Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 17 Outubro de 2017

Impostômetro de Porto Alegre mostra a voracidade tributária no Brasil



Fredy Vieira – Jornal do Comércio

Imagem da Matéria

Quem passar pelo Viaduto da Conceição, em Porto Alegre, terá acesso à informação sobre o total de impostos pagos ao longo do ano pelos contribuintes brasileiros nas três esferas de governo no País. Somando tributos municipais, estaduais e federais foram arrecadados, em 2016, mais de R$ 1,656 trilhão até as 21h desta quinta-feira (03) alerta o painel do Impostômetro implementado no alto do prédio do Sistema Fecomércio-RS, no Centro da Capital.

Segundo o presidente da entidade, Luiz Carlos Bohn, a iniciativa busca conscientizar as pessoas sobre a alta carga tributária paga aos cofres públicos, cada vez que se compra um produto ou serviço. "Esse montante deveria ser revertido à sociedade, com investimento em saúde pública, educação e segurança, por exemplo", destaca o dirigente, que considera que - na contramão - o valor "astronômico" tem sido mal aplicado pelo poder público.

As informações são do Jornal do Comércio, de Porto Alegre, em sua edição desta sexta-feira (04). A matéria é assinada pela jornalista Adriana Lampert.

A ideia - segundo Bohn - é incentivar que a população permaneça alerta para os investimentos com o dinheiro originário de impostos, "funcionando como verdadeira fiscal dos gestores públicos".

A presidente da Federasul, Simone Leite, lembra que “toda a arrecadação é fruto do trabalho das pessoas, incluindo os empresários – no entanto, os serviços prestados pelos governos são muito ruins". A entidade apoia a iniciativa da Fecomércio-RS, que integra a campanha ´Basta de Tanto Imposto´, deflagrada por entidades empresariais no ano passado.

O Impostômetro considera todos os valores arrecadados pelas três esferas de governo a título de tributos: impostos, taxas e contribuições, incluindo as multas, juros e correção monetária. Para o levantamento das arrecadações federais, a base de dados utilizada é da Receita Federal do Brasil, da Secretaria do Tesouro Nacional, da Caixa Econômica Federal, do Tribunal de Contas da União e do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

As receitas dos Estados e do Distrito Federal são apuradas com base nos dados do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), das Secretarias Estaduais de Fazenda, Tribunais de Contas dos Estados e Secretaria do Tesouro Nacional do Ministério da Fazenda.

As arrecadações municipais são obtidas através dos dados da Secretaria do Tesouro Nacional, dos Municípios que divulgam seus números em atenção à Lei de Responsabilidade Fiscal e dos Tribunais de Contas dos Estados.

Além dos contadores que se alteram a cada segundo, o Impostômetro mostra a efetiva participação dos entes federativos na arrecadação total de tributos, bem como a metodologia utilizada na coleta das informações. Antes mesmo da instalação do painel eletrônico, a Fecomércio-RS já publicava os dados no site oficial da entidade. A redução de impostos é uma das principais bandeiras dos empresários gaúchos, que defendem a racionalização dos tributos através de uma reforma do sistema tributário brasileiro. 


Comentários

Osvaldo Agostinho Dalla Nora - Advogado 07.11.16 | 09:38:16
O que me preocupa é a sonegação, causa principal dos altos impostos. Ao adquirir um bem ou serviço,o cidadão paga o imposto que está embutido e depois sonegado pelo empresário, o mesmo que demagogicamente divulga isso aí. Para isso deveríamos copiar países como EUA onde o empresário vai em cana MESMO. A sonegação diária no Brasil soma mais de R$ 1,5 BI, que se fosse arrecadado poderia reverter em benesses para o povo e diminuição da carga tributária. Vejam em www.quantocustaobrasil.com.br/
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Imagem Fortune Dot

Empresa encontra brecha para pagar seus tributos em 576 anos

 

Empresa encontra brecha para pagar seus tributos em 576 anos

Mas decisão judicial do TRF-3 brecou a manobra. O parcelamento especial adotava, para a parcela mínima, a divisão do saldo devedor em 180 vezes ou 0,3% da receita bruta auferida no mês anterior ao do vencimento da parcela, o que fosse menor - respeitado o valor mínimo de R$ 100 (microempresa) ou de R$ 200 (empresa de pequeno porte).

Isenção de Imposto de Renda para quitar segundo bem

O ganho de capital nas operações de alienação de imóvel (art. 39 da Lei nº 11.196/05), também é válido para os casos de venda de imóvel residencial com o objetivo de quitar débito remanescente de aquisição a prazo ou à prestação de imóvel residencial já possuído pelo contribuinte.