Ir para o conteúdo principal

Terça-feira, 23 de Maio de 2017

A Vivo muito “viva”...



A 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça manteve condenação da Telefônica Brasil, incorporadora da Vivo Participações, obrigando-a a veicular campanha publicitária com informações sobre as restrições da promoção “Vivo Pré Fala Mais” grafadas de maneira proporcional às vantagens, sob pena de multa. A propaganda foi considerada enganosa.

A campanha que resultou na ação judicial prometia ao usuário “falar por até 45 minutos e pagar apenas três minutos”. Mas a publicidade informava só em letras miúdas que essa forma de uso seria apenas “para ligações locais para telefone fixo da própria Vivo entre as 20h e as 8h do dia seguinte, de segunda a sábado, e em qualquer horário aos domingos e feriados”.

O ministro relator Paulo de Tarso Sanseverino - que é gaúcho - afirmou que as informações acerca de produtos ou serviços oferecidos aos consumidores “deverão ser claras e precisas a respeito da natureza, das características, da qualidade, da quantidade e do preço, constituindo garantias legais do consumidor, em face da sua vulnerabilidade no mercado de consumo”. (REsp nº 1.599.423).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Moeda antiga no interior de mariola saboreada por advogado porto-alegrense

Condenação da fabricante DaColônia Alimentos Naturais e da Cia. Zaffari Comércio e Indústria.  Configuração do dano moral sem que se exija a ingestão completa do alimento com o corpo estranho. “A potencial exposição do consumidor a risco já basta para a configuração da lesão extrapatrimonial” – diz o julgado.

TJRS põe fim a tarifas abusivas cobradas pela Sky

Procedência de ação civil pública ajuizada por entidade de defesa dos consumidores obtém o fim da cobrança de penduricalhos de “licenciamento de software e segurança, locação de equipamento de sistema opcional e sistema de gravação”. Segundo a Adecon trata-se de uma burla para substituir a “taxa por ponto extra”, que foi proibida pela Anatel.

Proibida a cobrança de bagagens em voos

Liminar da Justiça Federal de São Paulo, em ação civil pública do Ministério Público Federal com efeitos nacionais, derruba norma da ANAC que entraria em vigor nesta terça-feira (14). Agência reguladora foi criada em 2005, no primeiro governo Lula, prometendo “descentralização administrativa e menor influência política direta”.