Ir para o conteúdo principal

Terça-feira, 23 de Maio de 2017

A Reforma da Previdência e o preço de ser mulher hoje



Artigo da advogada Elisa Torelly, advogada (OAB-RS nº 76.371)

Entre as principais mudanças defendidas por meio da Proposta de Emenda Constitucional nº 287/2016, de autoria do Poder Executivo e referente à Reforma da Previdência, está a equiparação entre homens e mulheres, no que diz respeito à idade mínima e ao tempo de contribuição exigidos para obter um benefício previdenciário de aposentadoria. O Governo Federal, defensor da Reforma, sob o argumento controverso de que a sua condição seria deficitária, quer estabelecer uma igualdade formal, silenciando quanto à flagrante desigualdade material entre homens e mulheres, na distribuição das tarefas domésticas. A luta contra a aprovação da Reforma, portanto, foi uma das principais palavras de ordem, nas ruas brasileiras, durante as marchas do dia 8 de março, para marcar a Greve Internacional de Mulheres.

Primeiro, é necessário ter clareza ao enfrentar o argumento do desequilíbrio dos cofres públicos como pretexto para suprimir direitos previdenciários. Ao propagar o mito do déficit da Previdência, os apoiadores da reforma a descontextualizam, deixando de a considerar como integrante do Sistema de Seguridade Social, estabelecido pelos artigos 194 e seguintes da Constituição da República de 1988(1). E propositadamente omitem que esse sistema, conforme anualmente divulgado em estudos da Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal, é superavitário(2). A classe trabalhadora está prestes a sofrer um desmonte de benefícios que só tende a propiciar um maior aporte de recursos ao pagamento da dívida pública, que nunca passou por uma auditoria. Querem retirar dos mais pobres o pouco que conquistaram, historicamente, em políticas sociais, para beneficiar, acima de tudo, o sistema financeiro.

Segundo, ainda que “a quebra” da Previdência fosse verdadeira (e, repita-se, não o é), seria inaceitável que homens e mulheres passassem a se aposentar sob as mesmas exigências. As mulheres gastam pelo menos o dobro do tempo em relação aos homens com tarefas domésticas(3); dados também mostram que, quanto mais pobres, mais tempo do dia elas passam trabalhando em casa(4). Ainda que mais escolarizadas, recebem salários 24% mais baixos do que os colegas homens que desempenham as mesmas funções, e enfrentam muito mais dificuldades para alcançar postos de chefia(5). A chance de se aposentar com menos tempo de serviço e com menos idade do que os homens é um dos poucos mecanismos criados para compensar, ainda que minimamente, os danos provocados por tão injusta e desigual condição.

Apesar de mais livres da imposição social de ter casamento e filhos como única fonte de realização, as mulheres têm em seus ombros o ônus de conciliar o trabalho remunerado com os encargos domésticos, seja qual for o arranjo familiar adotado. A mesma estrutura social que, lentamente, abre a elas espaço nas funções de destaque das organizações, diz implicitamente que o esforço em equilibrar a vida profissional com o cuidado das crianças, dos doentes e dos idosos da família é uma responsabilidade individual. Impõe, assim, um preço pela escolha de “brincar” no jogo do mercado de trabalho desenvolvido pelos e para os homens: postergar ou abrir mão da maternidade, ou suportar sozinha o peso de ser uma boa profissional e de bem cuidar da casa e dos filhos – dilemas que colegas do gênero masculino, via de regra, não precisam enfrentar. Não há igualdade efetiva quando os homens podem exercer a sua profissão com muito menor custo pessoal do aquele assumido pelas mulheres.(6)

No Brasil, há um silêncio oficial sobre a necessidade de os homens saírem de suas zonas de conforto e passarem a dividir as tarefas domésticas (e não “ajudarem” as mulheres em tais encargos, como o senso comum insiste em referir, como se fossem da essência feminina). Assim, é vista com normalidade e sem escândalo, nos lares brasileiros, a cena de um homem sentado no sofá vendo televisão e descansando, enquanto alguma mulher da família, após longa jornada de trabalho, desdobra-se cuidar da casa e dar a melhor atenção possível aos familiares dependentes. De outro lado, muitos países desenvolvidos passam a conceder aos seus cidadãos a licença paternidade, como a clara mensagem de que o cuidado dos bebês em seus primeiros meses de vida não deve ser tarefa exclusiva da mãe(7). E estimulam as empresas a estabelecerem medidas neutras, quanto ao gênero, para permitir que seus profissionais tenham condições de equilibrar o trabalho fora de casa com a vida e os deveres familiares, incentivando os gestores a não punirem funcionários que mais necessitem de flexibilidade para alcançar tal equilíbrio.(8)

