Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 25 de maio de 2018.

O Supremo não dá conta e corruptos ficam impunes



Imagem da Matéria

Os números são espantosos. São 498 os processos contra políticos tramitando lentamente no STF, dos quais 357 inquéritos e 103 ações penais. A informação provém de um voto do ministro Luís Roberto Barroso, datado de 10 de fevereiro, que procura apresentar soluções para o quadro, “certamente inadministrável”. 

Ele vislumbra a perspectiva de que “casos cada vez mais frequentes de investigações contra deputados federais, senadores ou ministros acarreta os óbvios riscos de congestionamento das atividades do Supremo e de delongas processuais cujo efeito acaba sendo a virtual impunidade dos culpados”.

Barroso também menciona o exemplo do processo do mensalão, que ocupou o STF por 69 sessões seguidas, durante um ano e meio, com prejuízo para a análise de inúmeros outros casos.

A ameaça paralela – de que casos de grave desvio de verbas públicas terminem tendo sua punibilidade extinta – também se comprova. Reportagem publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo realça os números (já veiculados pelo Espaço Vital) de um levantamento da Fundação Getúlio Vargas, segundo os quais o índice de condenações no Supremo é inferior a 1%.

De 404 ações penais analisadas, 276 simplesmente prescreveram ou foram remetidas a outras instâncias.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Como será o expediente forense nesta sexta-feira no RS

Suspensão dos prazos na Justiça Federal. Adiamento das audiências na Justiça do Trabalho, caso uma ou ambas as partes não compareçam. Na Justiça estadual, a questão será de cunho jurisdicional: cada caso depende do respectivo juiz.

Advogado diz em petição que está com vontade de “chutar o pau da barraca”

Negativa de prestação jurisdicional pelo juiz deprecado (São Pedro do Sul-RS) é reclamada em petição à juíza deprecante (São Luiz Gonzaga-RS). “É impossível a um idoso como homem e/ou a um velho como advogado, compreender as razões que possam levar um juiz à indisfarçável prática de atos procrastinatórios”. Leia a íntegra da petição de desabafo.

Sem surpresa com o decreto de prisão de Lula

Ministro Marco Aurélio disse que “a justiça deve ser célere, em todos os sentidos". Leia também detalhes sobre o PEN – Partido Ecológico Nacional, autor de uma das ações declaratória de constitucionalidade sobre a prisão somente após o trânsito em julgado.