Ir para o conteúdo principal

Terça-feira, 23 de Maio de 2017

Ação contra construtora desidiosa mesmo antes do prazo para a entrega da obra



Mesmo que ainda não atingido o prazo contratual previsto para a entrega de unidade habitacional, uma construtora porto-alegrense foi condenada a restituir todos os valores, inclusive a comissão de corretagem, paga pelos compradores, com juros, atualização monetária e sem direito a qualquer retenção, devendo, ainda, indenizá-los pelos danos morais. O caso não é comum no Judiciário brasileiro.

A ação foi ajuizada em julho de 2014 contra a empresa Projeto Imobiliário SPE 65 Ltda., quando ainda não havia expirado o prazo para entrega das unidades habitacionais no empreendimento 'Viver Parque das Árvores', mas cuja construção sequer havia iniciado.

 Segundo a juíza Luciana Torres Schneider, da 14ª Vara Cível de Porto Alegre, “embora a ação tenha sido aforada antes do término do prazo para entrega da unidade habitacional, está claro que a ré sequer iniciou a construção do empreendimento, quando ele já deveria estar na fase de conclusão".

A magistrada atribuiu, portanto, à empresa a responsabilidade exclusiva pela quebra contratual e o dever de responder pelos danos causados aos adquirentes.

A sentença levou em conta “a frustração advinda do fato de que a construção do tão sonhado lar sequer foi iniciada quando já deveria estar na fase conclusiva, aliado à conduta desidiosa da ré, que nunca deu qualquer satisfação”. Da sentença ainda cabe recurso.

Atua em nome dos autores o escritório Bencke & Sirangelo. (Proc. nº 1.14.0177597-8).

Leia a íntegra da sentença

A demandada descumpriu tanto o prazo para o início da obra quanto para a conclusão da unidade habitacional dos autores


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte de Camila Adamoli

O rendoso negócio das próteses

 

O rendoso negócio das próteses

Ao cumprir uma liminar judicial, a Unimed Litoral espantou-se com a conta a pagar de dois objetos que vieram da Califórnia (EUA), para uma cirurgia realizada em Santa Vitória do Palmar (RS). Sentença afirma “o exercício abusivo de direito, com um lucro de aproximadamente 200%, com desequilíbrio econômico da avença”.

Gato por lebre” no apartamento novo que foi modificado

Antecipação de tutela determina que as construtoras PDG Realty Empreendimentos e ZMF-9 Incorporações corrijam apartamento do Condomínio Residencial Quinta do Sol, adequando-o ao memorial descritivo e planta publicitária.