Ir para o conteúdo principal

Terça-feira, 27 de Junho de 2017

A ousadia da lei feita em causa própria



Por Silvana Batini, professora da FGV e procuradora regional da República (*)

A anistia ao caixa 2 voltou à pauta do Congresso. Alegam, seus defensores, que é preciso separar os que receberam doações “informais” daqueles que se financiaram na corrupção, já que o cenário atual acabou por confundir tudo e todos.

É verdade que caixa 2 não se confunde com corrupção. Mesmo porque a Lava-Jato mostrou e o Supremo acaba de reconhecer que propina pode ingressar em campanhas também pelo caixa 1.

Corrupção e caixa 2 são crimes diversos que podem coexistir ou não.

Também é verdade que o delito de caixa 2 tem uma história de baixíssima eficácia, já que quase ninguém foi punido por ele. O histórico de impunidade pode estar justamente na gênese desta ideia de que o financiamento clandestino de campanhas é uma irregularidade menor e socialmente aceita. Todos faziam e, acima de tudo, todos sabiam disso.

Mal comparando, quantos de nós ficariam parados diante do sinal vermelho, assistindo a outros carros atravessarem impunemente?

Mas há uma questão pouco aprofundada até agora. Campanhas eleitorais eram feitas até 2016 sem fixação de limite de gastos. Cada candidato ou partido podia dizer quanto queria gastar. Empresas podiam doar até 2% de seu faturamento. Por que, então, o caixa 2 se consagrou com a forma usual de financiamento eleitoral?

Há algumas respostas óbvias: recursos são ocultados por interesse do doador ou do candidato. E esses interesses são sempre escusos. Seja porque se trata de recursos sonegados ao Fisco, seja porque são provenientes de fontes ilícitas, ou porque são empregados na campanha ou fora dela de maneira irregular. Relativizar isso é perigoso.

Politicamente, anistiar o crime de caixa 2 tem um custo alto: a mensagem à nação de que leis eleitorais vigoram apenas enquanto não incomodam quem está no poder.

Juridicamente, ainda um problema. Uma ousadia dessa natureza empurraria mais uma vez ao Supremo a tarefa de colocar ordem na casa. Afinal, uma lei em causa própria desafia o princípio da razoabilidade. E a Constituição não permite isto.

----------
(*) Artigo originalmente publicado em O Globo, 11.03.2017


Comentários

Israel Liutti - Advogado 14.03.17 | 11:35:07
Alguém aí tem alguma pista de como o dinheiro de propinas e corrupção saiam e ainda saem dos bancos e estes não declaram ao Banco Central? Que mágica contábil é essa?
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

A retirada da CNH do devedor de alimentos

Conquanto polêmica, caso adotada com cautela e com o objetivo de evitar um ´mal maior´, a substituição da prisão civil pela suspensão da carteira nacional de habilitação, parece ser um adequado caminho para conciliar os direitos e as expectativas das pessoas envolvidas”. Artigo do advogado Daniel Ustárroz.

A advocacia pública e seu direito aos honorários de sucumbência

“Há agentes políticos que resistem a encaminhar o projeto de lei regrando o assunto, sob o fundamento de que se trataria de verba pública e, consequentemente, não destinada ao advogado público”. Artigo de Eriane Moraes Fogaça, advogada pública em Gramado (RS).

Brasil: campeão de ações trabalhistas

Concorrem para o excesso de ações trabalhistas o uso de subjetividade em sentenças judiciais, o anseio dos advogados para promover ações que lhes garantem bons honorários, e o volume de infrações decorrentes de violações ou incapacidade de cumprimento por parte dos empregadores”. Artigo do sociólogo e professor José Pastore.