Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira, 20 de novembro de 2018.

Dívidas com o condomínio passam para novo dono



A dívida condominial adere ao imóvel, passando a ser de responsabilidade daquele que venha a adquirir o bem. Com esse entendimento, o TRF da 4ª deu provimento a um recurso do Condomínio Victória Régia, de Esteio (RS) e determinou a manutenção da penhora de um imóvel.

O apartamento em questão foi retomado pela Caixa Econômica Federal, após o mutuário deixar de pagar as prestações do financiamento. A CEF, entretanto, não pagou os condomínios atrasados, o que levou a administração condominial a ajuizar ação requerendo a quitação.

A instituição financeira pediu o levantamento da penhora, alegando que “seria uma constrição de patrimônio de terceiro, devendo a cobrança ser direcionada ao ex-mutuário”.

Em primeira instância, a Justiça desconstituiu a penhora. A administração do condomínio recorreu.

O tribunal reformou a sentença, apontando que “é sabido que a taxa condominial se trata de obrigação ´propter rem´, ou seja, que adere ao imóvel, transmitindo-se ao adquirente do mesmo”.

Assim, a responsabilidade do novo proprietário inclui a de adimplemento daquelas taxas anteriores à aquisição. (Proc. n º 0007914-83.2016.4.04.9999).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Interpretação extensiva da penhorabilidade do bem de família

TJRS reforma sentença que reconhecera a impenhorabilidade. Acórdão estabelece que “consistindo o título extrajudicial em contrato para a edificação de casa de alvenaria onde vieram a residir os executados - que inadimpliram o preço do serviço prestado – é possível a constrição judicial do bem”.

Desistência motivada da compra de imóvel

STJ decide não ser devida a comissão de corretagem quando o negócio não é concluído por desistência de uma das partes, em decorrência da falta de apresentação das certidões da moradia . Caso é oriundo de Porto Alegre.

Cuidado no prazo!

A prescrição para que um mutuário do Sistema Financeiro da Habitação requeira a cobertura da seguradora em contrato de financiamento é de um ano, segundo decisão do STJ.