Ir para o conteúdo principal

Terça-feira, 28 de Março de 2017

Servidor da Justiça do Trabalho do RS preso pela Polícia Federal



Foi preso ontem (14), pela Polícia Federal, um servidor da Justiça do Trabalho da 4ª Região (RS), por suspeita de falsificação de documentos públicos e tentativa de peculato. O nome dele não foi divulgado pela PF, nem pelo tribunal; este, todavia, confirmou a prisão.

O servidor é suspeito de falsificar papeis com o objetivo de sacar valores depositados em conta judicial vinculada a processo que tramita na Vara do Trabalho de Guaíba.

Esta presta jurisdição às questões trabalhistas dos municípios de Guaíba, Barra do Ribeiro, Eldorado do Sul, Mariana Pimentel e Sertão Santana.

Ao tomar ciência dos indícios de crime, a juíza Julieta Pinheiro Neta adotou providências para evitar o saque dos valores. Segundo o TRT-4, “este não chegou a ser efetuado”.

A Administração do tribunal acionou a Polícia Federal, que realizou a prisão do servidor. Ele, simultaneamente, foi afastado de suas atividades. O TRT-4 instaurou processo administrativo disciplinar.

Em seu saite, o tribunal confirma a ocorrência e refere que “adotará todas as providências para apuração do caso e permanece à disposição das autoridades para prestar as informações necessárias à investigação”.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

O que muda no caso da boate Kiss

Como o TJRS extirpou as qualificadoras de motivo torpe e meio cruel, os quatro réus escapam de penas que ficariam entre 12 e 30 anos. Em caso de condenação, a reclusão de cada um ficará entre 6 e 20 anos.

Blog Fausto Macedo – Imagens Google

A esposa de Sérgio Moro na defesa do marido famoso

 

A esposa de Sérgio Moro na defesa do marido famoso

O TRF-4 rejeitou ontem (9) a queixa-crime de ex-presidente Lula contra o magistrado responsável pela operação Lava Jato. Advogada Rosângela Wolff Moro (foto) sustentou que a queixa-crime foi “uma tentativa de intimidar o Poder Judiciário”. Ela lembrou uma das falas do ex-presidente, captada em interceptação na qual o ex-presidente afirmava que os juízes “tem que ter medo”.

Mais uma prescrição que chega

Para quatro dos onze acusados da Lista de Furnas a acusação deu em nada. Desde o ano 2000, o caso engloba 150 políticos – quase todos ligados ao governo FHC - envolvidos num esquema de corrupção. Dos 11 denunciados, ficam só sete como réus de lenta ação penal.