Ir para o conteúdo principal

Sexta-Feira, 17 de Novembro de 2017

TJRS põe fim a tarifas abusivas cobradas pela Sky



Uma boa notícia que, a médio prazo, vai interessar a assinantes de tevê a cabo: decisão da 15ª Câmara Cível do TJRS reformou sentença e, acolhendo ação ajuizada pela Adecon Associação de Defesa dos Consumidores do RS, condenou a Sky Brasil Serviços Ltda. - em obrigação de não fazer - a não mais cobrar tarifas abusivas. Entre elas: 1) Licenciamento de software e segurança; 2) Locação de equipamento de sistema opcional; 3) Sistema de gravação.

O julgamento também determinou a devolução dos valores cobrados a tais títulos nos últimos cinco anos.

Antigamente as empresas de tevê a cabo cobravam de seus clientes, mensalmente, uma “taxa por ponto extra” nas residências. Com a edição da Resolução nº 528/2009 da Anatel, essa cobrança mensal foi proibida, sendo permitida apenas na instalação e/ou reparo do aparelho.

Foi então que as operadoras de tevê instituíram a chamada “taxa de aluguel” de aparelho – que nada mais é do que a antiga taxa por ponto extra, sob outro nome, inclusivo em valor similar.

Não está havendo cumprimento imediato da condenação imposta pelo TJ gaúcho: a Sky pediu, via embargos de declaração, esclarecimentos sobre o julgado; e a associação dos consumidores, com idênticos embargos de declaração pede seja sanada omissão, a fim de que a Câmara comine multa diária por descumprimento, caso a SKY protele ou se negue a cumprir a decisão.

Usuários que tenham dúvidas, presentes ou futuras, podem escrever à Adecon, no e-mail adeconrs@adeconrs.org.br.

Os advogados Ricardo Silva Filho e Camila Fialho, que atuam em nome da associação de consumidores, garantem que todas as indagações serão respondidas. (Proc. nº 70069333243).

Leia a íntegra do acórdão: “VERDADEIRA COBRANÇA DISSIMULADA DE PONTO-EXTRA, VEDADA PELA ANATEL”.


Comentários

João Fernando Sperottojoão Fernando Sperotto - Aposentado 19.03.17 | 21:13:48
Sou usuário da NET e ela fez a mesma coisa do que a SKY, ou seja, cobrou pelo ponto adicional e alterando por várias vezes o motivo desta cobrança do ponto adicional. Iniciou cobrando como "MENSALIDADE PONTO EXTRA" e alterando para: "SERVIÇO DE CONEXÃO ADICIONAL" passando para "CONEXÃO OPCIONAL"; voltou a alterar para "ALUGUEL DE EQUIPAMENTO" e por último intitulando "ALUGUEL DE EQUIPAMENTO HABILITADO". Esta decisão do TJ se refere só para SKY? A NET estaria incluída?
Marcio Moraes - Psicólogo 17.03.17 | 15:30:51
Sou vítima desta cobrança pela SKY há muito tempo. Pela via administrativa eles não cancelam a cobrança. Espero que esta decisão transite em julgado logo, para que possamos exigir da SKY.
Eliel Valesio Karkles - Advogado 17.03.17 | 11:46:32
Outras empresas fazem (ou faziam) o mesmo... Locação de equipamento é 90% do preço. Safados!
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

H2OH! não é água

A União perde ação que buscava que a fabricante Pepsico alterasse a rotulagem e a marca do produto. TRF-3 definiu que o cidadão com instrução suficiente para conhecer a fórmula química da água é capaz também de perceber que se trata de refrigerante.

Validade da cláusula que admite atraso em entrega de imóvel comprado na planta

STJ rechaça tese sustentada por casal de compradores de que a incorporadora e a construtora - ao estipularem o prazo de entrega – devem considerar a possibilidade de atraso. Riscos, doravante, de que o consumidor seja seduzido com a informação enganosa de que o imóvel será entregue em data certa.

Hyundai responderá por fraude na venda de automóvel

Empresário comprou automóvel no interior de revenda autorizada, mas jamais recebeu o veículo. Aplicação pelo STJ da teoria da aparência. “Quando qualquer entidade se apresente como fornecedora de determinado bem ou serviço, ou mesmo que ela, por sua ação ou omissão, causar danos ao consumidor, será por eles responsável” – conclui o julgado.

O enfraquecimento da condição de consumidor

Julgado do STJ estabelece que “apesar da proteção contratual do consumidor estabelecida pelo CDC, o benefício do foro privilegiado estampado no art. 101, I, do CPC não resulta, ´per se, em nulidade absoluta das cláusulas de eleição de foro estabelecidas contratualmente´”.