Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira, 21 Julho de 2017

Nem tudo são espinhos advocatícios!



Porto Alegre, 19 de dezembro de 2016.

Ao
Espaço Vital


Ref.: Honorários sucumbenciais majorados

Seguidamente lemos e ouvimos queixas de colegas advogados sobre o aviltamento dos honorários.

Pois tive uma experiência que me sinto no dever de compartilhar. Em recente julgamento, a 12ª Câmara Cível do TJRS deu provimento a apelo, para majorar os honorários - estipulados em primeiro grau em R$ 1.600,00 - para 15% do valor original da causa, com correção pelo IGP-M, mais juros.

O valor da causa (ajuizada há quase 20 anos), está em torno de R$ 560.000,00. Dá para concluir que a remuneração advocatícia salta de R$ 1.600,00 para aproximadamente R$ 84.000.

Portanto, nem tudo está perdido. O julgamento se refere ao processo nº 70072196223. Se os colegas advogados e demais operadores jurídicos que me leem neste ´vital espaço´ acharem interessante, divulguem! Precisamos fazer uma corrente positiva.

Atenciosamente,

Joel Vidor, advogado (OAB-RS nº 34.474).


Notas da redação

· A verba honorária sucumbencial original (R$ 1,6 mil) foi fixada, em primeiro grau, pela juíza Ana Lúcia Haertel Miglioranza, da comarca de Guaíba (RS).
· A majoração foi concedida, unânime, pelos votos dos desembargadores Guinther Spode, Umberto Guaspari Sudbrack e Ana Lúcia Carvalho Pinto Vieira Rebout.

Leia a íntegra do acórdão:
“Intenso e combativo labor desenvolvido pelo advogado da apelante, que laborou com zelo e dedicação”.


Comentários

Cézar Valmor Aloy De Almeida - Advogado 20.12.16 | 10:48:07
Ao ler e perceber a alegria e satisfação do colega em ver seus merecidos honorários serem majorados em 2ª instancia, me convenço mais a cada dia que, que ao invés de ser algo natural o reconhecimento pelo trabalho em 1º grau, comemoramos quando conseguimos tal desiderato somente após interposição de recursos à 2ª instancia. Isso quando os Julgadores "ad quem" tem a sensibilidade de reconhecer a importância e consequências da verba honorária em nossas vidas.
Nedson Culau - Advogado 20.12.16 | 01:21:55
Divirjo frontalmente. Peguem 20 anos, façam x 12 meses e aí, façam o seguinte cálculo: 84.000 e dividam por 240 meses. Quanto "ganhou" o nobre colega por mês?
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Quando nem a Corregedoria do TRT-4 resolve...

Advogado relata flashes sobre uma renitente tartaruga processual, na Justiça do Trabalho de Novo Hamburgo. A esperança do profissional, agora, é a solução de uma representação por excesso de prazo, protocolada no Conselho Nacional de Justiça.

A solidariedade e a fraternidade humana na justiça

Mais uma tartaruga forense gaúcha: ação começou em 1994 e completará 23 anos em junho. A propósito dela, advogado alerta: “O princípio constitucional de construir uma sociedade livre, justa e solidária talvez seja melhor entendido, se aplicável, somente pela Justiça divina e não terrestre”.