Ir para o conteúdo principal

Sexta -feira, 18 Agosto de 2017

Implante dentário tem obrigação de resultado satisfatório



A Vitta Odonto Clínica Odontológica, com sede em Canoas e Nova Santa Rita (RS), e o cirurgião-dentista Clevton Zanella Taietti foram condenados a ressarcir quantia paga para colocação de uma prótese dentária que não deu certo. Houve também a condenação por danos morais.

A decisão é da 10ª Câmara Cível do TJRS, que afirmou haver “obrigação de resultado satisfatório na realização do serviço pelo profissional”.

Para entender o caso

· O procedimento cirúrgico foi efetuado para colocação de quatro implantes na clínica, que tinha sido procurada pela autora da ação “em busca de melhorias na estética bucal, na mastigação, fala e respiração”. Na ocasião, diante de uma radiografia panorâmica, o cirurgião-dentista descartou a necessidade de enxerto ósseo para colocação dos implantes.

· Segundo a autora, "o procedimento foi mal realizado, pois um dos implantes não foi colocado ou não teve aderência por falta de enxerto e os outros implantes foram mal colocados". Ela desistiu do tratamento, mesmo já tendo pago R$ 6.802.

· O dentista contestou, alegando que “a autora não compareceu por dez consultas, podendo ter ocorrido rejeição do implante por desordens patológicas, como por ocorrência de má higienização ou por processo inflamatório". O réu ainda mencionou que a autora não concordou em realizar enxerto ósseo.

Sentença

O juiz Oyama Assis Brasil de Moraes, da 6ª Vara Cível de Porto Alegre, julgou procedente o pedido, determinando a devolução do valor já pago pela autora. O magistrado decidiu que o dentista teria também que pagar R$ 10.200,00 para custear novo tratamento e R$ 7 mil como reparação por danos morais.

Autora e o dentista apelaram da sentença.

Apelação

No TJRS, a relatora do recurso foi a desembargadora Mylene Maria Michel, para quem a clínica, “embora não registrada e constituída regularmente, é uma sociedade de fato, que veicula anúncios publicitários em que promete aos consumidores um atendimento prestado por profissionais qualificados e capacitados”.

Para a relatora, "tangencia a má-fé quem, perante a sociedade e o mercado de consumo, posicione-se como uma sólida e moderna clínica odontológica, mas sequer possua CNPJ e qualquer registro no Conselho Regional ou Federal de Odontologia."

A perícia judicial esclareceu que os implantes não poderiam ser efetuados sem que precedidos de tratamento ortodôntico de alinhamento e nivelamento dos dentes. Uma testemunha dos réus, ex-funcionária da clínica, afirmou que as consultas eram desmarcadas pelo próprio cirurgião-dentista.

Citando precedentes da jurisprudência, a desembargadora salientou que a obrigação do cirurgião-dentista é de resultado, "como aliás reconhecido pela própria parte ré em sua contestação."

Assim, o julgado confirmou a responsabilidade do dentista e da clínica em restituir o valor pago pelo tratamento - R$ 6,8 mil - e aumentou o valor da indenização por dano moral de R$ 7 mil para R$ 15 mil. Porém, não viu razão para que fosse custeado um novo tratamento.

Não há trânsito em julgado. Os advogados Simone Santos de Oliveira, Angela Raquel Santos da Silveira e Marcelo de Oliveira Riella atuam em nome da autora da ação. (Proc. nº 70065117905 – com informações do TJRS e da redação do Espaço Vital). 


Comentários

Flavio Mansur - Advogado 04.03.16 | 12:18:15
O que tem registro - uma formalidade - com a clínica ser sólida e moderna? O mundo fora dos autos tem peculiaridades que às vezes não são captadas.
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte de Camila Adamoli

O rendoso negócio das próteses

 

O rendoso negócio das próteses

Ao cumprir uma liminar judicial, a Unimed Litoral espantou-se com a conta a pagar de dois objetos que vieram da Califórnia (EUA), para uma cirurgia realizada em Santa Vitória do Palmar (RS). Sentença afirma “o exercício abusivo de direito, com um lucro de aproximadamente 200%, com desequilíbrio econômico da avença”.

Gato por lebre” no apartamento novo que foi modificado

Antecipação de tutela determina que as construtoras PDG Realty Empreendimentos e ZMF-9 Incorporações corrijam apartamento do Condomínio Residencial Quinta do Sol, adequando-o ao memorial descritivo e planta publicitária.