Ir para o conteúdo principal

Sexta-Feira, 20 Outubro de 2017

O fim de um penduricalho ilegal e imoral



Chargista Benett

Imagem da Matéria

Em Mato Grosso, desembargadores vinham desistindo do uso dos carros oficiais (uma frota de 30 Corollas) por um motivo financeiro: recebiam mensalmente o “auxílio-transporte”, um benefício não previsto na Lei Orgânica da Magistratura.

O penduricalho correspondia a 15% da remuneração dos magistrados. Como era recebido a título de verba indenizatória, o pagamento indiscriminado não dependia de comprovação de gastos e não havia incidência do imposto de renda.

O pagamento imoral estava suspenso por determinação do CNJ – em boa hora (mas demoradamente) - confirmada há poucos dias pelo STF.

Comparando: no Supremo Tribunal da Suécia, o juiz Goran Lambertz pedala diariamente 15 minutos até a estação ferroviária e toma o trem para chegar à corte, em Estocolmo; outros colegas usam seus próprios veículos ou exclusivamente transporte público. No Brasil, a ministra Cármen Lúcia, presidente do STF, costuma dirigir o seu carro em Brasília e em Minas Gerais.

A propósito

É do magistrado sueco Goran Lambertz uma frase que convoca à meditação: “Luxo pago com dinheiro do contribuinte é imoral”.

O que diria ele e soubesse que, por aqui, generalizadamente, o “auxílio-moradia” está sedimentado?


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Como deve ser a promoção dos juízes?

Em caso oriundo do RS, o Supremo reconhece a repercussão geral relativa aos critérios para seguimento na carreira. Juízes gaúchos Cíntia Teresinha Burhalde Mua, Sandro Antonio da Silva, Ana Lúcia Haertel Miglioranza e Cristiane Hoppe sustentam posições divergentes.

Arte de Camila Adamoli sobre foto Up Imagens

A absurda aposentadoria como punição máxima para juiz corrupto

 

A absurda aposentadoria como punição máxima para juiz corrupto

Conselheiro do CNJ Henrique Ávila diz que “tribunais são ilhas de poder”. Propõe que a OAB seja chamada “para levar a visão do jurisdicionado e da sociedade como um todo”. Sustenta que “a Loman precisa ser revista com brevidade”. E conclama “a redistribuição de servidores da segunda instância e as respectivas dotações orçamentárias para priorizar a força de trabalho da primeira instância”.