Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 17 Outubro de 2017

Tartaruga forense em ação



Exercendo seu direito-dever de cidadão e chamando a atenção do TJRS e da OAB, o bancário aposentado Carlos Henrique Azambuja de Aguiar escreve ao Espaço Vital. Ele pede guarida para assinalar a existência de uma tartaruga forense que, nesta sexta-feira (16), completa seis anos e seis meses de idade jurídica.

O texto é esclarecedor:

Uma ação civil pública movida pelo Ministério Público contra o atual deputado Marlon Santos (PDT) - iniciada em 16.06.2010, por improbidade administrativa quando prefeito - se arrasta no Judiciário de Cachoeira do Sul e teve seu último movimento em 2.09.2016 a título de ´carga do advogado do réu´. O processo ficou fora de cartório por mais de três meses, sem nenhuma providência de parte do Judiciário. Agora está placidamente disposto num escaninho cartorário”.

Entre simplório e indagativo, o leitor também questiona “se essa situação é normal ou deve-se ao poder político e mediúnico do deputado”. (Proc. nº 1.10.0002724-7).

Outros detalhes

O caso aí de cima tramita na 2ª Vara Cível de Cachoeira do Sul e a juíza da causa é Vanessa Lilian da Luz.

Só para dar um (mau) exemplo da vagareza: em 2015, entre a ordem ao cartório para que fosse expedida uma nota de expediente (05.02.2015) e a efetiva publicação (16.06.2015) passaram-se quatro meses e 11 dias.

A tartaruga está gostando da conjunção processual. Ainda mais que o recesso forense está chegando.


Comentários

Virgínia Ribas - Médica 20.12.16 | 15:24:59
Exemplo de ineficiência e falta de respeito à cidadania
Larissa Fleck Sebalhos Silva - Advogada 16.12.16 | 10:06:17
Até para a defesa essa inércia é prejudicial. Enfim, motivos devem haver. Minha tartaruguinha corre mais que o presente feito, enfim...
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Como deve ser a promoção dos juízes?

Em caso oriundo do RS, o Supremo reconhece a repercussão geral relativa aos critérios para seguimento na carreira. Juízes gaúchos Cíntia Teresinha Burhalde Mua, Sandro Antonio da Silva, Ana Lúcia Haertel Miglioranza e Cristiane Hoppe sustentam posições divergentes.

Arte de Camila Adamoli sobre foto Up Imagens

A absurda aposentadoria como punição máxima para juiz corrupto

 

A absurda aposentadoria como punição máxima para juiz corrupto

Conselheiro do CNJ Henrique Ávila diz que “tribunais são ilhas de poder”. Propõe que a OAB seja chamada “para levar a visão do jurisdicionado e da sociedade como um todo”. Sustenta que “a Loman precisa ser revista com brevidade”. E conclama “a redistribuição de servidores da segunda instância e as respectivas dotações orçamentárias para priorizar a força de trabalho da primeira instância”.