Ir para o conteúdo principal

Terça - feira, 22 Agosto de 2017

Advogada gaúcha obtem mandado de segurança contra erro grosseiro em concurso



A 4ª Câmara Cível do TJRS confirmou sentença que acolheu mandado de segurança impetrado pela advogada Mônia Masochi Frizon, que se considerou prejudicada por erros na prova do concurso promovido pela Companhia Riograndense de Saneamento do Estado (Corsan).

Ela não conseguiu anular, em âmbito administrativo, três questões que suscitavam respostas diferentes daquelas apontadas no gabarito. Por isso foi ao Judiciário, onde teve sucesso parcial.

O juiz Eduardo Kothe Werlang, da 11ª Vara Cível de Porto Alegre, reconheceu que houve erro grosseiro em uma questão sobre Direito Constitucional.

O relator da apelação da Corsan, desembargador Eduardo Uhlein, também reconheceu que, ‘‘em se tratando de prova objetiva, em que o candidato não pode justificar seu raciocínio e que, por óbvio, admite apenas uma única resposta, a existência de erro de grosseiro, capaz de trazer dúvida sobre o seu enunciado e comprometendo sua solução, deve ser resolvida em favor dos candidatos, tornando-a nula’’.

Com a confirmação da decisão de primeiro grau, a advogada conseguiu o recálculo da sua pontuação, com a consequente reclassificação na ordem final do concurso.

Em nome da autora, atuou seu colega advogado Vagner de Lima Machado. (Proc. nº 70065980591).

Eis o enunciado da questão (nº 53) impugnada:

É vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios:

a) instituir impostos sobre o patrimônio, a renda ou os serviços, uns dos outros, não sendo extensiva às autarquias e às fundações instituídas e mantidas pelo Poder Público, no que se refere ao patrimônio, à renda e aos serviços vinculados a suas finalidades essenciais ou às delas decorrentes.

b) cobrar tributos antes de decorridos noventa dias da data em que haja sido publicada a lei que os instituiu ou aumentou.

c) estabelecer limitações ao tráfego de pessoas ou bens, por meio de tributos federais, ressalvada a cobrança de pedágio pela utilização das vias conservadas pela iniciativa provada.

d) instituir taxas sobre patrimônio, renda ou serviços uns dos autos.

e) instituir impostos sobre patrimônio, renda ou serviços dos partidos políticos, inclusive suas fundações, das entidades sindicais dos trabalhadores, das instituições de educação e de assistência social sem fins lucrativos, atendidos os requisitos do decreto regulamentador”.

O gabarito oficial apontou a assertiva “e” como correta.

Sentença e acórdão reconheceram que tal opção “colide frontalmente com texto literal da Constituição Federal de 1988”, conforme art. 150, VI, ‘c”, a gerar erro grosseiro, a saber:

Art. 150. Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao contribuinte, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios:

(...) VI - instituir impostos sobre: (...) c) patrimônio, renda ou serviços dos partidos políticos, inclusive suas fundações, das entidades sindicais dos trabalhadores, das instituições de educação e de assistência social, sem fins lucrativos, atendidos os requisitos da lei.

Segundo o TJRS, “tratou-se de erro material grosseiro, capaz de afetar a veracidade da assertiva posta em questão objetiva”, levando os candidatos à perplexidade. 


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Quase tomates esfregados na cabeça de Gilmar Mendes!

 Empresário foi flagrado portando frutas vermelhas, em evento do jornal O Estado de S. Paulo.

 Obrigatoriedade da resposta da parte agravada, quando a decisão monocrática a prejudicar. Decisão é do STJ.

 A história do “caliente” adultério arranhado que esquentou o dia frio da Lava Jato, ontem em Curitiba

 STJ decide hoje caso de direito ao esquecimento sobre concurso fraudado na magistratura

Me Engana Que Eu Gosto!

O “Fundo Especial de Financiamento da Democracia”, com o qual o Congresso quer bilhões de reais para os partidos, é de inspiração nos modelos da Líbia, Irã e Afeganistão.

PMDB vai “reprogramar o presente”: voltará a chamar-se MDB!...

Minha Casa, Minha Vida”: mais de 50% de todas as unidades estão com problemas.

 Presidente do BNDES quer ver soltos os empresários envolvidos com a Lava-Jato.

Homem pede proteção contra a ex-esposa, com base na Lei Maria da Penha invertida.

Por que o governo não conversa com Luiz Fux?

• Temendo rebeliões, Temer desistiu de acabar com o auxílio-reclusão.  O corte era desejo da equipe econômica: geraria economia de R$ 600 milhões em 2018.

• Enquanto isso, desde 15 de setembro de 2014, o “auxílio-moradia” sangra as contas da União em R$ 437 milhões anuais. E os Estados gastam R$ 2 bilhões e 970 milhões para cobrir o mesmo penduricalho.

• Exame de Ordem: 136 mil inscritos, só 32 mil aprovados (23,6%).

• Lá vem o golpe! Cidadãos brasileiros, preparemo-nos, cada um de nós, para doar R$ 17 aos políticos deste país.

Viajem, Senhores!

Sempre tive uma dúvida séria sobre esse turismo governamental de enormes comitivas oficiais para o Exterior. O transporte é o mais caro; os hotéis são aqueles onde os mortais comuns como eu e tu nunca poremos o pé – a diária equivale ao custo da nossa excursão inteira”.

Publicidade das Lojas Marisa não ofendeu a memória de Marisa Letícia

 O Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar) arquiva 18 queixas de cidadãos e cidadãs brasileiras contra a rede de lojas.

• STF declara inconstitucional artigo da Constituição Estadual do RS.

 Uma ação da PREVI contra a Construtora Odebrecht: causa de R$ 242 milhões.

• Cobrança de quota condominial contra Eduardo Cunha: o “bunker” inativo do ex-deputado.

Presidente do TRF-4 elogia sentença que condenou Lula a nove anos de prisão

 Segundo o dirigente da corte, o julgado vai entrar para a História do Brasil.

 Opinião de quatro operadores jurídicos gaúchos sobre o julgado proferido por Sérgio Moro. Relembrem o

teor dos artigos 155 e 239 do Código de Processo Penal.

 Os cartazes nas ruas, com rostos de criminosos, ofereciam recompensas. Agora, pedem votos.

 Delação vai detalhar a venda de sentenças e acórdão.