Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 25 de maio de 2018.

Tartaruga forense em ação



Exercendo seu direito-dever de cidadão e chamando a atenção do TJRS e da OAB, o bancário aposentado Carlos Henrique Azambuja de Aguiar escreve ao Espaço Vital. Ele pede guarida para assinalar a existência de uma tartaruga forense que, nesta sexta-feira (16), completa seis anos e seis meses de idade jurídica.

O texto é esclarecedor:

Uma ação civil pública movida pelo Ministério Público contra o atual deputado Marlon Santos (PDT) - iniciada em 16.06.2010, por improbidade administrativa quando prefeito - se arrasta no Judiciário de Cachoeira do Sul e teve seu último movimento em 2.09.2016 a título de ´carga do advogado do réu´. O processo ficou fora de cartório por mais de três meses, sem nenhuma providência de parte do Judiciário. Agora está placidamente disposto num escaninho cartorário”.

Entre simplório e indagativo, o leitor também questiona “se essa situação é normal ou deve-se ao poder político e mediúnico do deputado”. (Proc. nº 1.10.0002724-7).

Outros detalhes

O caso aí de cima tramita na 2ª Vara Cível de Cachoeira do Sul e a juíza da causa é Vanessa Lilian da Luz.

Só para dar um (mau) exemplo da vagareza: em 2015, entre a ordem ao cartório para que fosse expedida uma nota de expediente (05.02.2015) e a efetiva publicação (16.06.2015) passaram-se quatro meses e 11 dias.

A tartaruga está gostando da conjunção processual. Ainda mais que o recesso forense está chegando.


Comentários

Virgínia Ribas - Médica 20.12.16 | 15:24:59
Exemplo de ineficiência e falta de respeito à cidadania
Larissa Fleck Sebalhos Silva - Advogada 16.12.16 | 10:06:17
Até para a defesa essa inércia é prejudicial. Enfim, motivos devem haver. Minha tartaruguinha corre mais que o presente feito, enfim...
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Como será o expediente forense nesta sexta-feira no RS

Suspensão dos prazos na Justiça Federal. Adiamento das audiências na Justiça do Trabalho, caso uma ou ambas as partes não compareçam. Na Justiça estadual, a questão será de cunho jurisdicional: cada caso depende do respectivo juiz.

Advogado diz em petição que está com vontade de “chutar o pau da barraca”

Negativa de prestação jurisdicional pelo juiz deprecado (São Pedro do Sul-RS) é reclamada em petição à juíza deprecante (São Luiz Gonzaga-RS). “É impossível a um idoso como homem e/ou a um velho como advogado, compreender as razões que possam levar um juiz à indisfarçável prática de atos procrastinatórios”. Leia a íntegra da petição de desabafo.

Sem surpresa com o decreto de prisão de Lula

Ministro Marco Aurélio disse que “a justiça deve ser célere, em todos os sentidos". Leia também detalhes sobre o PEN – Partido Ecológico Nacional, autor de uma das ações declaratória de constitucionalidade sobre a prisão somente após o trânsito em julgado.