Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 25 de maio de 2018.

Cem anos de prisão



Longmont Police Department

Imagem da Matéria

A auxiliar de enfermagem Dynel Lane, 36 de idade, está presa desde o dia do crime

A auxiliar de enfermagem Dynel Lane, 36 de idade, foi condenada na sexta passada, nos EUA, a 100 anos de prisão por atacar uma grávida e arrancar de seu ventre um bebê de sete meses. O crime ocorreu no Estado do Colorado, em março de 2015. A então grávida, Michelle Wilkins, de 26 anos, foi à casa da autora do crime, respondendo a um anúncio de doação de roupinhas de bebê.

A agora condenada Dynel atraiu Michele ao porão de sua casa, a espancou até a inconsciência e depois a esfaqueou, arrancando a criança de seu útero. O nascituro era uma menina e se chamaria Aurora.

Em seguida, Dynel se apresentou a um hospital, levando o bebê já morto e dizendo que havia sofrido um aborto espontâneo. A vítima conseguiu chamar a polícia, foi socorrida e sobreviveu ao ataque. A criminosa foi presa poucas horas depois e levada à prisão.

Diante de um tribunal, a defesa da criminosa disse apenas que ela teria ficado “muito abalada pela morte de seu filho pequeno, 14 anos atrás, num acidente”.

Dynel foi condenada por tentativa de homicídio, interrupção ilegal de gravidez e agressão com arma branca. A juíza justificou a condenação, de 100 anos, “por causa da brutalidade do crime”.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Imagem Euronews

Rede de cafeterias fechará 8 mil lojas por um dia

 

Rede de cafeterias fechará 8 mil lojas por um dia

A Starbucks não abrirá ao público no dia 29 de maio, para um treinamento que envolverá 120 mil funcionários, nos EUA. Objetivo: conscientização para evitar racismo e reações despropositadas contra clientes e pessoas inocentes. Precedente é lembrado em sentença gaúcha que condenou a rede Zaffari por dano moral contra três adolescentes negros.

O pior caso de gonorreia do mundo espanta os médicos

Um estudante universitário do Reino Unido – que estava em um relacionamento estável - contraiu a infecção em um caso extraconjugal, quando viajou à Ásia. Antibióticos empregados não conseguem deter a evolução da doença.

Que surpresa chocante, que nojo!

Caso real! O que fazer com dezenas de baratas vivas flagradas, numa mala, pelo sistema de inspeção de bagagens num aeroporto? O dilema foi levado por agentes alfandegários a um juiz plantonista.