Ir para o conteúdo principal

Terça-feira, 27 de Junho de 2017

Mais uma prescrição que chega



Para quatro dos onze acusados da Lista de Furnas a acusação deu em nada. Desde o ano 2000, o caso engloba 150 políticos – quase todos ligados ao governo FHC - envolvidos num esquema de corrupção e lavagem de dinheiro.

Para lembrar: o “negócio” estava centralizado na empresa estatal carioca Furnas Centrais Elétricas, que abastecia a campanha de políticos, em sua maioria do Partido da Social Democracia Brasileira e Partido da Frente Liberal nas eleições de 2002.

O escândalo foi originalmente divulgado pela revista Carta Capital em 2006, denunciando políticos, magistrados e empresários.

Na semana passada, o Ministério Público do Rio de Janeiro ratificou a denúncia feita pelo MPF contra integrantes desta tal lista.

Dos 11 inicialmente acusados de corrupção e lavagem de dinheiro, quatro ficaram de fora do processo. São eles: Airton Antonio Daré, que faleceu; Dimas Toledo, José Pedro Terra e Reinaldo Conrad, beneficiados porque a pena prescreveu.

A tartaruga judicial está com a juíza Daniella Alvarez Prado, da 35ª Vara Criminal do Rio.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Bastidores criminosos do futebol e encomenda da morte de radialista.

O STF nega habeas corpus a ex-dirigente do Atlético-GO, que é titular do 1º Tabelionato de Protestos e Registro de Títulos e Documentos de Goiânia (GO). Ele é acusado de mandante do homicídio de locutor esportivo. Cinco pessoas vão a júri popular.

Uma morte, três anos de internação

O adolescente (17 de idade) confesso de matar a tiros o juiz do Trabalho Cláudio Roberto Ost cumprirá medida socioeducativa de internação.

STF mantém condenação de advogado por extorsão

Ele e o dono de uma emissora de rádio foram flagrados recebendo dinheiro para não divulgar matéria sobre o envolvimento de vigilantes de uma empresa no assassinato de um estudante. Pena pela extorsão é de 13 anos e 4 meses.