Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018.
http://espacovital.com.br/images/mab_123_11.jpg

A punição financeira da juizite



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

 

 Chinelada financeira no bolso da toga do juiz

O juiz do Trabalho Bento Luiz de Azambuja Moreira, que suspendeu em 2007 uma audiência porque o reclamante - um trabalhador rural - usava chinelos, deverá ressarcir à União os R$ 12,4 mil pagos ao lavrador a título reparação moral. A sentença é do juiz federal Alexandre Moreira Gauté, da 1ª Vara Federal de Paranaguá (PR). Não há trânsito em julgado.

Recordando o triste ato de juizite, o caso aconteceu no município de Cascavel (PR). Foi na cidade do oeste paranaense que o juiz Bento, ao perceber que o trabalhador Joanir Pereira calçava chinelos, determinou que ele saísse da sala. O magistrado logo disse aos advogados presentes que a audiência não seria realizada porque a falta de sapatos fechados "atenta contra a dignidade do Judiciário". À época, o caso foi divulgado com primazia nacional pelo Espaço Vital e teve imediata repercussão nacional e internacional.

A sentença cível considerou agora que a atitude de Bento tem reflexos administrativos, portanto ele deve ser responsabilizado civilmente pelo dano causado, mesmo que tenha agido sem dolo e s[o culposamente. A decisão refere que “quando o juiz decide que uma pessoa somente pode ser ouvida em audiência se estiver vestindo determinado tipo de roupa não há nada de jurisdicional”.

O magistrado sentenciante da ação ajuizada pela União considerou que o juiz Bento agiu com culpa grave, pois "era absolutamente previsível o abalo moral causado ao autor da reclamatória trabalhista pelo adiamento da audiência, cujo motivo foi apenas o fato de ele não estar usando sapatos fechados".

Bento atualmente exerce a jurisdição na 21ª Vara do Trabalho de Curitiba. (Proc. nº 5000622-16.2013.4.04.700).

Leia a íntegra da sentença que condena o juiz

 Marcela no supermercado?

Na quarta-feira (8), Dia Internacional da Mulher, o presidente Temer disse, entre outras coisas, que “na economia a mulher brasileira tem grande participação – e ninguém mais é capaz de indicar os desajustes de preços no supermercado do que ela”.

E por aí o presidente se foi: “Ninguém é capaz de melhor detectar as eventuais flutuações econômicas que a mulher, pelo orçamento doméstico maior ou menor".

A “rádio-corredor” do Conselho Federal da OAB não perdeu tempo e logo lançou a pergunta: “Será que a primeira dama Marcela vai ao supermercado?”

Há controvérsias...

 Vale a pena tentar

Decisão proferida anteontem (8) na 43ª Vara Cível do Rio de Janeiro concedeu liminar a favor de 41 pais de alunos do Lycée Molière, o afamado colégio carioca-francês bilíngue, frequentado por filhos de pais abastados.

A ação coletiva foi contra o aumento, em plena crise, de até 18% nas mensalidades, que já custavam R$ 3 mil.

Todos os pais depositaram o valor das mensalidades sem o reajuste e o montante ficará retido em juízo até uma solução.

A ideia pode animar outros pais brasileiros, país afora. Inclusive Porto Alegre.

 O secretário da in-segurança

Seis meses e uma semana depois de assumir a Secretaria da Segurança do Estado, o político Cezar Schirmer tem números piores do que seu antecessor: na sua gestão houve uma alta de 12% nos latrocínios e 10% nos homicídios. E por aí se vai.

Símbolo do PMDB gaúcho, Schirmer ocupou, antes, três vezes o cargo de secretário em diferentes pastas no Palácio Piratini.

Prefeito de Santa Maria em dois mandatos, teve a trajetória ali marcada negativamente pelo incêndio da boate Kiss, em janeiro de 2013, logo depois de reeleger-se. A história do alvará expedido pela Prefeitura para o funcionamento da trágica casa noturna nunca ficou bem esclarecida.

É mansa a fala dele com explicações (?) sobre a crise estadual de insegurança. E a sociedade gaúcha está perdendo a paciência.


