Ir para o conteúdo principal

Sexta-Feira, 22 setembro de 2017

TRF-4 confirma condenação de advogado gaúcho por sonegação de impostos



O Tribunal Regional Federal da 4ª Região confirmou, na quarta-feira (15) a condenação criminal do empresário Marcelo Domingues de Freitas Castro por sonegação de impostos, mas diminuiu a pena: originalmente de 8 anos e 4 meses, ela foi fixada em 5 anos e 5 meses de reclusão. O regime inicial é o semiaberto.

Marcelo Castro foi denunciado pelo Ministério Público Federal em janeiro de 2014. Em maio de 2015, sentença proferida na 22ª Vara Federal de Porto Alegre condenou o empresário por fraude fiscal, concedendo-lhe o direito de apelar em liberdade. Na época, ele era vice-presidente jurídico do Sport Club Internacional (gestão Vitório Piffero).

Segundo a sentença monocrática, proferida pelo juiz Adel Américo Dias de Oliveira, da 22ª Vara Federal de Porto Alegre, Marcelo omitiu e prestou informações falsas nas suas declarações de Imposto de Renda de pessoa física e jurídica entre os anos 2000 e 2004. Ele era sócio e administrador da empresa Marpa e Castro Consultores Associados.

O mesmo juiz indeferiu o andamento da ação com o timbre de “segredo de justiça”, pedido pela defesa do acusado. No ponto, o magistrado cita artigo da Constituição Federal para lembrar que os atos processuais são públicos.

No total, o empresário teria deixado de pagar à Receita Federal R$ 5.164.096,89 em tributos.

A defesa recorreu ao TRF-4, alegando que não existem provas de que o réu era responsável pela gestão e administração da Marpa. Pediu a nulidade do julgamento ou, caso fosse mantida a condenação, a diminuição da pena.

Conforme o relator do caso, desembargador federal Márcio Antônio Rocha, da 7ª Turma, não há dúvidas acerca da autoria do delito.“O denunciado era o titular de fato da conta bancária em que se deram as expressivas movimentações mencionadas, sendo tais rendimentos omitidos. Restou comprovada a sonegação de R$ 1.508.654,70 a título de Imposto de Renda da pessoa física” - afirmou Rocha.

Quanto à pessoa jurídica, o desembargador ressaltou que existem provas suficientes de que o réu administrava a Marpa à época dos fatos.“Não havendo dúvida razoável sobre a administração da empresa por outra pessoa, de forma autônoma de qualquer ingerência ou controle do réu, a responsabilidade dele mostra-se suficientemente comprovada”, avaliou o julgador.

Não há trânsito em julgado. (Proc. nº 5052700-02.2013.4.04.7100 – com informações do TRF-4).

Leia a íntegra do voto do relator:

O réu apresenta culpabilidade exacerbada.
Além de possuir conhecimento especializado
na área tributária, ainda, possuía formação em Direito”.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Um pedido de vista que já dura mais de cem dias

Suspenso no STF, desde 1º de junho, o julgamento sobre alterações no foro por prerrogativa de função. Quatro votos já proferidos apontam que “após o final da instrução processual, a competência não será mais afetada em razão de o agente público vir a ocupar outro cargo ou deixar o cargo que ocupava, qualquer que seja o motivo”.

Fernando Collor afinal vira réu: propinoduto é de R$ 29 milhões

O inquérito chegou ao STF em 21 de agosto de 2015. Ontem, dois anos depois, por unanimidade, a 2ª Turma transformou o caso em ação penal. Conforme a denúncia, o grupo do senador embolsou vultosa propina entre 2010 e 2014, por meio de contratos de troca de bandeira de postos de combustível celebrados com a BR Distribuidora.