Ir para o conteúdo principal

Terça-feira, 23 de Maio de 2017

Os credores do Sul fazendo a diferença na recuperação judicial da Oi



Porto Alegre, 17 de novembro de 2016.

Ao
Espaço Vital 

Ref.: Em busca de um canal aberto de diálogo com a Oi

Torno público – graças à guarida que o Espaço Vital me dá – aos profissionais da advocacia que aqui me leem, que estou coordenando um grupo de escritórios que representam alguns milhares de credores da Oi. Sustento que o bloco de credores do Sul pode fazer a diferença na recuperação judicial da empresa de telefonia.

Enquanto credores bilionários, como bancos, fundos estrangeiros e Anatel se articulam para receber seus quinhões, um grupo de credores do RS e SC, que já soma mais de 30 mil pessoas, aposta que fará a diferença na hora da aprovação, ou não, do plano de recuperação judicial.

Denominados como "Parceiros RJ Oi", um grupo de 30 escritórios de advocacia do RS e SC já representa mais de 30 mil credores, todos detentores de créditos relativos a indenizações judiciais referentes aos chamados planos de expansão da antiga CRT (no RS) e Telesc (em SC). O grupo constituiu um comitê estratégico, que já se reuniu com o administrador judicial e com o juiz da 7ª. Vara Empresarial do Rio de Janeiro, para ajustar detalhes à fase de habilitações e divergências.

Embora o volume dos créditos dos nossos clientes seja pequeno, se comparado com os 65 bilhões que constituem a dívida da Oi, destaco que o grupo que represento é o mais numeroso nas classes III, quirografários, e IV, microempresas e empresas de pequeno porte (EPPs).

Assim, na assembleia que votará o plano, no voto por cabeça, poderemos fazer a diferença.

O advogado Guilherme Caprara, do escritório Caprara & Roesch Advogados, especialista em recuperações judiciais contratado pelo nosso grupo, propôs ao administrador judicial e ao juiz Fernando Viana que, assim como está se planejando em relação à Anatel, se crie uma mediação entre os milhares de credores que ele representa e a Oi, para que se possa chegar a um consenso em relação aos valores de seus créditos.

A ideia é se evitar que milhares de impugnações judiciais sejam ajuizadas na 7ª. Vara Empresarial do RJ. A proposta de Caprara foi muito bem acolhida pelo magistrado carioca e pela PWC e Wald, administradores judiciais.

O grupo reclama, em face da sua grande representatividade, um canal aberto de diálogo com a Oi, que até aqui parece ignorar sua existência e subestimar sua capacidade de decisão na assembleia de credores.

Atenciosamente,

Júlio Sá, advogado

julio2.sa@gmail.com

http://www.madureiraadvogados.com.br


Comentários

Danilo E. Moebus - Consultor 18.11.16 | 12:39:49
Parabéns pelo belo trabalho e pela iniciativa pioneira na defesa dos interesses dos litigantes contra a OI/Brasil Telecom.
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Quando nem a Corregedoria do TRT-4 resolve...

Advogado relata flashes sobre uma renitente tartaruga processual, na Justiça do Trabalho de Novo Hamburgo. A esperança do profissional, agora, é a solução de uma representação por excesso de prazo, protocolada no Conselho Nacional de Justiça.

A solidariedade e a fraternidade humana na justiça

Mais uma tartaruga forense gaúcha: ação começou em 1994 e completará 23 anos em junho. A propósito dela, advogado alerta: “O princípio constitucional de construir uma sociedade livre, justa e solidária talvez seja melhor entendido, se aplicável, somente pela Justiça divina e não terrestre”.

Nem tudo são espinhos advocatícios!

Advogado festeja sucesso de sua apelação. Verba honorária sucumbencial foi majorada de R$ 1,6 mil para R$ 84 mil. Ação já dura quase 20 anos.