Ir para o conteúdo principal

Terça-feira, 25 de Abril de 2017
http://espacovital.com.br/images/unnamed.jpg

A punição financeira da juizite



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

 

 Chinelada financeira no bolso da toga do juiz

O juiz do Trabalho Bento Luiz de Azambuja Moreira, que suspendeu em 2007 uma audiência porque o reclamante - um trabalhador rural - usava chinelos, deverá ressarcir à União os R$ 12,4 mil pagos ao lavrador a título reparação moral. A sentença é do juiz federal Alexandre Moreira Gauté, da 1ª Vara Federal de Paranaguá (PR). Não há trânsito em julgado.

Recordando o triste ato de juizite, o caso aconteceu no município de Cascavel (PR). Foi na cidade do oeste paranaense que o juiz Bento, ao perceber que o trabalhador Joanir Pereira calçava chinelos, determinou que ele saísse da sala. O magistrado logo disse aos advogados presentes que a audiência não seria realizada porque a falta de sapatos fechados "atenta contra a dignidade do Judiciário". À época, o caso foi divulgado com primazia nacional pelo Espaço Vital e teve imediata repercussão nacional e internacional.

A sentença cível considerou agora que a atitude de Bento tem reflexos administrativos, portanto ele deve ser responsabilizado civilmente pelo dano causado, mesmo que tenha agido sem dolo e s[o culposamente. A decisão refere que “quando o juiz decide que uma pessoa somente pode ser ouvida em audiência se estiver vestindo determinado tipo de roupa não há nada de jurisdicional”.

O magistrado sentenciante da ação ajuizada pela União considerou que o juiz Bento agiu com culpa grave, pois "era absolutamente previsível o abalo moral causado ao autor da reclamatória trabalhista pelo adiamento da audiência, cujo motivo foi apenas o fato de ele não estar usando sapatos fechados".

Bento atualmente exerce a jurisdição na 21ª Vara do Trabalho de Curitiba. (Proc. nº 5000622-16.2013.4.04.700).

Leia a íntegra da sentença que condena o juiz

 Marcela no supermercado?

Na quarta-feira (8), Dia Internacional da Mulher, o presidente Temer disse, entre outras coisas, que “na economia a mulher brasileira tem grande participação – e ninguém mais é capaz de indicar os desajustes de preços no supermercado do que ela”.

E por aí o presidente se foi: “Ninguém é capaz de melhor detectar as eventuais flutuações econômicas que a mulher, pelo orçamento doméstico maior ou menor".

A “rádio-corredor” do Conselho Federal da OAB não perdeu tempo e logo lançou a pergunta: “Será que a primeira dama Marcela vai ao supermercado?”

Há controvérsias...

 Vale a pena tentar

Decisão proferida anteontem (8) na 43ª Vara Cível do Rio de Janeiro concedeu liminar a favor de 41 pais de alunos do Lycée Molière, o afamado colégio carioca-francês bilíngue, frequentado por filhos de pais abastados.

A ação coletiva foi contra o aumento, em plena crise, de até 18% nas mensalidades, que já custavam R$ 3 mil.

Todos os pais depositaram o valor das mensalidades sem o reajuste e o montante ficará retido em juízo até uma solução.

A ideia pode animar outros pais brasileiros, país afora. Inclusive Porto Alegre.

 O secretário da in-segurança

Seis meses e uma semana depois de assumir a Secretaria da Segurança do Estado, o político Cezar Schirmer tem números piores do que seu antecessor: na sua gestão houve uma alta de 12% nos latrocínios e 10% nos homicídios. E por aí se vai.

Símbolo do PMDB gaúcho, Schirmer ocupou, antes, três vezes o cargo de secretário em diferentes pastas no Palácio Piratini.

Prefeito de Santa Maria em dois mandatos, teve a trajetória ali marcada negativamente pelo incêndio da boate Kiss, em janeiro de 2013, logo depois de reeleger-se. A história do alvará expedido pela Prefeitura para o funcionamento da trágica casa noturna nunca ficou bem esclarecida.

É mansa a fala dele com explicações (?) sobre a crise estadual de insegurança. E a sociedade gaúcha está perdendo a paciência.


