Ir para o conteúdo principal

Terça-feira, 18 de Abril de 2017

O constrangedor erro do “copia/cola



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Era um processo volumoso, antigo e complicado, de rescisão contratual de representação comercial. O estagiário tinha posto os volumes em ordem e pulverizara álcool 70 para eliminar os ácaros. A sentença não satisfizera as duas partes.

Em grau de apelação, o assessor recebeu os memoriais finais e se pôs-se a lê-los, antes de minutar o projeto de voto, que submeteria à leitura minuciosa e à aprovação do douto e sempre presente desembargador.

De repente, os olhos do assessor se arregalaram. Em meio ao item 7, iniciado por grandes digressões jurídicas, havia um trecho surpreendente: “Ter relações na parte da manhã impulsiona tanto o nosso estado de espírito como o nosso sistema imunológico”.

E por oito parágrafos densos seguiram-se revelações mais pertinentes a um livro de Sexologia, do que a uma peça dita jurídica.

O assessor resolveu exibir ao magistrado. E entre frases insinuantes (que talvez pudessem ser 69 – ninguém se deu ao trabalho de contar...) os dois leram preciosidades, neste padrão: “A Revista Lifestyle Mirror recentemente publicou que o sexo regular aumenta o fluxo sanguíneo e diminui os hormônios do estresse no organismo, que causam estragos na pele” (...) “De acordo com a US National Library of Medicine, as pessoas que fazem mais sexo possuem pressão arterial muito mais baixa”. E por aí se ia.

Até que uma frase foi mais reveladora: “Minha amada... (seguia-se um nome feminino), de acordo com a Revista Women's Health, a estimulação vaginal pode aliviar dores crônicas nas costas, dores nas pernas, dores de cabeça e enxaquecas”.

O magistrado orientou o assessor a que ligasse ao advogado pessoalmente, resumindo a surpresa, para sugerir-lhe que requeresse que, “para sanar erro de copia/cola, fossem tarjadas de preto todas as frases e expressões equivocadamente postas e que refogem ao debate jurídico”. A petição deveria ser levada em mãos diretamente na câmara cível, para evitar escorregões e vazamentos protocolares.

O advogado desculpou-se, digitou rápido e em menos de uma hora chegou ao TJ, onde foi recebido pelo desembargador numa das salas de sessões (vazia), convenientemente sem terceiros intrusos. O anfitrião foi educado (“Essas coisas acontecem”) e sintético ao despachar a petição: “Junte-se. Defiro. Tarje-se”!

Três minutos depois, agradecido, o advogado saiu vermelho e suado... Tudo o que fora capaz de ruborizá-lo estava definitivamente encoberto por espessa tinta preta.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

O professor pervertido

 

O professor pervertido

Na escola de segundo grau, o professor costumava galantear muitas de suas alunas adolescentes. Achegava-se, tentava um selinho e cantarolando versos de Roberto Carlos, assanhava-se: “Os botões da blusa, que você usava e meio confusa desabotoava...iam me deixando ver, no meio de tudo, um pouco de você!"

Charge de Gerson Kauer

Beleza e Pinto

 

Beleza e Pinto

O juiz, jovem ainda, havia dois dias chegara à comarca. Queria impor disciplina, ordem, respeito. Começou por chamar, um a um, todos os servidores forenses. E provocou um oficial de justiça; mas levou o troco.

Charge de Gerson Kauer

 Quarta-feira de Cinzas

 

Quarta-feira de Cinzas

O juiz era um homem duro e pouco afeito a gentilezas. Marcou a audiência de instrução e julgamento para a manhã imediata à terça-feira gorda de Carnaval, às 8h45 min.Saiba qual foi a afinada reação prática partes e advogados (cinco pessoas físicas e uma pessoa jurídica), para reagirem à esdrúxula designação.

Charge de Gerson Kauer

Sete dias (só) de intenso romance

 

Sete dias (só) de intenso romance

O homem cinquentão; ela trintona. Escaparam do inverno porto-alegrense e foram ao ameno verão nova-iorquino. Passagens em executiva por conta dele e demais gastos pagos por ela, porque o cidadão esquecera os cartões de crédito em Porto Alegre. Na viagem de volta, eles se desentenderam. A solução financeira foi judicial...

Charge de Gerson Kauer

Amélia, a mulher de verdade

 

Amélia, a mulher de verdade

Depois de oito anos de um relacionamento íntimo interessante, médico e professora se desavieram financeiramente na hora da separação. Um dos detalhes da prova revela que cabia a ela, sempre, pagar a conta mais cara, quando ambos iam juntos ao supermercado. “Era uma Amélia...” – observou a desembargadora revisora.

Charge de Gerson Kauer

   O pinto da comarca

 

O pinto da comarca

O vigário da cidade, em uma comarca de entrância inicial tinha, como mascote, um pinto chamado Valente. Certo dia, Valente desapareceu, e o religioso imaginou que alguém o havia furtado. No domingo, à hora do sermão, o padre perguntou à comunidade: “Alguém de vocês, aqui, tem um pinto”?...