Ir para o conteúdo principal

Sexta-Feira, 15 de Dezembro de 2017
http://espacovital.com.br/images/direitoavesso_10.jpg

Trump



Foto Wonkette

Imagem da Matéria

Qualquer que seja a intensidade e o número de nossos problemas, não podemos ser desatentos ao que se passa na Matriz. A eleição norteamericana, queiramos ou não, afeta o Mundo e nos diz respeito. Eu teria duas ou três coisas a dizer sobre isso.

Primeira. O malfalado sistema eleitoral americano não é tão complicado quanto se propala. À parte alguns detalhes para os quais não temos espaço (e que não costumam influir nos resultados), o sistema é simples. Como a federação deles é de verdade, quem escolhe o Presidente não são os eleitores que vão às urnas, mas os Estados, cada qual com um peso específico proporcional à sua representação parlamentar. Nas urnas, os delegados-eleitores é que são escolhidos, ou, mais exatamente, o partido deles.

Um dos pontos que temos dificuldade em assimilar é que o vencedor leva tudo: cada Estado votará coeso e uno, por todos os seus delegados. Mas é perfeitamente lógico: não fosse assim, a eleição no colégio de delegados teria resultado idêntico ao da votação popular, e a intermediação seria inútil, até absurda. É da essência do sistema, pois, que o resultado final possa ser diverso daquele da votação popular – o que é raro, mas pode acontecer, e aconteceu neste ano. Se há espaço para corrupção e manipulações? É claro que sim, como em nosso sistema universal e direto, e em qualquer outro.

Segunda. Donald Trump não é um ET, nem uma excentricidade tão notável no panorama social yankee. Ao contrário, ele é a própria encarnação do sonho americano: um vencedor, um homem que construiu sua fortuna e seu prestígio a golpes de audácia. Pisou pescoços, destruiu mais (dos outros) do que construiu (para si). Saiu cada vez mais rico de suas muitas falências, enganou, mentiu, trapaceou – mas chegou onde queria.

Sua fanfarrice e descaramento para falar de tudo, inclusive dessa sua descomunal amoralidade, apenas lhe acrescentam o glamour folclórico de que vem ornado aos olhos do americano comum. Sendo rico e poderoso, é um homem de sucesso, e essa é a água lustral que lava todos os seus pecados.

O silêncio de seus eleitores (disfarçados de indecisos ou de indiferentes), que enganou os institutos de pesquisa, contrasta com o a exuberância dos seus contrários, os artistas, os intelectuais, os defensores do politicamente correto. De certo modo, aqueles tiveram um pudor e um remorso que o próprio candidato não tinha de seu passado. Mas o admiravam, no fundo, também pela sua desfaçatez, pela sua insensibilidade e pela sua capacidade de desprezar ostensivamente a opinião dominante.

Terceira. Não há nenhuma garantia de que seria melhor para o Mundo ou para os próprios americanos a vitória de Clinton. O próprio eleitor mostrou-se extremamente arredio e descrente: os índices de abstenção foram enormes e a soma dos votos dados a candidatos independentes chegou ao dobro da média histórica. Isso é extremamente significativo, em sistema onde o voto não é obrigatório. Ficou muito claro para quem quiser entender que a escolha foi pelo critério do menos ruim. A que nós, brasileiros – ai de nós! – estamos tão afeitos.


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

A mala

“Um belo dia, encheram-na de dinheiro em notas graúdas; muito dinheiro vivo. Um peso enorme, o maior que ela já transportara. Com esse conteúdo, foi arrastada penosamente por pisos duros e irregulares, aos solavancos”.

Escola Superior da Magistratura Gaúcha: um relato para a (Pré) História

“Em 1958, o desembargador Mário Boa Nova da Rosa já integrava o TJRS e gozava de grande prestígio no meio jurídico. Na jurisdição criminal, mais de uma vez afirmou que o Supremo, já então exibindo sua histórica tendência ao ativismo liberatório, ´arrombava com gazua as portas dos cárceres´”.        

O Canal da Nicarágua

“Para os jovens iniciantes, pode haver oportunidades fantásticas. A vida e as profissões jurídicas estão cada vez mais duras; ver adiante pode ser um diferencial decisivo. Aquelas ficções que nos ensinaram na Faculdade (Direito Internacional, o Público e o Privado) serão intensamente aplicadas, discutidas e contestadas”.

A penúltima palavra

O assombroso está em que alguns ministros do STF revelaram uma paixão incompatível com a serenidade esperada e o voto de desempate mais pareceu um voto de empate. Ao contrário do que pensamos todos, a palavra da mais alta Corte de Justiça do País pode ser apenas a penúltima”.

Língua difícil

Pode-se relevar ao homem da rua, ao cidadão mediano, o manejo errôneo da língua. Mas não a quem se serve da escrita  como instrumento de trabalho. E isso se aplica também aos profissionais do foro”.

Carta a um (possível) futuro advogado

“Acho que, sendo uma das mais antigas profissões recomendáveis, a advocacia liberal tende à extinção. Vai-se gradualmente convertendo em uma espécie de SUS judiciário, onde a atividade é restrita e impera uma lei do mais fraco”.