Comentários

Rafael De Faria Corrêa - Advogado 10.03.17 | 19:50:46

O secretário da IN-SEGURANÇA Cezar Schirmer é um dos piores políticos do RS, sempre foi puxa-saco, desde a época do governador Simon; quem conhece esse senhor sabe o que estou dizendo.

Jorge Luís Miranda Abeljor - Advogado 10.03.17 | 17:04:05

Parabéns ao juiz federal Alexandre Moreira Gauté, da 1ª Vara Federal de Paranaguá (PR) ao dar uma chinelada no bolso do colega. É de juiz deste quilate que a nossa sociedade clama!

Nedson Culau - Advogado 10.03.17 | 14:35:28

Relembrando: anos atrás, a OAB do Paraná disponibilizava "roupa adequada" para que os cidadãos/clientes pudessem "participar" das audiências. Fiz uma critica feroz a tal atitude da entidade pois acaso "sua excelência deus" vislumbrasse uma "indignidade", ela - que ganha mais de 100 mil hoje, entre salários e penduricalhos - que tirasse dinheiro do bolso e comprasse o "traje adequado" para que os servos se apresentassem à sua frente...

Banner publicitário

Mais artigos do autor

O marketing da corrupção e a lentidão judicial

 Uma fraude que lesou o Banrisul em 2009 ainda não tem sentença. E o processo está parado numa vara criminal de Porto Alegre.

Advogado gaúcho, esposa e filhos são reintegrados, por decisão judicial, à Igreja Assembleia de Deus.

 Indeferidos 47 dos 49 pedidos de Eduardo Cunha, em ação em que o MPF pede 386 anos de prisão ao notório ex-deputado.

 Confirmada condenação de Joaquim Barbosa, por mandar jornalista “chafurdar no lixo”.

Sete anos sem resposta para a fraude dos alvarás judiciais

 Ação penal sobre desvios de dinheiro está esquecida em alguma prateleira da 2ª Vara Criminal de Caxias do Sul.

• O estratégico “um mês a mais” na condenação de Lula a 12 anos de prisão. Uma conclamação a advogados penalistas.

• Jair Bolsonaro diz como resolveria o predomínio da bandidagem na Rocinha...

• Por que a audiência do canal Sexy Hot está em alta?

Uma conversa captada em elevador de uma Corte do Sul: “Advogada é bicho cruel”...

 O súbito pânico de homens adúlteros que jantavam tranquilamente numa quinta-feira de verão.

 O Facebook prefere se defender nos Estados Unidos. E contrata o ministro aposentado Ayres Britto para atuar no Supremo brasileiro.

 O quanto STF, STJ e Congresso gastam nas salas vips do Aeroporto de Brasília.

Em defesa da marca “IVI – Imprensa Vermelha Isenta”

O engenheiro Ricardo Wortmann, blogueiro da Corneta do RW, notifica extrajudicialmente o radialista Pedro Ernesto Denardin, da RBS.
O séquito de Temer e Marcela, no Carnaval no Rio, tem 40 pessoas.
Carlos Marun deixa as feições de pitbull: “Sou apaixonado por mim como político”.

Condenação criminal de advogado gaúcho por assédio sexual contra estagiária

São pelo menos cinco ocorrências comprovadas. O acusado tem 60 de idade e era também conselheiro tutelar.
 Uma aterrissagem jurídica do Ministério Público na poderosa Decolar.com : preços para clientes brasileiros são mais caros.
 TST julgará bilionário recurso sobre as horas extras na Petrobras.
 O espantoso emagrecimento dos irmãos Batista na carceragem da Polícia Federal.

Ilegalidade, imoralidade e lesividade em empreendimento imobiliário em Canela (RS)

• Condenação da empresa Maiojama Participações em R$ 25,9 milhões. Valor atualizado se aproxima dos R$ 39 milhões. Ação popular ajuizada por advogado está relacionada com o empreendimento imobiliário Reserva da Serra.

• TJRS arquiva representação da OAB gaúcha contra o desembargador Sylvio Baptista Neto: a expressão ´advogados de porta de cadeia´ foi apenas “um verdadeiro desabafo”.

• Hotel Embaixador de Porto Alegre vence ação contra Hotel Embaixador Inn, de Itajubá (MG).