Ir para o conteúdo principal

Terça-feira, 28 de Março de 2017
http://espacovital.com.br/images/unnamed.jpg

Está chegando “Diário da Cadeia”, assinado por Eduardo Cunha, mas escrito por autor secreto



Arte de Camila Adamoli Thurow

Imagem da Matéria

 A chegada do “Diário da Cadeia

Chega às livrarias na segunda-feira 27 de março o livro "Diário da Cadeia", assinado pelo notório ex-deputado Eduardo Cunha, mas escrito por um autor secreto, cujo nome não será divulgado pela Editora Record, em função de exigência contratual. Em São Paulo conta-se que apenas o editor Carlos Andreazza e a proprietária da empresa, Sonia Jardim, sabem a identidade do verdadeiro escriba do texto final.

Quem viu páginas já impressas avalia que editora embaralha a realidade, começando pela estampa, na capa, de uma referência ao livro que Eduardo Cunha (o verdadeiro) prometeu (e ainda não cumpriu) escrever na cadeia, intitulado "Impeachment".

Em “Diário da Cadeia”, Michel Temer é personagem importante. Eis uma das passagens: “O presidente em exercício (que só está lá porque eu iniciei o processo de impeachment) está tentando se proteger, porque eu convoquei ele como minha testemunha. É uma característica de Michel Temer: sempre que se vê ameaçado ele divulga alguma coisa: um WhatsApp, uma carta, até poesia o sensível faz!”.

A propósito de poesia, “Diário da Cadeia” traz – neste março de 2017 - uma homenagem a Michel Temer, em versos:

"Delação quando nasce esparrama um montão.
O Temer quando ouve-fala: ´Imagina, eu não´.
Mas o país inteiro sabe que ele está metido tão...
Fundo que, se um dia acabe, prendem até a quinta geração”.

O editor do Espaço Vital percebeu uma métrica que remete ao poeta português Fernando Pessoa que – em março de 1934 – criou e recitou:

Batatinha quando nasce se esparrama pelo chão.
Menininha quando dorme põe a mão no coração.
Sou pequenininha do tamanho de um botão,
Carrego papai no bolso e mamãe no coração”.

 Trinta anos de Temer

Na próxima quinta-feira (16) completam-se exatos 30 anos da chegada e estreia de Michel Temer em Brasília, então ocupando - como suplente - a vaga aberta com o pedido de licença do deputado Antônio Tidei de Lima (PMDB-SP) que assumiu a Secretaria de Agricultura de São Paulo.

Na Assembleia Nacional Constituinte de 1987, Michel integrou a Subcomissão do Poder Judiciário e do Ministério Público e a Comissão de Redação.

Entre os temas debatidos na Constituinte, ele posicionou-se contra a pena de morte, a estabilidade no emprego, a desapropriação de propriedade produtiva, a estatização do sistema financeiro, a jornada semanal de 40 horas, o voto aos 16 anos, a reforma agrária e o monopólio na distribuição do petróleo.

Temer defendeu a legalização do aborto, o presidencialismo, a aposentadoria proporcional, o direito de greve, e o mandato de cinco anos para José Sarney. No livro “Quem foi quem na Constituinte”, recebeu uma nota média de 2,25 (o máximo era 10).

Na Constituinte, Temer também desempenhou o papel de representante dos advogados e procuradores, então conseguindo a aprovação do artigo 133: "O advogado é indispensável à administração da justiça, sendo inviolável por seus atos e manifestações no exercício da profissão, nos limites da lei”.

Cheiro de peixe - O colunista Ancelmo Gois escreveu no domingo (12), no jornal O Globo, que nestes 30 anos Temer “conviveu (e convive) com muito detrito político”.

O jornalista (sergipano, radicado no Rio) lembrou um provérbio de Frei Paulo: “As más companhias são como um mercado de peixe; acabamos por nos acostumar ao mau cheiro”.

 Escolham seus restaurantes!

O Tribunal Superior Eleitoral fixou, desde já, em R$ 35 o valor máximo para pagamento de alimentação a cada mesário ou colaborador que for convocado para trabalhar, gratuitamente, nas eleições de 2018.

