Ir para o conteúdo principal

Terça-feira, 23 de Maio de 2017
http://espacovital.com.br/images/direito & avesso.jpg

Suprema desfaçatez: o desaforo privilegiado



Quando assumiu a Presidência o atual primeiro mandatário, registrei aqui mesmo a impressão de que, dessa vez, nem mesmo as moscas mudavam – tal era a repetição de velhos, batidos e malcheirosos nomes no primeiro escalão. Dei, então, um desconto: o governo era mais que provisório, era incerto quanto ao futuro: a titular, a esse tempo, estava apenas afastada. Era ainda possível que, passada essa fase, um gabinete mais consistente e menos comprometido fosse nomeado.

Mas, desde então, se as coisas mudaram, foi para pior. A indiferença dos governantes pela opinião pública e as constantes afrontas a ela cresceram de ponto. No atual governo, a relação entre indicado e indiciado deixou de ser mera semelhança verbal; chegou-se a definir a crença de que alguém com ficha absolutamente limpa não poderia aceitar nomeação alguma para não despertar suspeitas. Aliás, dizem que isso chegou a ocorrer pelo menos em um caso.

A escalada nunca cessou. Sucessivas designações e dispensas por conta de malfeitorias passadas ou presentes continuaram e continuam a ocorrer, uma atrás da outra. Sequer explicações aceitáveis foram dadas a cada uma delas; o olímpico desprezo pela opinião chegou ao ponto da consagração explícita: era preciso aproveitar a “falta de popularidade” para fazer tudo o que ninguém quer.

Parecia que o limite fora alcançado quando se criou um ministério (na contramão da apregoada redução numérica das excelências imunes à jurisdição comum) com o fim especial de ofertar foro privilegiado a um dos mais notórios gatos da praça. Repetiu-se, assim, a manobra anteriormente tentada pela ex-presidente, no fito de blindar um amigo e conselheiro, então detida pela indignada comoção nacional contrária e pelo veto do STF.

Mas não havíamos ainda chegado ao fundo. Quando se tratou de nomear um novo integrante da Suprema Corte para substituir o “acidentado” (sim, entre aspas, pois, por menos que se goste de teorias de conspiração, a ingenuidade tem limites), o Impassível tira do bolso o nome mais óbvio e adequado ao fim de “delimitar” (também entre aspas, por que a palavra não é minha) a Operação Lava Jato. E, de quebra, cria uma vaga preciosa a ser preenchida, com certeza, pelo mesmo critério do compadrio.

Certo, não havia outro Teori Zavascki, figura absolutamente destoante do perfil a que, ai de nós, estamos habituados a ver na cena pública. Mas, se houvesse, também não seria o escolhido, à luz dos critérios vigentes. E daí? Daí, nada. O baile segue. Quem for crente, reze. Quem não for, que aguente o desaforo privilegiado, já que os panelaços, pelo visto, acabaram.

__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Adroaldo Furtado Fabrício escreve quinzenalmente no Espaço Vital. Publicação de seu próximo artigo na edição de 24.02.2017.


Comentários

Antonio Frizzo - Jornalista/empresário 10.02.17 | 13:27:38
Prezado Adroaldo! O texto veio ao encontro de tudo o que tenho escrito na imprensa há muito tempo. É absolutamente inacreditável que boa parte do povo brasileiro, travestidos e fardados de verde-amarelo, notadamente de boa formação cultural, tenham saído às ruas (mobilizados por meios de comunicação que não resistiriam a uma investigação séria na sua conduta), protestando "CONTRA A CORRUPÇÃO" e agora, depois dos mesmos de sempre terem tomado o poder, assistam, impassíveis, a tantos desmandos.
Banner publicitário

Mais artigos do autor

Nossos comerciais

“Tenho especial aversão à publicidade governamental, sustentáculo maior das agências especializadas. E sei bem por quê: nunca logrei compreender a necessidade que possa ter um governo, entidade sem competidores, de apregoar suas virtudes”.

Ciumeira judicial

“É ruim que alguns magistrados se deem ao uso de meios outros para divulgar opiniões, posições e preferências indicativas de suas inclinações quanto a assuntos que deverão ser, ou já estão, submetidos ao juízo de outros colegas ou dos próprios boquirrotos”.

Os dejetos da democracia

“Emenda-se a Carta Magna, na maior parte dos casos, para resolver apertos momentâneos ou para ajustar o seu texto a programas ou interesses de governo – na contramão da normalidade, pois o esperado seria que os projetos governamentais, em todas as esferas de poder, se ajustassem à Constituição”.

Onde começa a independência

A notícia da posse de Alexandre de Moraes como ministro do Supremo - que a não ser tão triste seria pitoresca - "põe a nu a fragilidade intrínseca do nosso Poder Judiciário e sua extrema debilidade diante do imperialismo presidencialista".

Eles estão ganhando!....

"Desde o lamentável episódio da morte de Teori Zavascki - que permanece e certamente vai continuar envolto em névoa - instalou-se e vem crescendo entre os brasileiros menos ingênuos uma espécie de inquietação ou sentimento de mal-estar, na forma vaga de uma percepção incômoda: ´os bandidos estão vencendo´”.