Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 25 de maio de 2018.

Supremo define pagamento a anistiados



O Supremo Tribunal Federal aprovou a tese de repercussão geral de que “é constitucional a determinação do pagamento imediato de reparação econômica aos anistiados políticos, nos termos do que prevê o parágrafo 4º do artigo 12 da Lei da Anistia (Lei nº 10.559/2002)”.

O dispositivo regulamentou o artigo 8º do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias.

A tese fixada foi dividida em três itens:

“1. Reconhecido o direito à anistia política, a falta de cumprimento de requisição ou determinação de providências por parte da União, por intermédio do órgão competente, no prazo previsto nos artigos 12, parágrafo 4º, e 18, caput, parágrafo único, da Lei 10.559 de 2002, caracteriza ilegalidade e violação de direito líquido e certo.

2. Havendo rubricas no orçamento destinadas ao pagamento das indenizações devidas aos anistiados políticos, e não demonstrada a ausência de disponibilidade de caixa, a União há de promover o pagamento do valor ao anistiado no prazo de 60 dias.

3. Na ausência ou na insuficiência de disponibilidade orçamentária no exercício em curso, cumpre à União promover sua previsão no projeto de lei orçamentária imediatamente seguinte.”

A tese fixada servirá de parâmetro para 946 processos sobre o tema, que estão sobrestados nos demais tribunais. (RE nº 553.710).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

STF cassa censura a publicações jornalísticas

Duas decisões do ministro Luís Roberto Barroso, em reclamações, liberam publicações jornalísticas envolvendo dois governadores. Flexibilidade do conceito de segredo de justiça, quando houver interesse público, inclusive como fator inibidor de transgressões futuras.

Com maioria para o fim do foro privilegiado, STF retoma hoje o julgamento

Cronologia da demora: o julgamento começou em maio de 2017, com o voto do ministro Luís Roberto Barroso, que manteve no Supremo somente processos por crimes ocorridos durante o mandato e relacionados ao cargo. Prosseguiu em novembro, com o voto de Alexandre de Moraes, que deixa no STF apenas os casos ocorridos durante o mandato, ainda que não relacionados ao cargo. Quando estava 8 x 0, então Toffoli pediu vista...