Ir para o conteúdo principal

Sexta-Feira, 20 Outubro de 2017

Os credores do Sul fazendo a diferença na recuperação judicial da Oi



Porto Alegre, 17 de novembro de 2016.

Ao
Espaço Vital 

Ref.: Em busca de um canal aberto de diálogo com a Oi

Torno público – graças à guarida que o Espaço Vital me dá – aos profissionais da advocacia que aqui me leem, que estou coordenando um grupo de escritórios que representam alguns milhares de credores da Oi. Sustento que o bloco de credores do Sul pode fazer a diferença na recuperação judicial da empresa de telefonia.

Enquanto credores bilionários, como bancos, fundos estrangeiros e Anatel se articulam para receber seus quinhões, um grupo de credores do RS e SC, que já soma mais de 30 mil pessoas, aposta que fará a diferença na hora da aprovação, ou não, do plano de recuperação judicial.

Denominados como "Parceiros RJ Oi", um grupo de 30 escritórios de advocacia do RS e SC já representa mais de 30 mil credores, todos detentores de créditos relativos a indenizações judiciais referentes aos chamados planos de expansão da antiga CRT (no RS) e Telesc (em SC). O grupo constituiu um comitê estratégico, que já se reuniu com o administrador judicial e com o juiz da 7ª. Vara Empresarial do Rio de Janeiro, para ajustar detalhes à fase de habilitações e divergências.

Embora o volume dos créditos dos nossos clientes seja pequeno, se comparado com os 65 bilhões que constituem a dívida da Oi, destaco que o grupo que represento é o mais numeroso nas classes III, quirografários, e IV, microempresas e empresas de pequeno porte (EPPs).

Assim, na assembleia que votará o plano, no voto por cabeça, poderemos fazer a diferença.

O advogado Guilherme Caprara, do escritório Caprara & Roesch Advogados, especialista em recuperações judiciais contratado pelo nosso grupo, propôs ao administrador judicial e ao juiz Fernando Viana que, assim como está se planejando em relação à Anatel, se crie uma mediação entre os milhares de credores que ele representa e a Oi, para que se possa chegar a um consenso em relação aos valores de seus créditos.

A ideia é se evitar que milhares de impugnações judiciais sejam ajuizadas na 7ª. Vara Empresarial do RJ. A proposta de Caprara foi muito bem acolhida pelo magistrado carioca e pela PWC e Wald, administradores judiciais.

O grupo reclama, em face da sua grande representatividade, um canal aberto de diálogo com a Oi, que até aqui parece ignorar sua existência e subestimar sua capacidade de decisão na assembleia de credores.

Atenciosamente,

Júlio Sá, advogado

julio2.sa@gmail.com

http://www.madureiraadvogados.com.br


Comentários

Danilo E. Moebus - Consultor 18.11.16 | 12:39:49
Parabéns pelo belo trabalho e pela iniciativa pioneira na defesa dos interesses dos litigantes contra a OI/Brasil Telecom.
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Repúdio a atitudes que objetivem constranger magistrados

A Ajuris manifesta-se sobre o desagravo que a OAB-RS concedeu à advogada Daniela Magrini de Azambuja.  O presidente, juiz Gilberto Schäfer, diz que “os atos de desagravo são legítimos, porém lamentamos que tal instrumento seja utilizado de forma indiscriminada”.

“Com maior responsabilidade, todos avançaremos”

O presidente da Ajuris, juiz Gilberto Schäfer, rebate o artigo ´De cabeça de juiz, ninguém sabe o que vem´. E diz que “o volume de serviços recomenda - da mesma forma que fazem inúmeros escritórios de advocacia - que o Poder Judiciário, inclusive na assessoria, tenha auxílio de funcionários com formação jurídica e estagiários para atender a população”.