Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 15 de junho de 2018.
http://espacovital.com.br/images/jus_azul_caricatura.jpg

Os estagiários dão sentenças...



A estagiariocracia

Respeito muito os estagiários. Valorosa classe. Ainda não assumiram o poder porque não estão bem organizados.

Deveriam aderir à CUT. Em alguns anos, chegariam lá. Dia desses veremos os muros pichados com a frase: “todo o poder aos estagiários”.

Eles dão sentenças, fazem acórdãos, pareceres, prendem, soltam, elaboram contratos de licitação, revisam processos...

Respeito profundamente os estagiários. Eles estão difusos na República. Jamais saberemos quantos são. E onde estão. Algum deles pode estar com você no elevador neste momento. Ou em uma audiência. Ou no Palácio do Governo.

E pode estar controlando o seu vôo. Uau!

A Infraero tem muitos estagiários. Torço para que eles sejam tão bons quantos os que estagiam no meu gabinete. Estagiários de todo mundo: uni-vos. E estocai comida. E indignai-vos face à exploração a que estão submetidos.

Quando chegardes ao poder, por favor, poupem-me! Sou da “base aliada dos estagiários”. Mas não fico exigindo liberação de emendas parlamentares.

Eu apoio sem chantagear! E não peço para a “base aliada” colocar minha mãe no TCU. E nem mando a conta do dentista. E não moro em hotel pago por um escritório de Advocacia.

E nem recebo o presidente da Petrobrás no meu quarto. Aliás, nem o conheço.

-----------------------------
(*) Publicado também no jornal O Sul


Comentários

Jose Luiz Menna Barreto - Serv. Publico 14.12.15 | 08:56:17

Era assim desde o tempo em que eu era estagiário na Procuradoria da Receita Federal. Fazia tudo, só não assinava. Não deve ser diferente em outros órgãos. A diferença entre o estagiário e o servidor, ou membros, se dá pelo salário e a (in)competência de um ou de outro nos atos que realiza.

Luizinho Miguel Balen - Advogado 11.12.15 | 18:16:01

O meu Grande Mestre Lênio tem toda a razão, mas ainda não viu tudo. Calma professor, pelo visto, a coisa vai piorar. Quem viver, verá. Aguarde.

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Milton Neves e o almoço do século, que a IVI escondeu!....

“Crepúsculo de jogo na Imprensa Vermelha Isenta (da Avenida Ipiranga, do Morro Santa Tereza, da Rua Orfanotrófio e da Rua Caldas Júnior). As cortinas da desinformação se fecham melancolicamente. É o paredão de não-notícias”.

Um palavrão necessário: epistemologia do futebol

Em suma, sem uma epistemologia, não se diferencia Leandro Behs, de Ernest Hemingway. Enquanto não tivermos uma epistemologia, nosso Pulitzer é a IVI. Pode-se dizer que Taison é melhor que Messi. Pode-se dizer chamar D´Alessandro de ´estadista´.  Pode-se comparar Danilo Fernandes a Eurico Lara”.

A IVI esconde um elefante atrás de uma formiguinha

O empate no Gre-Nal se deu sob o apito amigo e complacente do novo Eunápio de Queiroz, aquele que era conhecido como ´Larápio de Queiroz´, nos tempos da Taça Brasil. Nem Eunápio - o verdadeiro - deixou de dar três pênaltis para um só time de futebol. Mas Luis Carlos Reche, capitão da IVI, contemporizou: “Ah, três pênaltis? Árbitro erra. É do jogo”.