Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 19 de Dezembro de 2017

Emancipação torna jovem de 17 anos capaz para cargo público



A emancipação torna o candidato plenamente capaz para praticar todos os atos da vida civil, inclusive o de prover e exercer cargo público. Com essa fundamentação, a 5ª Turma do TRF da 1ª Região determinou a reintegração de jovem emancipado ao cargo de técnico legislativo do Senado, dispensado do cargo por não preencher o requisito de idade mínima de 18 anos.

Conforme o julgado, “por ocasião da posse, o candidato preenchia todos os requisitos legais para a investidura no cargo público, uma vez que, apesar de não possuir a idade mínima de que trata a Lei nº 8.112/90, foi ele regularmente emancipado, nos termos da lei, passando, a partir de então, a praticar plenamente todos os atos da vida civil”.

Ainda de acordo com o acórdão, “não houve no caso qualquer ofensa ao edital do certame, porquanto não havia nenhuma norma prevendo que para a inscrição no concurso público deveria o candidato comprovar a idade de 18 anos completos”.

O TRF-1 também afirmou “não ter havido violação ao princípio da legalidade ou mesmo da isonomia, uma vez que o recorrente concorreu em igualdade de condições com os demais candidatos, não tendo recebido nenhum tratamento diferenciado em detrimento dos demais”.

Durante o andamento da demanda judicial, o recorrente atingiu a idade de 18 anos. O tribunal também considerou que “fato superveniente faz cessar o óbice legal à investidura no cargo pretendido”. (Proc. nº 0038970-69.2012.4.01.3400).


Comentários

João Yuji Moraes E Silva - Advogado 28.04.15 | 20:49:30
Louvável! Uma maioridade tão alta como a nossa infantiliza a juventude. Me incomoda a incoerência de defender a redução da maioridade penal (ao que sou plenamente favorável) sem uma redução da maioridade civil juntamente.
Irani Leal Ferreirair - Advogada E Servidora Pública 28.04.15 | 17:25:56
Louvável a Decisão do TRF1. Parabéns, garoto pródigo e merecedor de ver reconhecido seu esforço! Abraços!
Ana Santos - Gerente 28.04.15 | 15:43:13
É aburdo e abusivo a quantidade de manobras processuais utilizadas para burlar o previamente estabelecido. Todo o concurso reza ter dezoito completos no momento da posse.
Gilnei Brancogilnei Branco - Tec. Seg . Trabalho 28.04.15 | 10:51:47
Discordo, pois o requisito pedia que o candidato tivesse o mínimo de 18 anos para assumir o cargo e não que fosse plenamente capaz.
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Liminar suspende concurso para juiz de Direito no RS

Os participantes são cerca de 11 mil. Cinquenta impetrantes de mandado de segurança alegaram “falta de transparência no certame”. Relator reconheceu que “há, por parte da banca examinadora, ausência de publicidade dos critérios de valoração”.

Anulação de questão em concurso do MP-RS

Ao reformar julgado do TJ gaúcho, o STJ afirma “caber ao Judiciário pôr algum freio para não dar margem à formação de intocabilidade e infalibilidade das comissões de concurso”