Ir para o conteúdo principal

Terça-feira, 28 de Março de 2017

O fim de um penduricalho ilegal e imoral



Chargista Benett

Imagem da Matéria

Em Mato Grosso, desembargadores vinham desistindo do uso dos carros oficiais (uma frota de 30 Corollas) por um motivo financeiro: recebiam mensalmente o “auxílio-transporte”, um benefício não previsto na Lei Orgânica da Magistratura.

O penduricalho correspondia a 15% da remuneração dos magistrados. Como era recebido a título de verba indenizatória, o pagamento indiscriminado não dependia de comprovação de gastos e não havia incidência do imposto de renda.

O pagamento imoral estava suspenso por determinação do CNJ – em boa hora (mas demoradamente) - confirmada há poucos dias pelo STF.

Comparando: no Supremo Tribunal da Suécia, o juiz Goran Lambertz pedala diariamente 15 minutos até a estação ferroviária e toma o trem para chegar à corte, em Estocolmo; outros colegas usam seus próprios veículos ou exclusivamente transporte público. No Brasil, a ministra Cármen Lúcia, presidente do STF, costuma dirigir o seu carro em Brasília e em Minas Gerais.

A propósito

É do magistrado sueco Goran Lambertz uma frase que convoca à meditação: “Luxo pago com dinheiro do contribuinte é imoral”.

O que diria ele e soubesse que, por aqui, generalizadamente, o “auxílio-moradia” está sedimentado?


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Advogado compara juízes a insetos

Causídico também disse que postura de juiz – que não atendera pedido de gratuidade de uma cliente - era "irritante" e que julgador "pensa que é Deus".

O recuo que virou avanço

Luiz Fux reconsidera decisão sua e admite o cumprimento imediato da pena de magistrado condenado criminalmente. A Associação dos Juízes Federais festeja.

Mensagens no WhatsApp para negociar liminares em habeas corpus

A Corte Especial do STJ tornou réus o desembargador Carlos Rodrigues Feitosa, do TJ do Ceará e sete advogados acusados de negociar decisões judiciais para soltar criminosos durante os plantões do Poder Judiciário em Fortaleza. Negociações chamadas de “oferta imperdível” envolviam pagamentos de R$ 70 mil a R$ 150 mil. Num dos casos, chegou a R$ 700 mil.

Juízes do Trabalho reagem contra “críticas irresponsáveis” de Rodrigo Maia

Em nota, magistrados afirmam que “em 2015, 11,75% (4.980.359 processos) do total de novas ações ingressadas no Poder Judiciário representaram as ações relativas ao pagamento de verbas rescisórias, dado que revela o quanto a Justiça do Trabalho é imprescindível em um país desigual e injusto”.