Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira, 23 de Junho de 2017

Para cobrar o IPTU, prefeitura não necessita enviar o carnê ao proprietário do imóvel



O fato de o contribuinte não receber o carnê do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) não lhe permite inadimplir tal obrigação ou utilizar-se dessa circunstância como argumento de defesa diante de cobrança do ente público. Tal porque o munícipe está plenamente ciente dos parâmetros utilizados pelos órgãos da administração pública encarregados da arrecadação de tributos, assim como de seu dever de pagar o imposto.

Sob essas premissas, a 1ª Câmara de Direito Público do TJ de Santa Catarina, em recurso sob a relatoria do desembargador Luiz Fernando Boller, acolheu a irresignação do Município de Mafra que teve, no nascedouro, desacolhida demanda executiva “por ausência de comprovação da prévia notificação de contribuinte sobre o lançamento do IPTU relativo aos exercícios de 2007 a 2012”.

Segundo o julgado que reformou a sentença monocrática, “tratando-se de tributo lançado de ofício anualmente, com base nos dados cadastrais dos contribuintes, é desnecessário o prévio processo administrativo, não havendo que se exigir, assim, a comprovação de notificação da parte executada para o ajuizamento da execução fiscal”.

Segundo o relator Boller, é curial a “existência de ampla divulgação na mídia acerca da necessidade do respectivo pagamento, de modo que, gozando a certidão de dívida ativa da presunção de certeza e liquidez, não elidida por prova em sentido contrário, é impositiva a desconstituição da sentença que extinguiu o feito, devendo os autos retornar à origem para retomada do trâmite processual”.

A decisão foi unânime (Proc. nº. 0001960-39.2011.8.24.0041 – com informações do TJ-SC e da redação do Espaço Vital).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Imagem Fortune Dot

Empresa encontra brecha para pagar seus tributos em 576 anos

 

Empresa encontra brecha para pagar seus tributos em 576 anos

Mas decisão judicial do TRF-3 brecou a manobra. O parcelamento especial adotava, para a parcela mínima, a divisão do saldo devedor em 180 vezes ou 0,3% da receita bruta auferida no mês anterior ao do vencimento da parcela, o que fosse menor - respeitado o valor mínimo de R$ 100 (microempresa) ou de R$ 200 (empresa de pequeno porte).

Isenção de Imposto de Renda para quitar segundo bem

O ganho de capital nas operações de alienação de imóvel (art. 39 da Lei nº 11.196/05), também é válido para os casos de venda de imóvel residencial com o objetivo de quitar débito remanescente de aquisição a prazo ou à prestação de imóvel residencial já possuído pelo contribuinte.

Incidência do ICMS sobre a assinatura básica de telefonia

STF reforma julgado do TJ gaúcho, em recurso do Estado do RS, em ação contra a Oi: “o imposto incide sobre a tarifa de assinatura básica mensal cobrada pelas prestadoras de serviços de telefonia, independentemente da franquia de minutos concedida ou não ao usuário”.