Ir para o conteúdo principal

Terça - feira, 22 Agosto de 2017

O machismo que constrangeu Ellen Gracie no Senado



São de conhecimento geral os requisitos para integrar, como ministro, a Suprema Corte: brasileiro nato, notável saber jurídico, reputação ilibada, idade entre 35 e 65.

As ´rádios-corredores´ das OABs – país afora – coincidem nas difusões: “A sabatina, no Senado, não passa de protocolo”. Corrobora isso o fato de que, há um século, ali não se rejeita um indicado. Mas nem sempre o interrogatório corre placidamente.

Com o governo já depauperado, o último a integrar a Corte, ministro Fachin, passou em 2015 por longas 11 horas de questionamentos.

Mas há mais de 120 anos o Senado não rejeita um indicado. Criado em 1890, o STF teve apenas cinco candidatos derrubados por senadores – todos em 1894, no governo do marechal Floriano Peixoto. O impasse foi resolvido com a aprovação do sexto nome proposto: Américo Lobo, que era senador pelo Paraná.

Machismo constrangedor

A propósito da sabatina, em Brasília, para chegar ao Supremo, há quem recorde os descabidos comentários recebidos pela primeira mulher a integrar a corte. Ellen Gracie Northfleet, ex-presidente do TRF-4, recebeu votos senatoriais que levaram em conta "beleza", "charme", "elegância física", etc.

Na ocasião (novembro de 2000), o momento mais constrangedor foi quando, ao anunciar o voto em Ellen, o senador Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR) – médico de profissão - disse que “como ginecologista, aprendi a lidar de perto com as mulheres, entendendo muito profundamente a sensibilidade feminina".

Outras pérolas

Da mesma sessão do Senado em que Ellen Gracie foi aprovada - para depois (23.11.2000) ser ungida pelo presidente FHC – outros despautérios verbais revezaram elogios à inteligência dela e - não escondendo o machismo - à sua beleza física:

"A senhora não veio ser sabatinada, veio ser homenageada" - declarou o senador José Agripino (DEM-RN).

"Eu não poderia deixar de participar dessa homenagem” – pipocou o senador Aloisio Mercadante (PT-SP).

• “O meu voto ainda leva em conta a beleza e o charme e assim voto com muito prazer” – derreteu-se o senador Wellington Salgado (PMDB-MG).

Ao final da sessão, após a aprovação unânime, o presidente da CCJ, Antonio Carlos Magalhães (DEM-BA), tentou amenizar o coletivo verborrágico das declarações inoportunas. Disse então que a ampla aceitação do nome de Ellen se devia "à elegância física e moral, à dignidade e sobretudo à competência dela".


Comentários

Jane Rossi - Advogada 15.02.17 | 19:09:20
O desrespeito e menosprezo às profissionais graça o ridículo. Cediço que quociente de inteligência não se mede pela beleza física da mulher, ou homem. Ocorre que, para angariar conhecimento jurídico e exercer as profissões deste saber, precisamos cursar Direito, no mínimo. Ser parlamentar: não é exigido comprovação de colação de grau em faculdade nenhuma, basta ter um nome conhecido no bairro, cidade, Estado ou país. Pode ser semi analfabeto, desprovido de QI e nenhuma prova lhe é pedida.
Alceu Molinari Dall Agnol - Advogado 14.02.17 | 16:48:20
Nem tudo o que desagrada as mulheres é machismo. Homem tem moral, ponto de vista, direito de se manifestar e de fazer o próprio juízo. Qualquer contraste ou diferença entre atos ou mesmo pontos de vista envolvendo um homem e uma mulher atualmente é analisado com base no 'machismo', sobrando para o homem, evidentemente, a condição de vilão. Não é preciso rastejar para respeitar as mulheres. Se elas realmente têm as mesmas condições que os homens, podem defender suas posições por si sós.
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte de Camila Adamoli sobre foto reprodução MPF

Ações entre amigos, entre familiares ou simplesmente entre conhecidos?

 

Ações entre amigos, entre familiares ou simplesmente entre conhecidos?

MPF diz que há “vínculos estranhos” de Gilmar Mendes com o “rei dos ônibus” do Rio de Janeiro. Em 2013, o ministro do STF foi padrinho de casamento de Beatriz, filha de Jacob Barata Filho, em luxuosa festa no Copacabana Palace. Ela casou com Francisco Feitosa Filho, sobrinho de Guiomar Feitosa de Albuquerque Lima Mendes, esposa de Gilmar. O noivo é filho do “rei dos ônibus” de Fortaleza.