Ir para o conteúdo principal

Terça-feira, 28 de Março de 2017

Juíza gaúcha diz a Temer que “lugar de mulher é onde ela quiser



Arte de Camila Adamoli sobre fotos Ajuris e Google Imagens

Imagem da Matéria

A vice-presidente da Ajuris, Vera Lúcia Deboni, publicou carta aberta a Michel Temer sobre a interpretação dele, no Dia Internacional da Mulher, “desconectada com o tempo em que vivemos”.

No texto, a magistrada considera as declarações do presidente da República sobre o papel da mulher “uma interpretação desconectada com o tempo em que vivemos”. O texto a seguir foi, inicialmente, publicado no jornal Zero Hora; e está tendo repercussão nacional.

CARTA AO PRESIDENTE DA REPÚBLICA

Senhor Presidente. No dia 8 de março, como fazem há muito tempo, as mulheres saíram de casa e foram às ruas. O senhor precisa saber que, em pleno século XXI, nossa força de trabalho representa 43,8% do total no país. Como era Dia Internacional da Mulher, o trânsito em Porto Alegre estava difícil. Muitas mulheres do interior do Estado, entre trabalhadoras, jovens e agricultoras de mãos calejadas faziam manifestações em prol da equidade de gênero.

Representando minha associação de classe, fui ao primeiro compromisso do dia: encontro com mulheres líderes em instituições, a convite da desembargadora corregedora-geral da Justiça do TJRS. Lá estavam a presidente do TER-RS, a 2ª vice-presidente do TJRS, deputadas estaduais, promotoras de justiça, advogadas, defensoras públicas, delegadas de polícia, policiais militares. Tratamos da defesa dos direitos das mulheres.

Depois, pelo mesmo motivo, participei de programa de rádio com três jornalistas mulheres. E no final da tarde, de evento cultural com várias mulheres artistas. Nada surpreendente, já que, em pleno século XXI, somos quase maioria no planeta, e na magistratura do RS passamos de 50%, na qual, assim como em outras carreiras, a presença feminina é crescente.

A surpresa do dia ficou por sua conta. Em uma interpretação desconectada com o tempo em que vivemos, em rede nacional, alardeou uma avaliação de que a nossa contribuição para a economia do país se resume a verificação de preços no supermercado.

Diante disso, peço que oriente a Receita Federal e os demais órgãos de arrecadação de impostos que isente todas as mulheres de qualquer contribuição. E, para não deixar de atender sua expectativa, depois de atendido meu pedido, assumo compromisso de ir ao supermercado todos os dias úteis da semana e olhar os preços.

Só peço que informe a quem devo comunicar quando subirem.

Senhor Presidente, a mulher pode ser dona de casa, desde que isso não seja uma imposição. Pode, se quiser, controlar os preços no supermercado, desde que isso não seja uma política pública. Mas o senhor precisa saber: lugar de mulher é onde ela quiser!

Vera Lúcia Deboni, vice-presidente administrativa da Ajuris – Associação dos Juízes do RS.
veradeboni@ajuris.org.br


Comentários

Antonio Segetto - Contador 14.03.17 | 13:35:49
Realmente está correta a posição: lugar de mulher é onde ela quiser. Inclusive, se quiser ser primeira dama, tem esse direito. Estranho feministas que não aceitam que mulher tenha o direito de não ser feminista.
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

charge aposentadoriaChargista Latuff

A draconiana e ardilosa Reforma da Previdência

 

A draconiana e ardilosa Reforma da Previdência

“Está claro que o objetivo do governo é desmobilizar a sociedade e os servidores públicos, dividindo-os, a fim de abrir caminho para privatizar – totalmente - a Previdência e entregá-la ao rentismo do sistema financeiro”. Artigo do juiz Gilberto Schäfer, presidente da Associação dos Juízes do RS (Ajuris) e da União Gaúcha em Defesa da Previdência Social e Pública.

Um sonho: aproximação e harmonia entre magistrados e advogados

“Não vejo motivo para que os personagens estejam distanciados, nem sob o ponto de vista das relações humanas, nem sob o ponto de vista profissional, já que são classes que se complementam”. Artigo do advogado Paulo A. P. Cordeiro (OAB-RS nº 79.834).

Rodrigo Maia: Quem é você que não sabe o que diz?

“A consequência da livre negociação, nesta relação desigual, resulta no denominado capitalismo selvagem. Nele os trabalhadores são submetidos às regras impostas pelos patrões, sujeitando-se a jornadas de trabalho de até 16, 18 horas diárias”. Artigo do advogado Sergio Martins de Macedo.

A Reforma da Previdência e o preço de ser mulher hoje

“É vista com normalidade e sem escândalo, nos lares brasileiros, a cena de um homem sentado no sofá vendo televisão e descansando, enquanto alguma mulher da família, após longa jornada de trabalho, desdobra-se cuidar da casa e dar a melhor atenção possível aos familiares dependentes”. Artigo da advogada Elisa Torelly.