Ir para o conteúdo principal

Sexta -feira, 18 Agosto de 2017

O fim de um penduricalho ilegal e imoral



Chargista Benett

Imagem da Matéria

Em Mato Grosso, desembargadores vinham desistindo do uso dos carros oficiais (uma frota de 30 Corollas) por um motivo financeiro: recebiam mensalmente o “auxílio-transporte”, um benefício não previsto na Lei Orgânica da Magistratura.

O penduricalho correspondia a 15% da remuneração dos magistrados. Como era recebido a título de verba indenizatória, o pagamento indiscriminado não dependia de comprovação de gastos e não havia incidência do imposto de renda.

O pagamento imoral estava suspenso por determinação do CNJ – em boa hora (mas demoradamente) - confirmada há poucos dias pelo STF.

Comparando: no Supremo Tribunal da Suécia, o juiz Goran Lambertz pedala diariamente 15 minutos até a estação ferroviária e toma o trem para chegar à corte, em Estocolmo; outros colegas usam seus próprios veículos ou exclusivamente transporte público. No Brasil, a ministra Cármen Lúcia, presidente do STF, costuma dirigir o seu carro em Brasília e em Minas Gerais.

A propósito

É do magistrado sueco Goran Lambertz uma frase que convoca à meditação: “Luxo pago com dinheiro do contribuinte é imoral”.

O que diria ele e soubesse que, por aqui, generalizadamente, o “auxílio-moradia” está sedimentado?


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Um breque no Fitness Jurídico

Excelências não vão mais entrar em forma. O TRT da Bahia suspende a licitação para o assessoramento de magistrados e servidores em preparação para corridas e caminhadas.

Desagravo a advogada gaúcha ofendida em suas prerrogativas

Magistrado da Justiça estadual cassou a palavra da profissional da advocacia, “sob o argumento de manter a ordem dos trabalhos, passando posteriormente a homologar um acordo sem permitir-lhe a intervenção”.

Juiz é condenado por apropriação de bens de Eike Batista

Pena é de oito anos de prisão. Magistrado federal Flavio Roberto de Souza recolheu ao condomínio onde morava, o Porsche apreendido do empresário. A sentença diz que o acusado “revelou-se um hipócrita”.