Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira, 26 de Maio de 2017

Seguradora terá que quitar financiamento de imóvel após suicídio da proprietária



A Caixa Seguradora terá que quitar o financiamento de um imóvel adquirido por uma mulher que cometeu suicídio. A decisão é do TRF da 4ª Região. O apartamento, localizado em Porto Alegre, será destinado à sua irmã.

O imóvel com seguro foi adquirido por meio de financiamento habitacional junto à Caixa Federal. Em janeiro de 2013, a proprietária – solteira, sem filhos e com pais já falecidos – tirou a própria vida.

A irmã da falecida ajuizou ação solicitando a quitação do financiamento. A CEF (agente financeira) e a Caixa Seguradora apontaram não haver direito em decorrência de a causa da morte ser suicídio e ter ocorrido antes dos dois primeiros anos de vigência do contrato.

A ação foi julgada procedente pela Justiça Federal de Porto Alegre, levando a Caixa a recorrer. No entanto, a decisão foi mantida por unanimidade pela 3ª Turma do TRF-4.

De acordo com a relatora, desembargadora federal Marga Inge Barth Tessler, “o seguro não será concedido antes do prazo de dois anos caso fique comprovado que o suicídio foi premeditado, o que não ocorreu no caso”. (Proc. nº 5017390-61.2015.404.7100 – com informações do TRF-4 e da redação do Espaço Vital).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Cuidado no prazo!

A prescrição para que um mutuário do Sistema Financeiro da Habitação requeira a cobertura da seguradora em contrato de financiamento é de um ano, segundo decisão do STJ.

Para punir condômino devedor, só medidas pecuniárias

Jurisprudência do STJ reitera que não é possível proibir acesso à piscina ou às áreas sociais, nem restringir uso dos elevadores. “O direito ao uso das partes comuns não decorre da adimplência das cotas condominiais, mas do fato de que, por lei, a unidade imobiliária abrange a correspondente fração ideal de todas as partes comuns”.

Cinco verdades sobre a capitalização de juros nos contratos de empréstimo no SFH

Há muitos anos, o Judiciário recebe demandas buscando a revisão de reajustes de prestações em financiamentos habitacionais. Especialmente é questionada a Tabela Price. O economista Evori Veiga de Assis – perito oficial em milhares de ações - resume cinco aspectos que estão, em seguida, amplamente expostos em didático artigo.