Ir para o conteúdo principal

Terça-feira, 18 de Abril de 2017
http://espacovital.com.br/images/unnamed.jpg

Ação penal sobre estupro contra menor de 14 anos aguarda, há um ano, designação de audiência



Arte de Camila Adamoli com base em informação processual disponível em www.tjrs.gov.br (Acesso em 17.03.2017, às 7h45)

Imagem da Matéria

 Tartaruga santa-mariense

A “rádio-corredor” do Fórum de Santa Maria alfineta servidores da própria Casa: há um processo que desde 17.3.2016 (um ano exato, portanto), repousa no cartório, aguardando designação de audiência, a ser presidida pelo juiz Leandro Augusto Sassi, da 4ª Vara Criminal.

A ação penal refere-se à prática, em tese, de delito de estupro com violência presumida, já que a vítima era menor de 14 anos, à época.

Embora se trate de fato cuja pena em abstrato, na hipótese de condenação, possui longa prescrição, está-se diante de réu com pouco menos de 70 anos (68, para ser exato). E, nestes casos, o lapso prescricional é reduzido por metade..

Benquisto em largas rodas de amigos, o acusado recebe, deles, constante apoio. (Proc. nº 027/2.15.0011261-2).

A propósito: de quem é a função de fiscalizar a rotina dos atos cartorários?

 

 Gravata obrigatória !?

O juiz Henrique Marques da Rocha, da 21ª Vara do Trabalho de Brasília, retardou o início de uma audiência na quarta-feira (15) por um motivo nada jurídico: a ausência de uma gravata na indumentária de um dos advogados presentes.

Após cerca de meia hora de debates sobre o adereço – que não é obrigatório – é que teve início o ato judicial, depois que mãos conciliadoras alcançaram uma gravata obtida alhures.

Na posição de “vítima da etiqueta”, o advogado público do Distrito Federal Hugo Fidelis, já reclamou à OAB-DF e anunciou que, nesta sexta-feira (17) ingressará com reclamação no Conselho Nacional de Justiça.

Segundo a ata de audiência, ao notar que o advogado usava sapatos sociais, terno, camisa – mas sem gravata – o juiz alertou para a necessidade de uso do complemento, para o comparecimento em audiências dirigidas por ele.

Conforme o documento oficial, o advogado afirmou “entender estar adequadamente trajado para a realização da audiência, entendendo que o alerta não encontra amparo normativo”.

O juiz rebateu dizendo que, embora não exista nenhuma regra que obrigue o uso da gravata, o advogado deve prezar pelo costume e tradição...

A propósito - Relembrando, há poucos dias teve desfecho financeiro (no bolso do magistrado...) o caso do juiz do Trabalho paranaense que se negou a realizar uma audiência porque o reclamante – um agricultor – calçava chinelos...

Leia na base de dados do Espaço Vital: A punição financeira da juizite

 Big Brother político

Era um show musical em setembro de 2002. A cantora e ativista Rita Lee teve uma daquelas ideias brilhantes, típicas do seu gênio criativo. Reclamando da inutilidade de programas como o Big Brother, a artista deu a seguinte sugestão: “Colocar todos os candidatos à presidência da República trancados em uma casa, debatendo e discutindo seus respectivos programas de governo. Sem marqueteiros, sem assessores, sem máscaras e sem discursos ensaiados. Toda semana o público votaria e eliminaria um. No final do programa, o vencedor ganha o cargo público máximo do país”.

Quase 15 anos depois, esta semana alguém lembrou de ressuscitar a ideia de Rita Lee.

Corre pela internet a propagação de que “o Big Brother político, além de acabar com o enfadonho e repetitivo horário político, permitiria à população conhecer o verdadeiro caráter dos candidatos. Assim, quem financiaria essa casa seria o repasse de parte do valor dos telefonemas feitos à Globo. E ninguém mais precisaria corromper empreiteiras ou empresas de lixo, sob a alegação de cobrir o 'fundo de campanha' – e ser ou não caixa 1, ou caixa 2”.

