Ir para o conteúdo principal

Sexta-Feira, 22 setembro de 2017

Os deuses-juízes veem os advogados como inimigos!



Porto Alegre, 12 de novembro de 2014.

Ao
Espaço Vital

Ref.: Os advogados vistos como inimigos.

Comento o entendimento da juíza Catarina Volkart Pinto, da 2ª Vara Federal de Novo Hamburgo (RS), que nega vigência aos artigos 22 e 23 do Estatuto da Advocacia, sob o fundamento da reparação dos custos do vencedor para pagamento dos honorários contratuais.

Acredito que há um contrassenso.

Corrijam-me os leitores do Espaço Vital se eu estiver errada.

Para a reparação dos danos materiais não é necessário comprovar a efetiva perda material?

Assim, honorários arbitrados ao alvitre do juízo em favor da parte - que não guardam relação com a perda material real referente aos honorários contratuais - não se prestam para reparação e, mais do que isso, podem importar em enriquecimento ilícito!

Está difícil: os “deuses-juízes” realmente não nos veem, advogados que somos, como operadores do direito e como figuras essenciais à justiça.

Veem-nos como inimigos!

Atenciosamente,

Gabriela Chies, advogada (OAB/RS nº 81.876)

gabriela@moraesadvogados.com


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Acreditem! Honorários sucumbenciais de R$ 1,99 !

Candidato a ser o mais ´pão-duro´ do ano (ou do século?...), o valor foi atribuído pela Turma Recursal dos Juizados Civeis Federais, a uma advogada de Porto Alegre.

"A mais nova manobra do STJ para deixar de receber recursos"

Um jeitinho jurídico para complicar quem pensa que tem gratuidade judiciária. A advogada gaúcha Camille Abreu alerta os colegas que, ao recorrerem ao tribunal superior, as partes já beneficiárias da justiça gratuita têm que renovar o pedido. Senão...bailam!