É vedado o pagamento a magistrados, promotores (categorias que já recebem “auxílio-refeição") e servidores da Justiça Eleitoral. Os TREs poderão fornecer alimentação “por meio diverso de pecúnia”. Mas, observado o limite dos R$ 35.

 Segredo de justiça

Em direção inversa à regra da publicidade de todos os atos judiciais – pregada com frequência pelo ministro Celso de Mello, do STF - o juiz Francisco Donizete Gomes, da 2ª Vara Federal de Porto Alegre, atendeu requerimento do magistrado do Trabalho Guilherme da Rocha Zambrano.

E atribuiu segredo de justiça à ação por dano moral, ajuizada por Zambrano contra a OAB-RS, e que tramita desde 10 de setembro de 2015.

A decisão, proferida na semana passada, deferiu o pedido formulado, pelo magistrado autor da demanda, invocando o inciso III do art. 189 do novo Código de Processo Civil: “Os atos processuais são públicos, todavia tramitam em segredo de justiça os processos: (...) III - em que constem dados protegidos pelo direito constitucional à intimidade”. (Proc. nº 5056436-57.2015.4.04.7100).


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Aberta a seleção para Voluntário no Projeto Sentença Zero do Foro Central!

  Redes sociais debatem se “chegou-se ao cúmulo de publicamente terceirizar a prestação jurisdicional?”.

  Cônjuge não precisa autorizar aval dado como garantia em título de crédito nos moldes previstos no artigo 1.647 do Código Civil.

  Como a Justiça seria mais rápida se magistrados fossem assíduos aos fóruns e tribunais.

 Juízas gaúchas debatem o empoderamento feminino.

Juiz aborda encontro forense entre três pessoas combinando alguma coisa

  Um tititi na sala da OAB, na JT de Porto Alegre: todos queriam ver, rever, copiar e comentar uma postagem feita no Facebook e no Twitter pelo magistrado Jorge Alberto Araújo.

 O esconderijo de dólares e de pesos argentinos nas meias do homem que não era político.

 Meditação advocatícia sobre "cama de pregos" no Fórum de Gravataí (RS).

Novidade: já é possível registrar cachorros, papagaios etc. em cartório

• No 6º Ofício de Notas do Rio de Janeiro (RJ) foi registrada, com pompa e fotografias, uma cachorrinha de nome Lola, acolhida na rua, há um ano.

 Vale 1 ponto em Direito Constitucional: qual a “definição séria e sem palavrões sobre os políticos brasileiros”?

 Pacientes do SUS e dos planos de saúde derrotados em julgamento no STJ.

 Retrato do Brasil: na carne, ácido; no frango, talvez papelão; na linguiça, cabeça; no leite, soda. Etecetera.

Ação penal sobre estupro contra menor de 14 anos aguarda, há um ano, designação de audiência

 “Rádio-corredor” santa-mariense revela despacho com espaços em branco e inércia cartorária que hoje está completando primeiro aniversário.

• Obrigatoriedade de uso de gravata, por advogados, na Justiça do Trabalho de Brasília.

 Cantora Rita Lee sugere que todos os candidatos à Presidência da República sejam enfiados no Big Brother global, sem marqueteiros, nem assessores.

• A comemoração de Paulo Maluf: “Não estou na Lava Jato, não estou na lista do Janot, como não estive no mensalão”.

A punição financeira da juizite

  Sentença condena magistrado que adiou audiência porque o autor da ação apresentou-se calçando chinelos. Para o magistrado, o não uso de calçados fechados “atentava contra a dignidade do Poder Judiciário”.

  Será que Marcela Temer vai ao supermercado?

  Ação coletiva de pais, para baixar a anuidade escolar de seus filhos.

  Cezar Schirmer: o secretário da in-segurança do Rio Grande do Sul.

Alteração no Código Civil para punir cônjuge que descumprir dever da fidelidade no casamento

 Projeto de lei estabelece que o marido e/ou a mulher responderão pelo dano moral provocado ao outro.

 De 1.810 recursos recebidos, desembargador se aposenta deixando só 38 sem julgamento definitivo

 Um homem e suas duas mulheres: pensão dividida entre ambas.

 “Quem chega no fórum tem que saber que lá tem um juiz” – garante presidente do TJ de São Paulo