Ir para o conteúdo principal

Terça - feira, 22 Agosto de 2017

Censura judicial sobre os jornais O Globo e Folha de SP



Reprodução do saite do TJ-DFT

Imagem da Matéria

A Justiça de Brasília, atendendo a uma ação do Palácio do Planalto, censurou reportagens produzidas pelos jornais O Globo e Folha de São Paulo na última sexta-feira (10) sobre uma troca de mensagens entre a primeira-dama, Marcela Temer, e um hacker, que tentava extorquir dinheiro dela.

A decisão liminar, do juiz Hilmar Castelo Branco Raposo, foi proferida na própria sexta-feira, porém os dois jornais só foram intimados ontem.

A troca de mensagens faz parte do processo judicial contra o hacker Silvonei de Jesus Souza, que tramita na Justiça de São Paulo. O réu foi condenado a 5 anos e 10 meses de prisão em outubro do ano passado por tentar chantagear Marcela Temer utilizando conteúdo roubado do celular e de contas de e-mail da primeira-dama.

A ação que obteve a censura judicial foi assinada pelo subsecretário de assuntos jurídicos da Presidência da República, Gustavo do Vale Rocha, logo após o Planalto ter sido procurado pelos dois jornais que solicitavam uma manifestação da presidência sobre os fatos controvertidos.

Na decisão o juiz Branco Raposo sustenta que "a inviolabilidade da intimidade tem resguardo legal claro" e proíbe a divulgação de qualquer conteúdo do celular de Marcela Temer. O conteúdo da reportagem original foi ontem retirado dos saites, logo após as intimações.

Na ação, Gustavo Rocha chegou a pedir que, caso a reportagem já tivesse sido publicada, que o juiz determinasse até o recolhimento das edições impressas e a imposição de multa diária de R$ 500 mil. Na decisão, o magistrado não se manifestou sobre essa parte do pedido do assessor de Temer.

Em nota, a Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (ABERT), a Associação Nacional de Editores de Revistas (ANER) e a Associação Nacional de Jornais (ANJ) consideraram a decisão do juiz Branco Raposo um cerceamento à liberdade de imprensa e "esperam que a decisão seja revista ou reformada imediatamente, garantindo aos veículos de comunicação o direito constitucional de levar à população informações de interesse público".

A Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) afirmou, também em nota, que é contra qualquer tipo de censura e reivindicou a anulação "da absurda decisão da 21ª Vara Cível de Brasília” (...) porque “impedir repórteres de publicar reportagens é prejudicial não apenas ao direito à informação, como também ao papel do jornalista de fiscalizar o poder público".

A nota evoca ainda a fala da ministra do STF Cármen Lúcia, em junho de 2015: "Cala a boca já morreu, quem disse foi a Constituição”.

Em nota oficial, a Associação Brasileira de Imprensa (ABI) também qualificou como ato de cesura a decisão de proibir a veiculação das reportagens sobre a tentativa de extorsão a Marcela Temer. Segundo a ABI, o despacho amparado no direito à privacidade não é coerente com os direitos a Liberdade de Imprensa e Livre Acesso à Informação.

A ABI afirmou também que reconhece que a primeira dama não pode ter sua intimidade violada, mas que esse direito precisa ser relativizado já que "trechos da conversa ´hackeada revelam uma trama eleitoral, que pela sua própria natureza, devem ser levados ao conhecimento da sociedade".

A entidade ressalta ainda que o processo penal não transcorreu em segredo de justiça e que o investigado já foi condenado pelo crime que cometeu.

O presidente Michel Temer disse laconicamente nesta segunda-feira que “não há censura na ação contra os dois jornais”.


Comentários

Dilney Zandomenico - Empresário 14.02.17 | 15:39:50
É uma incongruência em termos falar-se de censura judicial. Ora, censura é aquela como feita no país, durante o regime militar, ou sempre, nos países de regime marxista, como Cuba, China, Coréia do Norte e eventualmente Rússia (ainda), e não nos democráticos dias de hoje, onde o "censurado" pode ingressar com miríades de recursos contra tais estapafúrdias e inconstitucionais decisões.
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte de Camila Adamoli sobre foto reprodução MPF

Ações entre amigos, entre familiares ou simplesmente entre conhecidos?

 

Ações entre amigos, entre familiares ou simplesmente entre conhecidos?

MPF diz que há “vínculos estranhos” de Gilmar Mendes com o “rei dos ônibus” do Rio de Janeiro. Em 2013, o ministro do STF foi padrinho de casamento de Beatriz, filha de Jacob Barata Filho, em luxuosa festa no Copacabana Palace. Ela casou com Francisco Feitosa Filho, sobrinho de Guiomar Feitosa de Albuquerque Lima Mendes, esposa de Gilmar. O noivo é filho do “rei dos ônibus” de Fortaleza.