Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 17 Outubro de 2017

Jô Soares se desentende com jornalistas durante debate sobre política



Reprodução Tv Globo Rio

Imagem da Matéria

As jornalistas Lilian Witte Fibe, Lúcia Hippolito e Ana Maria Tahan foram as convidadas do quadro "As Meninas do Jô" de quarta-feira (9), e discordaram de Jô Soares durante o seu programa. As divergências começaram quando o apresentador resolveu dar sua opinião sobre o aumento da carga tributária no Brasil.

"Eu vou atacar de advogado do diabo agora. Eu acho que para a situação em que o Brasil está, do ponto de visto do desenvolvimento, a carga de impostos é pequena se analisarmos o quanto o país ainda precisa desenvolver", disse o apresentador, que pediu com bom humor para que as jornalistas não batessem nele por causa dessa declaração.

Sem concordar com a opinião de Jô, a jornalista Lilian Witte Fibe foi a primeira a rebater o apresentador. "De jeito nenhum, Jô. Tem muita roubalheira neste país. O pessoal 'passa a mão'", disse.

"Concordo com você. Mas em uma ponta tem a roubalheira e a má administração, e do outro lado tem os ricos que pagam menos impostos do que deveriam", respondeu o apresentador.

"O problema não mora aí, Jô. O problema é usar de maneira errada o dinheiro que se arrecada. A nossa carga tributária é parecida com a da Suécia, mas a diferença é que os nossos serviços públicos são péssimos", enfatizou Lilian.

"Perto dos péssimos serviços que nós tempos, nós pagamos uma altíssima carga tributária. O sueco paga alto imposto mas tem de volta o seu dinheiro em serviço", concordou Lúcia Hippolito.

Após ouvir as respostas das jornalistas, Jô tentou explicar sua opinião novamente: "Gente, eu não estou falando que a chamada classe média tem que ter um aumento na carga tributária", disse.

Quieta no debate até então, Ana Maria Tahan discordou da opinião do apresentador. "Essa solução de criar impostos e aumentar impostos é uma solução fácil. O Governo tem que fazer a parte dele. Pelo amor de Deus, eles precisam ter uma gestão mais eficiente, acabar com esse monte de ministérios" - disse. (Com informações do Portal Uol).


Comentários

Francisco Mariano Ricoldi - Advogado 14.09.15 | 11:11:50
A questão posta é bastante hilariante, pois sabemos que o país, não égovernado por políticos preparados, Daí a razão do jargão destes, válido a indicar o prestígios de que são tidos : "Ninguém dá mais que um político promete", o que significa, muita promessa, do que sequer sabe o que vai ou pode fazer. E, de uns tempos, diga-se de passagem, há muito, antes menos avassaladora como a que produziu o PT de LULA e DILMA, de ninguém desconhecido e autoridades indistintas.
Angela M C B Guimaraes - Advogada 13.09.15 | 18:21:39
Já foi um excelente Programa ´Jô Onze e Meia. Hoje não desperdiço o meu tempo. Simplesmente ele é pedante, arrogante e sem educação. Já foi grosseiro com vários convidados, sem contar que, por causa dos "incentivos" recebidos, e não foram poucos - Lei Rouanet - tornou-se um PTralha.
Júlio Gregorio - Aposentado 11.09.15 | 19:34:57
Jó Suarez , excelente comediante, porém isso não garante clareza política. A velhice o nos traz sabedoria ou ...
Antonio Lima Grams - Advogado 11.09.15 | 13:27:11
  Afinal, o Gordo é de origem pobre, ou nasceu em berço esplêndido? Estudou em escola pública? Dizem que estudou fora do país e não tinha bolsa de estudos. Será verdade? Bem me lembro, ele satirizava os governantes anteriores aos do PT. E tinha grande audiência. Presumo que a busca por melhores níveis de audiência tenham levado o apresentador ao delírio...    
Eliel Valesio Karkles - Advogado 11.09.15 | 11:04:29
Este elemento só fala besteira...Um PeTralha de carteirinha, vem dizer que paga pouco imposto? Enquanto se beneficia da Lei Rouanet? Para mim, ele não tem crédito nenhum.
Joao Jeronimo Rego Das Neves - Advogado 11.09.15 | 10:52:18
Além de pedante, é petista (no mau sentido).
Joao Jeronimo Rego Das Neves - Advogado 11.09.15 | 10:51:11
Além de pedante é petista (no mau sentido).
Douglas De Morais Garcez - Médico 11.09.15 | 10:10:34
A ideia é cortar na carne de todo o mundo? Isto só caberia se o Executivo, Legislativo, Judiciario e estatais cortassem um pouco da gordura; não precisa nem chegar na carne provavelmente.
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Imagem Fortune Dot

Empresa encontra brecha para pagar seus tributos em 576 anos

 

Empresa encontra brecha para pagar seus tributos em 576 anos

Mas decisão judicial do TRF-3 brecou a manobra. O parcelamento especial adotava, para a parcela mínima, a divisão do saldo devedor em 180 vezes ou 0,3% da receita bruta auferida no mês anterior ao do vencimento da parcela, o que fosse menor - respeitado o valor mínimo de R$ 100 (microempresa) ou de R$ 200 (empresa de pequeno porte).

Isenção de Imposto de Renda para quitar segundo bem

O ganho de capital nas operações de alienação de imóvel (art. 39 da Lei nº 11.196/05), também é válido para os casos de venda de imóvel residencial com o objetivo de quitar débito remanescente de aquisição a prazo ou à prestação de imóvel residencial já possuído pelo contribuinte.