Ir para o conteúdo principal

Terça-feira, 28 de Março de 2017

Novas regras dos cartões de crédito entram em vigor em 3 de abril



Quatro dos cinco principais bancos brasileiros de varejo – Banco do Brasil, Bradesco, Itaú-Unibanco e Santander – já anunciaram as novas regras para uso do rotativo do cartão de crédito, que entram em vigor 3 de abril. As instituições financeiras agora apressam-se para comunicar as mudanças e tirar dúvidas dos clientes.

O pagamento mínimo da fatura poderá incluir parte ou todo o saldo do rotativo. Na prática, a depender do banco, o valor ficará mais alto.

Apesar de as novas regras alegadamente visarem a reduzir os juros pago pelo cliente, órgãos de defesa do consumidor cobram mais clareza sobre os novos padrões de cobrança. O juro do rotativo, de cerca de 500% ao ano, é hoje a mais cara linha de crédito.

Recentemente, o Conselho Monetário Nacional (CMN) determinou um limite de uso do rotativo: 30 dias. Passado o período, haverá uma migração automática para o parcelado do cartão, que também tem um juro alto, embora menor do que o do rotativo. O CMN não determinou como deve funcionar o sistema e por isso cada banco definiu um padrão de cobrança.

Como o uso do rotativo será limitado, os bancos – alegadamente - diminuíram a taxa de juros desta modalidade. Algumas instituições financeiras também baixaram o custo do parcelado. A conferir, até mesmo porque há controvérsias.

O que já se sabe

· No Banco do Brasil, o primeiro a anunciar a nova regulamentação, o cliente poderá parcelar em 24 vezes o valor devido. É possível também fazer o pagamento mínimo, composto de todo o saldo rotativo e de pelo menos 15% dos novos gastos.

· O Itaú Unibanco também colocou o valor integral do rotativo no mínimo da fatura. Ou, se quiser, o correntista do banco pode quitar algum valor entre uma parcela já calculada e o valor mínimo da fatura para entrar automaticamente no parcelado – fixado em 12 vezes – a partir do mês seguinte.

· No Santander, o pagamento mínimo passa a representar, ao menos, 15% da soma entre o saldo remanescente do mês anterior e os novos gastos, se existirem. O restante é automaticamente parcelado – de 4 a 18 vezes – na próxima fatura.

· Assim como já é atualmente, quitar qualquer cifra abaixo do valor mínimo deixa o consumidor inadimplente e exclui o acesso ao rotativo ou parcelamento.

Falta clareza

O Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) está elaborando uma carta ao BC para apontar os pontos que considera falhos na mudança. “A norma está muito solta e é difícil de entender. Isso é prejudicial ao consumidor” - diz Ione Amorim, economista-chefe do Idec.

A especialista diz que, da maneira como serão as aplicadas as regras, a tendência é que o consumidor recorra mais ao mínimo. “O risco é replicar a dinâmica atual do rotativo.”


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

TJRS põe fim a tarifas abusivas cobradas pela Sky

Procedência de ação civil pública ajuizada por entidade de defesa dos consumidores obtém o fim da cobrança de penduricalhos de “licenciamento de software e segurança, locação de equipamento de sistema opcional e sistema de gravação”. Segundo a Adecon trata-se de uma burla para substituir a “taxa por ponto extra”, que foi proibida pela Anatel.

Proibida a cobrança de bagagens em voos

Liminar da Justiça Federal de São Paulo, em ação civil pública do Ministério Público Federal com efeitos nacionais, derruba norma da ANAC que entraria em vigor nesta terça-feira (14). Agência reguladora foi criada em 2005, no primeiro governo Lula, prometendo “descentralização administrativa e menor influência política direta”.

Quatro semestres de estudos perdidos!

Propaganda enganosa! Oferta de curso inexistente leva o STJ a condenar faculdade a indenizar aluno por dano moral, além de devolver o valor corrigido das mensalidades pagas.

Se você usa o Uber, fique ligado!

Página falsa aplica golpe em usuários. Com o nome de UberBr, o saite usa uma página no Facebook para prometer bônus de R$ 100 no aplicativo.