Comentários

Rafael De Faria Corrêa - Advogado 10.03.17 | 19:50:46
O secretário da IN-SEGURANÇA Cezar Schirmer é um dos piores políticos do RS, sempre foi puxa-saco, desde a época do governador Simon; quem conhece esse senhor sabe o que estou dizendo.
Jorge Luís Miranda Abel - Advogado 10.03.17 | 17:04:05
Parabéns ao juiz federal Alexandre Moreira Gauté, da 1ª Vara Federal de Paranaguá (PR) ao dar uma chinelada no bolso do colega. É de juiz deste quilate que a nossa sociedade clama!
Nedson Culau - Advogado 10.03.17 | 14:35:28
Relembrando: anos atrás, a OAB do Paraná disponibilizava "roupa adequada" para que os cidadãos/clientes pudessem "participar" das audiências. Fiz uma critica feroz a tal atitude da entidade pois acaso "sua excelência deus" vislumbrasse uma "indignidade", ela - que ganha mais de 100 mil hoje, entre salários e penduricalhos - que tirasse dinheiro do bolso e comprasse o "traje adequado" para que os servos se apresentassem à sua frente...
Banner publicitário

Mais artigos do autor

Tribunal autoriza que mulher seja fecundada por esperma do tio da criança que será gestada

• Caso é brasileiro e Conselho Regional de Medicina havia desautorizado o procedimento.

 OAB vê “estelionato educacional” na criação dos cursos de “tecnólogo e técnicos em Serviços Jurídicos”.

• Coisas de um Brasil rico: proventos de R$ 152 mil e R$ 198 mil para ministros aposentados do Superior Tribunal Militar.

Sucesso da feira Sexy Fair: vibradores sem fio, comandados pelo parceiro, à distância, via Internet.

Sai o diretor de Tecnologia da Informação do TJRS

• Uma semana depois da audiência pública em que houve maciça reclamação advocatícia, muda o comando do setor no tribunal gaúcho.
• Os números e percentuais da ficha delinquencial da política brasileira.
• TST vai definir, na quinta-feira (20), se as empresas podem pedir negativa de antecedentes criminais antes de admitir uma pessoa.

Honorários de sucumbência são prioridade e podem ser pagos por RPV; mas os contratuais não!

  Decisão do STF estabelece que a Súmula Vinculante n° 47 - que permite priorizar o pagamento de honorários sucumbenciais - não se aplica a honorários contratuais; estes devem ser incluídos no valor total da causa.

  Botox aplicado por dentistas, na face de clientes, vira caso judicial.

 Financiadores do filme “Polícia Federal: a lei é para todos” temem represálias políticas a curto, médio ou longo prazos.

 Licença remunerada de 180 dias a um funcionário que se tornou pai ao adotar, com o companheiro, um bebê de cinco meses.

Delação da OAS alcançaria também magistrados envolvidos em corrupção

 Parte das acusações guardam conexão com uma das frentes de investigação da Operação Calicute, que levou o ex-governador Sérgio Cabral e ex-auxiliares à prisão.

 Deflagrada sucessão no TJRS: Carlos Eduardo Zietlow Duro será o candidato da situação.

 Apreensão de passaporte de empresário que não paga dívida.

  Polêmica na indicação de advogado indicado para integrar o CNJ

Uma nova ferramenta virtual para ajudar a contar os prazos em todos os tribunais

• Aplicativo gratuito é da Legal Cloud, por meio da qual advogados e estagiários indicam o total de dias a serem contabilizados, o código legislativo correspondente (CPC ou CPP) e o tribunal onde o processo tramita.
• Decisão judicial libera R$ 15 mil para “desapertar” bovinos que passavam fome.
• Pérola forense: as diferenças entre uma testemunha “arrolada” e uma vítima “rolada”.

Cem minutos sem falar em Temer, Dilma, Lava-Jato e tartarugas judiciais

  Como fazer chimarrão em 30 segundos! Detalhes sobre o excelente show do “Guri de Uruguaiana”, que convence gaúchos que é possível, temporariamente, esquecer a corrupção e a crise brasileira.

  Processo disciplinar contra juíza que chega atrasada às audiências.

  Penduricalhos para a magistratura, garantidos por lei estadual.

  Combate a ratos, baratas e pragas no ambiente político.