Igualar homens e mulheres apenas quanto aos requisitos para aposentadoria, sem que tenha sido alcançada a igualdade material no que diz respeito à distribuição das atividades de cuidado da casa, das crianças e dos idosos, é submeter as mulheres trabalhadoras a uma vida ainda mais penosa. É não valorizar que gastem, com muito esforço, mais do que o dobro do que os homens com as atividades domésticas. É seguir as submetendo a toda a espécie de obstáculos para que tenham pleno domínio sobre as suas vidas, e dizer, oficialmente, que elas são responsáveis individualmente, e não a sociedade, pelo peso de equilibrar o trabalho de dentro com o de fora de casa.

O dia 8 de março de 2017, que levou milhares de mulheres a marcharem pela Greve Internacional de Mulheres, promete seguir reverberando nas ruas brasileiras nos dias que virão. É que teve um diferencial em relação às marchas que o inspiraram, recentemente, na Argentina (contra os índices alarmantes de feminicídios) e nos Estados Unidos (contra a conduta sexista do presidente Donald Trump): a luta contra a Reforma da Previdência, que tem as mulheres trabalhadoras como as maiores prejudicadas.
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

1 Fonte http://www.auditoriacidada.org.br/blog/2016/05/31/o-mito-do-deficit-da-previdencia-fatia-que-faltava-para-o-mercado-financeiro/, acesso 12-3-2017.

2 Fonte: http://fundacaoanfip.org.br/site/2016/06/a-dru-e-o-falso-deficit-da-previdencia-social/, acesso em 12-3-2017.

3 Fonte: http://oglobo.globo.com/economia/que-horas-ele-chega-mulher-trabalha-cada-vez-mais-que-homem-18718278#ixzz411NVPstx, acesso em 12-3-2017.

4 Fonte: http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/economia/2017/03/05/internas_economia,578223/mulher-perde-mais-do-que-homem-na-reforma-da-previdencia.shtml, acesso em 12-3-2017.

5 Fonte: http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2016-12/mercado-de-trabalho-continua-discriminando-mulheres-independentemente-da-crise, acesso em 12-3-2017.

6. “Uma pesquisa feita nos Estados Unidos pela economista Sylvia Ann Hewlett com profissionais corporativos muito bem-sucedidos, que em 2002 ganhavam mais de US$ 100 mil anuais, revelou números sobre o quanto a profissão afetava muito mais a vida pessoal das mulheres do que dos homens. Enquanto apenas seis em cada dez mulheres deste grupo muito bem-sucedido com 41 a 55 anos eram casadas, entre os homens a proporção saltava para 83%. A disparidade em relação a filhos era ainda maior. Enquanto metade das mulheres não havia engravidado, apenas 19% dos homens não tinham filhos. E, claro, não se trata de uma escolha: boa parte abdicou do desejo de ter filhos para progredir no mundo corporativo”. Fonte: https://jota.info/advocacia/nao-e-mimimi-08032017, acesso em 12-3-2017.

7 Fonte: http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/08/150812_licenca_maternidade_paises_rm, acesso em 13-3-2017.

8 Fonte: https://www.weforum.org/agenda/2017/02/5-things-that-must-change-to-end-gender-inequality-at-work/, acesso em 13-3-2017.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Quando o imposto vira crime

Empresários estão sendo convocados em delegacias da Polícia Civil e da Polícia Federal para prestar contas de seus débitos fiscais, notadamente quando se entende que estes estão atrelados a alguma prática delitiva fiscal”. Artigo do advogado Carlos Eduardo Delmondi.

Duas categorias de juízes

Magistrada Ludmila Lins Grilo, da Justiça Estadual de Minas Gerais, observa que existem duas Justiças no Brasil, que não se misturam. Uma é a dos juízes por indicação política; a outra é a dos juízes concursados. "Sem constrangimento algum, rogo-lhes: não me coloquem no mesmo balaio do STF. Faço parte da outra Justiça: a de verdade".

E quem protege o empresário?

“Bem-vinda reforma trabalhista! O que houve, nas últimas décadas, foi o abandono da classe empresarial e a vitimização dos proprietários da mão de obra”. Artigo de Eduardo Berndt, especialista em gestão de empresas.

A aposentadoria e os “privilégios” dos servidores

Temos que fazer alguns ajustes, em razão da evolução demográfica, mas não pode ser com rupturas, nem com demagogia e ataques gratuitos à dignidade dos que, independentemente de governo, seguem servindo à sociedade com seriedade e eficiência”. Artigo de Vilson Antonio Romero, jornalista e auditor fiscal.