Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira, 24 de Março de 2017

Enriquecimento sem causa da Caixa Econômica Federal



A Caixa Econômica Federal terá que repassar aos ex-mutuários de um imóvel retomado por falta de pagamento a diferença entre o que deviam e o valor de avaliação. Pela decisão, o agente financeiro não pode apropriar-se da quantia excedente ao valor devido, sob pena de enriquecimento ilícito.

A CEF adjudicou extrajudicialmente o imóvel por R$ 39 mil – supostamente o valor do débito (R$ 19 mil), mais os alegados custos com o processo de leilão. Os mutuários ingressaram com ação na 2ª Vara Federal de Novo Hamburgo (RS) requerendo a avaliação judicial. Para tanto, sustentaram que a CEF estaria enriquecendo de forma ilícita.

Na contestação, a Caixa alegou que todos os procedimentos legais foram observados, já que o valor da adjudicação não precisaria alcançar o valor de mercado do bem, mas apenas o montante passível de “satisfação do débito”.

A sentença de primeiro grau negou o pedido, levando o casal de mutuários a recorrer. A 3ª Turma do TRF-4 reformou a sentença. Em seu voto, o relator do acórdão, desembargador federal Ricardo Teixeira do Valle Pereira, após invocar precedentes do STJ balizou que “se o montante considerado para fins de adjudicação, exceder o valor do imóvel o mutuário terá direito à diferença, sob pena de enriquecimento sem causa do agente financeiro”.

Como o entendimento em sede de apelação não foi unânime, a CEF interpôs embargos infringentes. O apelo foi julgado pela 2ª Seção, formada pela 3ª e 4ª Turmas do tribunal, que manteve a decisão. O relator foi o desembargador Cândido Alfredo Silva Leal Júnior.

O advogado Juliano Britto atuou na defesa do casal de mutuários. (Proc. nº 5010880-76.2013.4.04.7108 - Com informações da Assessoria de Imprensa do TRF-4 e da redação do Espaço Vital). 


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Cuidado no prazo!

A prescrição para que um mutuário do Sistema Financeiro da Habitação requeira a cobertura da seguradora em contrato de financiamento é de um ano, segundo decisão do STJ.

Para punir condômino devedor, só medidas pecuniárias

Jurisprudência do STJ reitera que não é possível proibir acesso à piscina ou às áreas sociais, nem restringir uso dos elevadores. “O direito ao uso das partes comuns não decorre da adimplência das cotas condominiais, mas do fato de que, por lei, a unidade imobiliária abrange a correspondente fração ideal de todas as partes comuns”.

Cinco verdades sobre a capitalização de juros nos contratos de empréstimo no SFH

Há muitos anos, o Judiciário recebe demandas buscando a revisão de reajustes de prestações em financiamentos habitacionais. Especialmente é questionada a Tabela Price. O economista Evori Veiga de Assis – perito oficial em milhares de ações - resume cinco aspectos que estão, em seguida, amplamente expostos em didático artigo.