Ir para o conteúdo principal

Sexta-Feira, 20 Outubro de 2017
http://espacovital.com.br/images/direitoavesso_10.jpg

Eles estão ganhando!....



Desde o lamentável episódio da morte de Teori Zavascki (que permanece e certamente vai continuar envolto em névoa), instalou-se e vem crescendo entre os brasileiros menos ingênuos uma espécie de inquietação ou sentimento de mal-estar, na forma vaga de uma percepção incômoda: “os bandidos estão vencendo”. Assim como se fosse um mau cheiro ou um sabor suspeito, um tanto indefinido mas por certo desagradável. E não é a água do DMAE...

Desde então, acumulam-se os indícios de que, misteriosamente ou nem tanto, quase todos os acontecimentos ulteriores têm favorecido a quadrilha responsável pelo maior e mais despudorado assalto ao patrimônio público registrado pela nossa História. O sopro de esperança instalado na opinião pública nacional a partir das investigações na Petrobrás, seguidas de outras relativas a malfeitorias diversas, vai esmorecendo. Em seu lugar, crescem o cansaço, o desalento e a conformidade.

A primeira mandatária foi afastada, mas ninguém ignora que seu substituto está igualmente ou mais comprometido na roubalheira inaudita dos dinheiros públicos. Tão prestigiados têm sido os barões do peculato que já são sete ou oito os ministros de Estado dispensados em razão de seu envolvimento nas falcatruas passadas ou em algumas mais recentes. Imagine-se quantos seriam se não gozassem do generoso “benefício da dúvida” oficializado em inacreditável deliberação presidencial.

Olhando-se para o Parlamento, o quadro é igualmente desolador. Quanto mais corrupto for o deputado ou senador, tanto maiores serão suas chances de assumir posições de mando, no seu próprio âmbito ou no ambicionado gabinete ministerial, onde o controle de verbas e propinas é mais direto e concentrado. O (mau) passado não condena; ao contrário, recomenda e engrandece. Quem estiver livre de suspeita é que não tem vez. Os sujos herdarão a terra arrasada.

Agachado e diuturnamente desmoralizado, o Congresso se vai convertendo em instância meramente homologadora dos desvios de poder, aos quais se apõe o rótulo de reformas indispensáveis e salvadoras. Quando não está ocupado nesse mister, só cuida de preservar-se e ocultar as culpas de seus membros, no afã maldisfarçado de anistiá-los e eximi-los de punição. Nada há que esperar-se também da oposição, inane e temerosa, esmagada pelo peso de suas próprias danações.

Restaria o Judiciário. Mas também ele, por sua cúpula, antes mesmo de começar a ser aparelhado como vem sendo, tem dado margem à impressão de conivência e submissão a um grande pacto de impunidade, ao placitar iniciativas francamente afinadas com esse objetivo, patrocinadas pelos demais poderes. De resto, a lentidão crônica, progressivamente agravada pela enorme multiplicação das ações penais originárias, é cada vez mais desanimadora.

Há um alento: o País está (ou estava) mudando. Grandes e intocáveis empresários e até políticos outrora onipotentes mudaram-se da crônica social para a policial. Alguns deles estão na cadeia – aquela propriamente dita, que antes se dizia ser lugar só dos três PP: pobre, preto e prostituta. Os otimistas talvez lembrem a receita clássica do cinema de ação, onde os mocinhos passam o tempo todo apanhando, mas, no final, viram o jogo para a vitória do Bem.

Pode ser que tenhamos essa sorte. Se houver mocinhos sobreviventes.
_______________________________________________________________________________________________________________

Leia outros artigos de Adroaldo Furtado Fabrício.


Comentários

Marco Aurélio Dos Santos Caminha - Advogado 10.03.17 | 16:40:29
Como sempre o articulista foi arguto e abrangente. É sempre uma satisfação impar ler seus escritos. Marco Aurélio Caminha
Banner publicitário

Mais artigos do autor

A penúltima palavra

O assombroso está em que alguns ministros do STF revelaram uma paixão incompatível com a serenidade esperada e o voto de desempate mais pareceu um voto de empate. Ao contrário do que pensamos todos, a palavra da mais alta Corte de Justiça do País pode ser apenas a penúltima”.

Língua difícil

Pode-se relevar ao homem da rua, ao cidadão mediano, o manejo errôneo da língua. Mas não a quem se serve da escrita  como instrumento de trabalho. E isso se aplica também aos profissionais do foro”.

Carta a um (possível) futuro advogado

“Acho que, sendo uma das mais antigas profissões recomendáveis, a advocacia liberal tende à extinção. Vai-se gradualmente convertendo em uma espécie de SUS judiciário, onde a atividade é restrita e impera uma lei do mais fraco”.

Sorria! Você está sendo caloteado

O uso e abuso dos depósitos judiciais para finalidades diversas daquelas minuciosamente previstas em diploma normativo federal. (...) É o descaso com o direito alheio que leva à tragicomédia do dinheiro em cuecas ou em malas que o gatuno sequer consegue carregar”.

As panelas silenciosas

"Michel Temer parece ter um talento incomum para identificar o que ninguém quer – e fazer exatamente isso. Ele e seu ministério de enrolados esmeram-se em cultivar o desamor do povo, desafiar o mau humor da mídia e afrontar todos os padrões éticos". 

Holocausto e preconceito

Sou admirador declarado de Hannah Ahrendt pela coragem que teve ao desnudar a banalidade do mal, com relação a um carrasco nazista. Tudo o que diga respeito a sionismo, antissemitismo e adjacências é terreno minado – para qualquer um, imagine-se para uma judia”.