Quem gostou da ideia ressuscitada pode repassar aos amigos, também fazendo coro pela campanha “Chega dos Políticos, já!”

 O mundo dá voltas...

Comemoração do notório deputado Paulo Maluf no Tweeter: “Não só não estou na Lava Jato e na lista de Janot, como não estou no mensalão”.

Entre dezenas de críticas e elogios imediatos, ressaiu um comentário do cidadão Diogo Villela: “Não se respeita mais nada, deputado! Como pode um esquema desse tamanho e o senhor de fora? O egoísmo desses novatos custou caro!”


Comentários

Rafael De Faria Corrêa - Advogado 20.03.17 | 10:36:35
Com relação ao uso da gravata, errou o magistrado. Ele deveria se preocupar com a celeridade processual e não com picuinhas como o uso de gravata...
Banner publicitário

Mais artigos do autor

Sai o diretor de Tecnologia da Informação do TJRS

• Uma semana depois da audiência pública em que houve maciça reclamação advocatícia, muda o comando do setor no tribunal gaúcho.
• Os números e percentuais da ficha delinquencial da política brasileira.
• TST vai definir, na quinta-feira (20), se as empresas podem pedir negativa de antecedentes criminais antes de admitir uma pessoa.

Honorários de sucumbência são prioridade e podem ser pagos por RPV; mas os contratuais não!

  Decisão do STF estabelece que a Súmula Vinculante n° 47 - que permite priorizar o pagamento de honorários sucumbenciais - não se aplica a honorários contratuais; estes devem ser incluídos no valor total da causa.

  Botox aplicado por dentistas, na face de clientes, vira caso judicial.

 Financiadores do filme “Polícia Federal: a lei é para todos” temem represálias políticas a curto, médio ou longo prazos.

 Licença remunerada de 180 dias a um funcionário que se tornou pai ao adotar, com o companheiro, um bebê de cinco meses.

Delação da OAS alcançaria também magistrados envolvidos em corrupção

 Parte das acusações guardam conexão com uma das frentes de investigação da Operação Calicute, que levou o ex-governador Sérgio Cabral e ex-auxiliares à prisão.

 Deflagrada sucessão no TJRS: Carlos Eduardo Zietlow Duro será o candidato da situação.

 Apreensão de passaporte de empresário que não paga dívida.

  Polêmica na indicação de advogado indicado para integrar o CNJ

Uma nova ferramenta virtual para ajudar a contar os prazos em todos os tribunais

• Aplicativo gratuito é da Legal Cloud, por meio da qual advogados e estagiários indicam o total de dias a serem contabilizados, o código legislativo correspondente (CPC ou CPP) e o tribunal onde o processo tramita.
• Decisão judicial libera R$ 15 mil para “desapertar” bovinos que passavam fome.
• Pérola forense: as diferenças entre uma testemunha “arrolada” e uma vítima “rolada”.

Cem minutos sem falar em Temer, Dilma, Lava-Jato e tartarugas judiciais

  Como fazer chimarrão em 30 segundos! Detalhes sobre o excelente show do “Guri de Uruguaiana”, que convence gaúchos que é possível, temporariamente, esquecer a corrupção e a crise brasileira.

  Processo disciplinar contra juíza que chega atrasada às audiências.

  Penduricalhos para a magistratura, garantidos por lei estadual.

  Combate a ratos, baratas e pragas no ambiente político.

Aberta a seleção para Voluntário no Projeto Sentença Zero do Foro Central!

  Redes sociais debatem se “chegou-se ao cúmulo de publicamente terceirizar a prestação jurisdicional?”.

  Cônjuge não precisa autorizar aval dado como garantia em título de crédito nos moldes previstos no artigo 1.647 do Código Civil.

  Como a Justiça seria mais rápida se magistrados fossem assíduos aos fóruns e tribunais.

 Juízas gaúchas debatem o empoderamento feminino.