TSE e TCU a fim de evitar a aprovação de processos que podem levar ao seu afastamento da Presidência”.

Supremo reafirma o direito de criticar

Revertido acórdão que condenara o jornalista Paulo Henrique Amorim a indenizar o banqueiro Daniel Dantas. Decisão de Celso de Mello refere que “o interesse social, que legitima o direito de criticar, sobrepõe-se a eventuais suscetibilidades que possam revelar as figuras públicas, independentemente de ostentarem qualquer grau de autoridade”.