Ir para o conteúdo principal

Sexta -feira, 18 Agosto de 2017

Novas regras dos cartões de crédito entram em vigor em 3 de abril



Quatro dos cinco principais bancos brasileiros de varejo – Banco do Brasil, Bradesco, Itaú-Unibanco e Santander – já anunciaram as novas regras para uso do rotativo do cartão de crédito, que entram em vigor 3 de abril. As instituições financeiras agora apressam-se para comunicar as mudanças e tirar dúvidas dos clientes.

O pagamento mínimo da fatura poderá incluir parte ou todo o saldo do rotativo. Na prática, a depender do banco, o valor ficará mais alto.

Apesar de as novas regras alegadamente visarem a reduzir os juros pago pelo cliente, órgãos de defesa do consumidor cobram mais clareza sobre os novos padrões de cobrança. O juro do rotativo, de cerca de 500% ao ano, é hoje a mais cara linha de crédito.

Recentemente, o Conselho Monetário Nacional (CMN) determinou um limite de uso do rotativo: 30 dias. Passado o período, haverá uma migração automática para o parcelado do cartão, que também tem um juro alto, embora menor do que o do rotativo. O CMN não determinou como deve funcionar o sistema e por isso cada banco definiu um padrão de cobrança.

Como o uso do rotativo será limitado, os bancos – alegadamente - diminuíram a taxa de juros desta modalidade. Algumas instituições financeiras também baixaram o custo do parcelado. A conferir, até mesmo porque há controvérsias.

O que já se sabe

· No Banco do Brasil, o primeiro a anunciar a nova regulamentação, o cliente poderá parcelar em 24 vezes o valor devido. É possível também fazer o pagamento mínimo, composto de todo o saldo rotativo e de pelo menos 15% dos novos gastos.

· O Itaú Unibanco também colocou o valor integral do rotativo no mínimo da fatura. Ou, se quiser, o correntista do banco pode quitar algum valor entre uma parcela já calculada e o valor mínimo da fatura para entrar automaticamente no parcelado – fixado em 12 vezes – a partir do mês seguinte.

· No Santander, o pagamento mínimo passa a representar, ao menos, 15% da soma entre o saldo remanescente do mês anterior e os novos gastos, se existirem. O restante é automaticamente parcelado – de 4 a 18 vezes – na próxima fatura.

· Assim como já é atualmente, quitar qualquer cifra abaixo do valor mínimo deixa o consumidor inadimplente e exclui o acesso ao rotativo ou parcelamento.

Falta clareza

O Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) está elaborando uma carta ao BC para apontar os pontos que considera falhos na mudança. “A norma está muito solta e é difícil de entender. Isso é prejudicial ao consumidor” - diz Ione Amorim, economista-chefe do Idec.

A especialista diz que, da maneira como serão as aplicadas as regras, a tendência é que o consumidor recorra mais ao mínimo. “O risco é replicar a dinâmica atual do rotativo.”


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Abusividade da Sadia ao incentivar consumo de produtos calóricos

STJ confirma multa de R$ 428 mil, valor retroativo a 2007. Campanha publicitária direcionada ao público infantil, incentivava os pequenos consumidores a trocarem os selos impressos nas embalagens por mascotes dos Jogos Olímpicos, mediante o pagamento adicional de R$ 3,00. 

Moeda antiga no interior de mariola saboreada por advogado porto-alegrense

Condenação da fabricante DaColônia Alimentos Naturais e da Cia. Zaffari Comércio e Indústria.  Configuração do dano moral sem que se exija a ingestão completa do alimento com o corpo estranho. “A potencial exposição do consumidor a risco já basta para a configuração da lesão extrapatrimonial” – diz o julgado.