Ir para o conteúdo principal

Sexta-Feira, 22 setembro de 2017

"A mais nova manobra do STJ para deixar de receber recursos"



Porto Alegre, 24 de novembro de 2014.

Ref.: Um alerta à Advocacia brasileira.

Venho solicitar a este ilustre Espaço Vital que noticie ao meus nobres colegas a mais nova manobra do STJ para deixar de receber recursos.

Nesse sentido, basta ler este trecho de um julgado: "(...) O preparo deve ser feito no momento da interposição do recurso, sob pena de deserção, irrelevante alegação de ser beneficiário da justiça gratuita, necessária renovação do pedido quando do manejo do recurso, uma vez que o deferimento anterior da benesse não alcança automaticamente as interposições posteriores". (EARESP nº. 321.732/RS - Corte Especial).

Conversando com colegas, constatamos que não se trata de um precedente isolado. Ilustrativamente, referimos: AResp nº 608.288, recentíssimo com decisão datada de 20.11.14, AResp nº 592.829, AResp nº 607.409 e AResp nº 592829).

Surpreendente, não?...

Atenciosamente.

Camille Abreu, advogada (OAB/RS nº 85.380).
camille@araujovecchio.com


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Acreditem! Honorários sucumbenciais de R$ 1,99 !

Candidato a ser o mais ´pão-duro´ do ano (ou do século?...), o valor foi atribuído pela Turma Recursal dos Juizados Civeis Federais, a uma advogada de Porto Alegre.

Os deuses-juízes veem os advogados como inimigos!

Advogada comenta, em carta, que está difícil exercer a profissão: magistrados não consideram profissionais da advocacia como operadores do Direito, nem como figuras essenciais à justiça.