Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 19 de Dezembro de 2017

Responsabilidade do Município na relação homoafetiva de professora com aluna adolescente



Segue a polêmica em torno do tema ´homossexualidade´, questionando-se se é uma doença que se dá por um desvio comportamental do indivíduo; ou por uma questão biogenética, em que o indivíduo, mulher ou homem, tornam-se homossexuais durante o desenvolvimento intrauterino, em que a quantidade de hormônio masculino (testosterona) recebido pelo feto, pode determinar se o indivíduo em uma fase mais madura de sua vida terá uma inclinação para o sexo oposto ou semelhante ao seu.

Ou ainda, que se trata somente de uma escolha de orientação sexual, em que o indivíduo escolhe se relacionar com alguém do mesmo sexo ou não, podendo também, optar se relacionar com ambos.

Para a 15ª Câmara Cível do TJ do Rio de Janeiro trata-se de “uma questão de impulso que, em certos casos, precisa ser contido”. Nessa linha, o colegiado condenou o Município do Rio de Janeiro a pagar uma reparação moral de R$ 20 mil à família de uma adolescente que teve um relacionamento amoroso com sua professora de matemática, numa escola de Realengo, na Zona Oeste da cidade.

Juros retroagirão à data do início da relação afetiva. Correção monetária a partir do julgamento.

O afeto começou em 2010. Para a câmara julgadora, a professora – então na condição de agente municipal, porque o relacionamento começou na sala de aulas – “deveria ter contido os impulsos e não poderia ter correspondido aos sentimentos da jovem aluna, que tinha então 13 anos de idade”.

A relação durou cerca de um ano.


Comentários

Lenir Rodrigues Pereira L - Advogada 20.07.16 | 15:12:06
A professora deveria ser demitida sumariamente, especialmente porque a aluna é menor. É inaceitável que um professor (a) se envolva sexualmente com aluno (a) pois tem o dever de cuidar e educar os jovens sob sua tutela. Não se concebe envolvimento do educador(a) com seu pupilo (a), vez que o homossexualismo causa sofrimento e estigma social, logo, não pode ser incentivado nas escolas - muito menos pelos mestres.
Antonio Ernando Correa Novais - Advogado E Professor De Direito Civil 20.07.16 | 07:12:08
Na verdade, não poderemos conter a homoafetividade; todavia, no exercício do magistério, deverá o professor, sempre, conter seus impulsos afetivos em relação aos seus alunos sob seu comando. Independentemente do sexo, não se pode, nem se deve se expor.
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte de Camila Adamoli sobre foto Camera Press

Sônia vira Samuel, mas...

 

Sônia vira Samuel, mas...

Mulher que a Justiça gaúcha autorizou a trocar de prenome e registrar-se como “transexual” busca o direito de alterar seu registro civil para o gênero masculino. Ela não quer se submeter à cirurgia de faloplastia e já tem no STF cinco votos a favor. Mas o acórdão do TJRS alerta: “Os princípios da publicidade e da veracidade dos registros públicos devem corresponder à realidade fenomênica do mundo, para resguardo de direitos e interesses de terceiros”.

CNJ institui regras para registro de nascimento e casamento

As novas rotinas para casos de barriga de aluguel e paternidade sócio afetiva. Para a emissão de certidões de nascimento de filhos gerados por reprodução assistida, o oficial de registro civil não poderá exigir a identificação do doador de material genético.