Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 25 de maio de 2018.

Anulado acordo prejudicial a empregado que teve advogado pago pelo empregador



A Subseção II Especializada em Dissídios Individuais (SDI-2) do TST manteve decisão que desconstituiu a sentença homologatória de acordo firmado entre a América Latina S.A. – Distribuidora de Petróleo e um motorista de carreta. Segundo o relator, ministro Alberto Bresciani, “o acordo não condizia com a vontade do empregado, pois foi patrocinado por advogado indicado pela empresa”.

O TRT da 9ª Região (PR) julgou procedente a ação rescisória ajuizada pelo trabalhador, por entender que houve vício de consentimento. No recurso para o TST, a empresa sustentou que a decisão do TRT se baseou “apenas em indícios”, e que houve má valoração das provas do processo.

De acordo com o relator, porém, o que se verificou foi um conluio entre a empresa e o advogado Roberto Celuppi que representou o trabalhador, visando à quitação do contrato de trabalho perante o Judiciário. Documentos e testemunhas demonstraram que a empresa tinha por hábito indicar o advogado para que seus empregados postulassem a rescisão do contrato na Justiça do Trabalho.

Uma das testemunhas disse que foi orientada a não questionar o acordo perante o juiz, pois “poderia levar até dez anos para receber o seu FGTS e as outras parcelas rescisórias”.

Segundo o ministro Bresciani, os depoimentos corroboraram os fatos narrados pelo trabalhador, deixando claro que o acordo não condizia com a sua vontade e foi realizado, na verdade, à sua revelia. E, segundo o artigo 485, inciso VIII, do CPC de 1973, o vício de consentimento justifica a sua anulação.

O acórdão reconhece textualmente estar “consubstanciado, no presente caso, o dolo da parte ré, consistente no fato provado pelas testemunhas do autor, de que o advogado (Dr. Roberto Celuppi) que patrocinou a reclamação trabalhista em  nome do autor desta rescisória foi-lhe indicado pela empresa, o que se confirma também pelas atas juntadas de cerca de 20 reclamações trabalhistas, todas encerradas por acordo”.

Por maioria, a SDI-2 manteve a decisão regional que determinou o corte rescisório da sentença. Ficou vencido o ministro Vieira de Mello Filho. (RO nº 5028-21.2013.5.09.0000 – com informações do TST).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Nulidade de cláusula com turnos de 12 horas em jornada de 15 dias consecutivos

Apesar de haver norma coletiva, julgado do TST diz ser “desprovida de validade a cláusula coletiva que, a um só tempo, ignora os limites constitucionais da jornada de trabalho; não permite o descanso adequado do trabalhador; e suprime direitos mínimos dos obreiros, a exemplo do descanso semanal remunerado”.