Ir para o conteúdo principal

Terça-feira, 27 de Junho de 2017

Servidor da Justiça do Trabalho do RS preso pela Polícia Federal



Foi preso ontem (14), pela Polícia Federal, um servidor da Justiça do Trabalho da 4ª Região (RS), por suspeita de falsificação de documentos públicos e tentativa de peculato. O nome dele não foi divulgado pela PF, nem pelo tribunal; este, todavia, confirmou a prisão.

O servidor é suspeito de falsificar papeis com o objetivo de sacar valores depositados em conta judicial vinculada a processo que tramita na Vara do Trabalho de Guaíba.

Esta presta jurisdição às questões trabalhistas dos municípios de Guaíba, Barra do Ribeiro, Eldorado do Sul, Mariana Pimentel e Sertão Santana.

Ao tomar ciência dos indícios de crime, a juíza Julieta Pinheiro Neta adotou providências para evitar o saque dos valores. Segundo o TRT-4, “este não chegou a ser efetuado”.

A Administração do tribunal acionou a Polícia Federal, que realizou a prisão do servidor. Ele, simultaneamente, foi afastado de suas atividades. O TRT-4 instaurou processo administrativo disciplinar.

Em seu saite, o tribunal confirma a ocorrência e refere que “adotará todas as providências para apuração do caso e permanece à disposição das autoridades para prestar as informações necessárias à investigação”.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Bastidores criminosos do futebol e encomenda da morte de radialista.

O STF nega habeas corpus a ex-dirigente do Atlético-GO, que é titular do 1º Tabelionato de Protestos e Registro de Títulos e Documentos de Goiânia (GO). Ele é acusado de mandante do homicídio de locutor esportivo. Cinco pessoas vão a júri popular.

Uma morte, três anos de internação

O adolescente (17 de idade) confesso de matar a tiros o juiz do Trabalho Cláudio Roberto Ost cumprirá medida socioeducativa de internação.

STF mantém condenação de advogado por extorsão

Ele e o dono de uma emissora de rádio foram flagrados recebendo dinheiro para não divulgar matéria sobre o envolvimento de vigilantes de uma empresa no assassinato de um estudante. Pena pela extorsão é de 13 anos e 4 meses.