Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira, 20 de novembro de 2018.

Cuidado no prazo!



O prazo de prescrição para que um mutuário do Sistema Financeiro da Habitação (SFH) requeira a cobertura da seguradora em contrato de financiamento é de um ano, segundo decisão do STJ. O entendimento foi tomado em caso que envolve a dona de uma casa num conjunto habitacional de Bauru (SP), aposentada por invalidez desde dezembro de 2007.

Mesmo após a invalidez, ela continuou a pagar as prestações do financiamento até outubro de 2011. Por problemas de saúde na família, não teve mais condições financeiras e ajuizou uma ação requerendo a quitação do imóvel.

Alegou estar desobrigada de pagar as prestações à Companhia de Habitação Popular (Cohab) e que a quitação deveria retroagir à data da aposentadoria. O juízo de primeiro grau deferiu o pedido de quitação e condenou a seguradora a indenizar a Cohab.

Em grau de apelação, o TJ de São Paulo rejeitou os recursos da Cohab e da seguradora, aceitando apenas as alegações da viúva para que fosse restituído o valor pago após a concessão da aposentadoria.

No recurso ao STJ, a seguradora alegou que o prazo de prescrição para que a viúva pedisse a quitação do financiamento era de um ano, conforme previsto no artigo 178 do Código Civil de 1916, mantido pelo atual Código Civil em seu artigo 206, parágrafo 1º, II, por se tratar de relação entre segurado e segurador.

O ministro relator, Luis Felipe Salomão, citou entendimento do STJ de que se aplica o prazo de prescrição anual para se requerer a cobertura de sinistro relacionado a contrato celebrado no âmbito do SFH. Dessa forma, “como a aposentadoria por invalidez ocorreu em 2007, e a ação foi ajuizada em 2011, a pretensão securitária está fulminada pela prescrição” – refere o acórdão. (AREsp nº 634538).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Interpretação extensiva da penhorabilidade do bem de família

TJRS reforma sentença que reconhecera a impenhorabilidade. Acórdão estabelece que “consistindo o título extrajudicial em contrato para a edificação de casa de alvenaria onde vieram a residir os executados - que inadimpliram o preço do serviço prestado – é possível a constrição judicial do bem”.

Desistência motivada da compra de imóvel

STJ decide não ser devida a comissão de corretagem quando o negócio não é concluído por desistência de uma das partes, em decorrência da falta de apresentação das certidões da moradia . Caso é oriundo de Porto Alegre.

Para punir condômino devedor, só medidas pecuniárias

Jurisprudência do STJ reitera que não é possível proibir acesso à piscina ou às áreas sociais, nem restringir uso dos elevadores. “O direito ao uso das partes comuns não decorre da adimplência das cotas condominiais, mas do fato de que, por lei, a unidade imobiliária abrange a correspondente fração ideal de todas as partes comuns”.