Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 20 de julho de 2018.

Policial faz ´boca a boca' em boneca ao confundi-la com bebê



Reprodução: TV Wmur -

Imagem da Matéria

Um policial da cidade de Keene, no Estado de New Hampshire (EUA), arrombou um veículo para salvar um bebê supostamente esquecido no interior do veículo, mas descobriu que a criança era, na verdade, uma boneca hiper-realista.

O incidente ocorreu no dia 23 de julho, mas as imagens vazaram somente na última quarta-feira (17).

O agente Jason Short disse que pensou que era um bebê que estava no carro, fechado no estacionamento de uma das lojas da rede de supermercados Walmart. A ocorrência foi gerada por telefonemas de clientes dos supermercados.

Jason chegou e, com um cassetete, logo quebrou o vidro para o resgate. Então chegou até a fazer respiração boca a boca ao ver que a “criança” parecia morta.

Foi quando uma enfermeira – que se aproximou para ajudar - alertou o policial que se tratava de uma boneca.

O fato gerou repercussão na cidade e ocupou vários espaços na mídia. Alguns policiais gozaram o colega, mas a chefia elogiou o desprendimento, considerando que o objetivo primeiro do agente “foi o de tentar salvar uma criança presumivelmente esquecida”.

Veja as imagens em programa de tevê da emissora Wmur, Canal 9


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Imagem Euronews

Rede de cafeterias fechará 8 mil lojas por um dia

 

Rede de cafeterias fechará 8 mil lojas por um dia

A Starbucks não abrirá ao público no dia 29 de maio, para um treinamento que envolverá 120 mil funcionários, nos EUA. Objetivo: conscientização para evitar racismo e reações despropositadas contra clientes e pessoas inocentes. Precedente é lembrado em sentença gaúcha que condenou a rede Zaffari por dano moral contra três adolescentes negros.

O pior caso de gonorreia do mundo espanta os médicos

Um estudante universitário do Reino Unido – que estava em um relacionamento estável - contraiu a infecção em um caso extraconjugal, quando viajou à Ásia. Antibióticos empregados não conseguem deter a evolução da doença.