Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 17 Outubro de 2017

Prefeito gay se casa com parceiro



Google Imagens / Reprodução de s2.GLB Imagens.com

Imagem da Matéria

O prefeito do Município de Lins (SP) Edgar de Souza (PSDB) casou neste fim de semana com o companheiro dele, Alexsandro Luciano Trindade. Os noivos entraram acompanhados pelos pais, familiares, além de pajens e daminhas de honra com as alianças. O “sim” teve direito a lágrimas e beijo. A juíza de casamento Aline de Oliveira, expediu a certidão de matrimônio.

“Fizemos questão desse momento para dizer a todos que nos amamos. Corrupção é feio, lavagem de dinheiro é feio, mas o amor é muito bonito” - discursou o prefeito.

Edgar, de 38 anos, e Alex, como o parceiro prefere ser chamado, de 35, conheceram-se na adolescência, mas não houve empatia no primeiro encontro. Os dois só se reencontraram depois de adultos. “Foi em 2004, quando eu já era vereador reeleito. Seis meses depois, decidimos morar juntos”.

O prefeito estreou na política aos 20 de idade, em 2000, eleito para o primeiro mandato como vereador. Foram três mandatos consecutivos até 2012, quando se elegeu prefeito. Na campanha, decidiu assumir que era gay. “Falei no palanque: eu não tenho que esconder com quem vivo e quem eu amo. Se esconder não mereço ser prefeito de vocês” – discursou na época.

Ele conta que na campanha foi vítima de ataques homofóbicos. “Falavam que a prefeitura seria transformada em boate gay, coisas assim”. Uma semana antes da eleição, em outubro de 2012, os adversários distribuíram uma foto dele com Alex encostado em seu ombro e a frase: “Se votar no 45, essa família vai governar a sua”.

Conforme Edgar, o efeito foi contrário. “Muita gente passou para nosso lado, tanto que a gente tinha 42% e fomos eleitos com 53%. A cidade rejeitou a homofobia”. Na campanha para a reeleição em 2016, Edgar não enfrentou o mesmo problema. “A população já conhecia e aprovava o meu trabalho. Na região, 90% dos prefeitos não se reelegeram, mas fui eleito enfrentando três candidatos.”

Católico, Edgar fez questão de convidar o padre da cidade para abençoar o casamento, mas o pároco se disse impedido.


Comentários

Sinnédria Dias - Advogada 07.03.17 | 11:02:44
Quando pessoas sérias e em evidência, assumem seus relacionamentos, a sociedade como um todo se eleva, pois o preconceito homofóbico passa a ser substituído por um conceito de vida digna. Que sejam muito felizes!
Bernadete Kurtz - Advogada 06.03.17 | 12:09:00
É um ato contra o preconceito e que valoriza o amor! Estamos carentes de amor, compreensão, solidariedade...sentimentos e palavras feias inundam nosso cotidiano!Que sejam felizes !
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Quatro novas teses do STJ

Elas versam sobre auxílio-acidente, transferência de presos, nulidade de processo administrativo disciplinar e não incidência de IPI em serviços gráficos.

Foto Imply.com

Um espaço vital para as paixões gremistas e coloradas

 

Um espaço vital para as paixões gremistas e coloradas

Este saite passa a publicar, a partir do dia 17, Jus Azul, às terças-feiras e Jus Vermelho, às sextas. Textos serão do engenheiro Ricardo Wortmann (blogueiro da “Corneta do RW”) e do advogado Roberto Siegmann (conselheiro do Inter). Levantamento aponta igualdade (42%) de percentuais entre os leitores que preferem Grêmio ou Inter.

AL-RS (Divulgação)

A medalha do nepotismo

 

A medalha do nepotismo

Procedência de ação popular. A 1ª Câmara Cível do TJRS condena a ex-deputada estadual Marisa Formolo (foto) à restituição – “revitalizada e polida” - da Medalha do Mérito Farroupilha, que ela concedeu a um irmão. Ela pode optar por ressarcir o erário.