Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 25 de maio de 2018.

Advogada gaúcha obtem mandado de segurança contra erro grosseiro em concurso



A 4ª Câmara Cível do TJRS confirmou sentença que acolheu mandado de segurança impetrado pela advogada Mônia Masochi Frizon, que se considerou prejudicada por erros na prova do concurso promovido pela Companhia Riograndense de Saneamento do Estado (Corsan).

Ela não conseguiu anular, em âmbito administrativo, três questões que suscitavam respostas diferentes daquelas apontadas no gabarito. Por isso foi ao Judiciário, onde teve sucesso parcial.

O juiz Eduardo Kothe Werlang, da 11ª Vara Cível de Porto Alegre, reconheceu que houve erro grosseiro em uma questão sobre Direito Constitucional.

O relator da apelação da Corsan, desembargador Eduardo Uhlein, também reconheceu que, ‘‘em se tratando de prova objetiva, em que o candidato não pode justificar seu raciocínio e que, por óbvio, admite apenas uma única resposta, a existência de erro de grosseiro, capaz de trazer dúvida sobre o seu enunciado e comprometendo sua solução, deve ser resolvida em favor dos candidatos, tornando-a nula’’.

Com a confirmação da decisão de primeiro grau, a advogada conseguiu o recálculo da sua pontuação, com a consequente reclassificação na ordem final do concurso.

Em nome da autora, atuou seu colega advogado Vagner de Lima Machado. (Proc. nº 70065980591).

Eis o enunciado da questão (nº 53) impugnada:

É vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios:

a) instituir impostos sobre o patrimônio, a renda ou os serviços, uns dos outros, não sendo extensiva às autarquias e às fundações instituídas e mantidas pelo Poder Público, no que se refere ao patrimônio, à renda e aos serviços vinculados a suas finalidades essenciais ou às delas decorrentes.

b) cobrar tributos antes de decorridos noventa dias da data em que haja sido publicada a lei que os instituiu ou aumentou.

c) estabelecer limitações ao tráfego de pessoas ou bens, por meio de tributos federais, ressalvada a cobrança de pedágio pela utilização das vias conservadas pela iniciativa provada.

d) instituir taxas sobre patrimônio, renda ou serviços uns dos autos.

e) instituir impostos sobre patrimônio, renda ou serviços dos partidos políticos, inclusive suas fundações, das entidades sindicais dos trabalhadores, das instituições de educação e de assistência social sem fins lucrativos, atendidos os requisitos do decreto regulamentador”.

O gabarito oficial apontou a assertiva “e” como correta.

Sentença e acórdão reconheceram que tal opção “colide frontalmente com texto literal da Constituição Federal de 1988”, conforme art. 150, VI, ‘c”, a gerar erro grosseiro, a saber:

Art. 150. Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao contribuinte, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios:

(...) VI - instituir impostos sobre: (...) c) patrimônio, renda ou serviços dos partidos políticos, inclusive suas fundações, das entidades sindicais dos trabalhadores, das instituições de educação e de assistência social, sem fins lucrativos, atendidos os requisitos da lei.

Segundo o TJRS, “tratou-se de erro material grosseiro, capaz de afetar a veracidade da assertiva posta em questão objetiva”, levando os candidatos à perplexidade. 


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

“É mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha do que um corrupto serial rico ser mantido preso por alguns ministros do STF”

 Flechadas verbais de Luís Roberto Barroso a colegas do Supremo, durante o Fórum Transparência e Competitividade, organizado pela Federação das Indústrias do Paraná.

• Gilmar Mendes fica ministro até 30 de dezembro de 2030 ?

 Sistema semipresidencialista a partir de 2023 no Brasil.

• STJ anuncia nova súmula sobre seguros.

Minha casa não é minha, nem é meu esse lugar!

“Triste constatação: a de que a principal destinação da Arena é ser uma casa de espetáculos, com locação a terceiros”. Renato Portalupi reclamando do estado do gramado da Arena e o quanto ele foi prejudicial: “Um dos momentos mais constrangedores do futebol”.

OAB-RS exclui mais dois advogados

 Estão defenestrados do exercício profissional 32 homens e 17 mulheres. Sociólogos talvez possam explicar porque os profissionais do gênero masculino são os mais punidos.

 Indulto para Lula, se Ciro Gomes for eleito presidente?

 Maior jornal de Londres elogia Sérgio Moro como “o homem que encerrou cinco séculos de impunidade no Brasil”.

Um palavrão necessário: epistemologia do futebol

Em suma, sem uma epistemologia, não se diferencia Leandro Behs, de Ernest Hemingway. Enquanto não tivermos uma epistemologia, nosso Pulitzer é a IVI. Pode-se dizer que Taison é melhor que Messi. Pode-se dizer chamar D´Alessandro de ´estadista´.  Pode-se comparar Danilo Fernandes a Eurico Lara”.

O vale-tudo da pré-campanha eleitoral

“Pré-candidatos viajando pelo país, com caravanas ou jatinhos fretados, como se isso fosse de graça. E... como a arrecadação e os gastos são vedados, não há prestação de contas...”

 

Falta uma resposta do Ministério Público!

“É preciso coragem! A necessidade de uma investigação no futebol do Inter. É lá que são celebrados os grandes contratos, alguns inexplicáveis. E é lá que alguns ex-dirigentes passaram a exercer atividade profissional”.