Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 21 de Novembro de 2017

Tribunal privilegia a adaptação de papagaio com a idosa que o criou



Arte de Camila Adamoli sobre foto Wikimedia

Imagem da Matéria

Mesmo reconhecendo que “é indispensável que se proteja a fauna brasileira, principalmente pelo que ela representa para biodiversidade e para o desenvolvimento dos ecossistemas”, a 3ª Turma do TRF da 4ª Região considerou mais importante evitar a incorreta ou má readaptação do próprio animal, que o Ibama estava querendo apreender.

Em agosto deste ano, o TRF da 2ª União condenou a União por causa da omissão do Ibama que apreendeu, no Rio, uma arara que ficara 40 anos com uma mulher. A arara morreu um dia depois.

Não se pode chegar ao ponto de sacrificar o próprio animal, sob o argumento de que se estaria protegendo a espécie” – manifestou a desembargadora Marga Barth Tessler, relatora do caso do papagaio gaúcho.

A dona de casa aposentada Selsi Maria Mayer Gallego, 73 anos de idade, teve um papagaio ´Amazona Aestiva´- que ela cuidava ao longo de 32 anos, desde o nascimento da ave – apreendido pelo Ibama, que pretendia manter-se na posse da ave, além de cobrar multa de R$ 3 mil. Os fatos ocorreram em Porto Alegre.

Uma antecipação de tutela assegurou que o papagaio fosse devolvido à idosa – o que já ocorreu - mas não a livrou de ver-se ameaçada de pagar a multa cobrada pelo Ibama.

O papagaio habita um viveiro no pátio da casa de Selsi, mas está quase sempre solto no pátio e nas árvores.

Após negar provimento do órgão governamental, sem alterar a guarda do papagaio que continuará com Selsi, a 3ª Turma deu provimento ao recurso da aposentada, livrando-a da sanção financeira.

Segundo o julgado, “a jurisprudência, mais do que a mera aplicação do texto da lei, tem buscado melhor adequar os interesses postos em conflito, sempre atentando para as peculiaridades do caso concreto, anulando-se também o auto de infração por suposta guarda irregular de ave protegida pela legislação ambiental.”

O advogado Guilherme Collin atua em nome da autora. (Proc. nº 5012293-80.20154.04.7100).

Judiaria com arara vermelha e com a idosa que a cuidava
Da base de dados do Espaço Vital - Publicação em 21.08.15

O TRF da 2ª Região condenou, em agosto passado, a União a indenizar uma idosa que, durante 40 anos, cuidou com desvelo de uma arara vermelha, mantida em cativeiro nos arredores do Rio de Janeiro e levada embora pela PM carioca, que não estava ali para prender bandidos.

O bicho – então por ordem do Ibama - foi levado para o Centro de Triagem de Animais Silvestres, no Rio, sendo colocado junto com outras aves.

A novel visitante foi atacada pelos demais espécimes que ali habitavam e, por causa dos ferimentos, morreu no dia seguinte.

O acórdão diz que “houve uma dupla judiaria: com Laisa Barbosa Rodrigues da Silva, que mantinha a posse carinhosa da arara; e com a própria pobre ave, que nunca deveria ter sido retirada de onde estava há décadas”.

A indenização será de R$ 15 mil. Já há trânsito em julgado. (Proc. nº 0000953-21.2012.4.02.5118).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Conselho de Direitos Humanos pede que FEPAM negue licença para projeto da Votorantim no RS

 

Conselho de Direitos Humanos pede que FEPAM negue licença para projeto da Votorantim no RS

Projeto em parceria com a multinacional Iamgold afetaria Caçapava do Sul e municípios vizinhos. Advogados
da região temem que grande extensão possa sofrer degradação semelhante à de Minas Gerais. E especulam que -  além do interesse de políticos - o solo da região guarda ouro e não apenas chumbo, cobre e zinco, que são formalmente os três minérios declarados.

Cães pitbull em fúria !

Eles invadiram terreno vizinho e mataram gansos, perus, patos, angolistas, galinhas, um casal de pavão e três casais de faisões.

Judiaria com arara vermelha e com a idosa que a cuidava

O TRF da 2ª Região condenou a União a indenizar uma idosa que, durante 40 anos, tratou com desvelo uma ave que o Ibama mandou recolher a um centro de triagem de animais silvestres. Um dia depois, a arara morreu.

Condenação de motoristas barulhentos

Apesar de que a ação tenha demorado cinco anos, uma iniciativa louvável do Ministério Público: uma demanda contra quem trafegava em vias públicas com som audível acima do permitido.