Ir para o conteúdo principal

Sexta-Feira, 20 Outubro de 2017

Novas regras dos cartões de crédito entram em vigor em 3 de abril



Quatro dos cinco principais bancos brasileiros de varejo – Banco do Brasil, Bradesco, Itaú-Unibanco e Santander – já anunciaram as novas regras para uso do rotativo do cartão de crédito, que entram em vigor 3 de abril. As instituições financeiras agora apressam-se para comunicar as mudanças e tirar dúvidas dos clientes.

O pagamento mínimo da fatura poderá incluir parte ou todo o saldo do rotativo. Na prática, a depender do banco, o valor ficará mais alto.

Apesar de as novas regras alegadamente visarem a reduzir os juros pago pelo cliente, órgãos de defesa do consumidor cobram mais clareza sobre os novos padrões de cobrança. O juro do rotativo, de cerca de 500% ao ano, é hoje a mais cara linha de crédito.

Recentemente, o Conselho Monetário Nacional (CMN) determinou um limite de uso do rotativo: 30 dias. Passado o período, haverá uma migração automática para o parcelado do cartão, que também tem um juro alto, embora menor do que o do rotativo. O CMN não determinou como deve funcionar o sistema e por isso cada banco definiu um padrão de cobrança.

Como o uso do rotativo será limitado, os bancos – alegadamente - diminuíram a taxa de juros desta modalidade. Algumas instituições financeiras também baixaram o custo do parcelado. A conferir, até mesmo porque há controvérsias.

O que já se sabe

· No Banco do Brasil, o primeiro a anunciar a nova regulamentação, o cliente poderá parcelar em 24 vezes o valor devido. É possível também fazer o pagamento mínimo, composto de todo o saldo rotativo e de pelo menos 15% dos novos gastos.

· O Itaú Unibanco também colocou o valor integral do rotativo no mínimo da fatura. Ou, se quiser, o correntista do banco pode quitar algum valor entre uma parcela já calculada e o valor mínimo da fatura para entrar automaticamente no parcelado – fixado em 12 vezes – a partir do mês seguinte.

· No Santander, o pagamento mínimo passa a representar, ao menos, 15% da soma entre o saldo remanescente do mês anterior e os novos gastos, se existirem. O restante é automaticamente parcelado – de 4 a 18 vezes – na próxima fatura.

· Assim como já é atualmente, quitar qualquer cifra abaixo do valor mínimo deixa o consumidor inadimplente e exclui o acesso ao rotativo ou parcelamento.

Falta clareza

O Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) está elaborando uma carta ao BC para apontar os pontos que considera falhos na mudança. “A norma está muito solta e é difícil de entender. Isso é prejudicial ao consumidor” - diz Ione Amorim, economista-chefe do Idec.

A especialista diz que, da maneira como serão as aplicadas as regras, a tendência é que o consumidor recorra mais ao mínimo. “O risco é replicar a dinâmica atual do rotativo.”


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

H2OH! não é água

A União perde ação que buscava que a fabricante Pepsico alterasse a rotulagem e a marca do produto. TRF-3 definiu que o cidadão com instrução suficiente para conhecer a fórmula química da água é capaz também de perceber que se trata de refrigerante.

Validade da cláusula que admite atraso em entrega de imóvel comprado na planta

STJ rechaça tese sustentada por casal de compradores de que a incorporadora e a construtora - ao estipularem o prazo de entrega – devem considerar a possibilidade de atraso. Riscos, doravante, de que o consumidor seja seduzido com a informação enganosa de que o imóvel será entregue em data certa.

Hyundai responderá por fraude na venda de automóvel

Empresário comprou automóvel no interior de revenda autorizada, mas jamais recebeu o veículo. Aplicação pelo STJ da teoria da aparência. “Quando qualquer entidade se apresente como fornecedora de determinado bem ou serviço, ou mesmo que ela, por sua ação ou omissão, causar danos ao consumidor, será por eles responsável” – conclui o julgado.

O enfraquecimento da condição de consumidor

Julgado do STJ estabelece que “apesar da proteção contratual do consumidor estabelecida pelo CDC, o benefício do foro privilegiado estampado no art. 101, I, do CPC não resulta, ´per se, em nulidade absoluta das cláusulas de eleição de foro estabelecidas contratualmente´”.