Ir para o conteúdo principal

Terça-feira, 23 de Maio de 2017

O Supremo não dá conta e corruptos ficam impunes



Imagem da Matéria

Os números são espantosos. São 498 os processos contra políticos tramitando lentamente no STF, dos quais 357 inquéritos e 103 ações penais. A informação provém de um voto do ministro Luís Roberto Barroso, datado de 10 de fevereiro, que procura apresentar soluções para o quadro, “certamente inadministrável”. 

Ele vislumbra a perspectiva de que “casos cada vez mais frequentes de investigações contra deputados federais, senadores ou ministros acarreta os óbvios riscos de congestionamento das atividades do Supremo e de delongas processuais cujo efeito acaba sendo a virtual impunidade dos culpados”.

Barroso também menciona o exemplo do processo do mensalão, que ocupou o STF por 69 sessões seguidas, durante um ano e meio, com prejuízo para a análise de inúmeros outros casos.

A ameaça paralela – de que casos de grave desvio de verbas públicas terminem tendo sua punibilidade extinta – também se comprova. Reportagem publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo realça os números (já veiculados pelo Espaço Vital) de um levantamento da Fundação Getúlio Vargas, segundo os quais o índice de condenações no Supremo é inferior a 1%.

De 404 ações penais analisadas, 276 simplesmente prescreveram ou foram remetidas a outras instâncias.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Mantida abertura de processo disciplinar contra desembargadora

O caso envolve liberação indevida de parcelas do Fundo de Participação dos Municípios retidas pelo INSS. A magistrada foi favorecida por liminar concedida em dezembro de 2010 por Gilmar Mendes. Agora, seis anos e meio depois, o próprio ministro revogou sua decisão anterior.

Celso de Mello começa a sair do STF

Ele tem um visível problema no quadril, com o desgaste do osso do fêmur, que o obriga a andar de bengala, se a distância é curta; ou de cadeira de rodas, se é maior.

Tribunal afasta juiz federal acusado de fraude

Ele é acusado da conduta prevista no artigo 343 do Código Penal (“dar, oferecer ou prometer dinheiro ou qualquer outra vantagem a testemunha, perito, contador, tradutor ou intérprete, para fazer afirmação falsa, negar ou calar a verdade em depoimento, perícia, cálculos, tradução ou interpretação”).