Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 19 setembro de 2017

Falta de alvará não é irregularidade que vede adesão ao Simples Nacional



O Escritório de Advocacia Alano & Alfama Sociedade de Advogados obteve liminar para a sua inclusão no Simples Nacional com efeitos retroativos, mesmo na pendência de alvará de localização e funcionamento. A decisão é da Justiça Federal de Porto Alegre.

Contra a negativa, a sociedade advocatícia impetrou mandado de segurança, sustentando que “a ausência de alvará de funcionamento não constitui óbice para o seu enquadramento no Simples Nacional, pois tal circunstância é irregularidade meramente administrativa, porém, jamais fiscal, para efeito de aplicação do art. 17, XVI, da Lei Complementar nº 123/2006”.

A decisão liminar, proferida na 13ª Vara Federal de Porto Alegre, reconheceu – na linha de precedentes do STJ - que “a inexistência de alvará de funcionamento não é irregularidade enquadrável no conceito de ‘irregularidade em cadastro fiscal’ para efeito da aplicação do art. 17, XVI, da Lei Complementar nº 123/2006”.

Com o precedente, empresas que tiverem negada sua inscrição no Simples Nacional, por questões de ordem administrativa, podem reaver judicialmente sua inscrição e garantir, inclusive, reconhecimento com efeitos retroativos.
(Proc. nº 5012166-74.2017.4.04.71.00).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

As muitas estultices do promotor Sérgio Harris

O Colégio de Presidentes das 106 Subseções da OAB gaúcha divulga nota para demonstrar indignação contra o presidente da Associação do Ministério Público do RS.

Associação de Advogados Trabalhistas também desagrava a OAB

Repudiando o artigo do promotor Sérgio Hiane Harris, a SATERGS alerta que “os ataques ao direito de defesa e à livre atuação dos advogados jamais podem ser tolerados, sob pena de instauração de um Estado ditatorial”.